Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

O Governo, a incompetência e suas agências



Por Marcelo Santagada de Aguiar, advogado (OAB-RS nº 41.900).
marcelo@benckesirangelo.com.br

Nesta semana fomos “brindados” pela criação de mais uma agência pelo Governo Federal: a ABRAM – Agência Brasileira de Museus, instituída pela Medida Provisória nº 850 de 10.9.2018.

Segundo o texto da criação, a agência será um serviço social autônomo, na forma de pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, de interesse coletivo e de utilidade pública, com a finalidade de gerir instituições museológicas e seus acervos e promover o desenvolvimento do setor cultural e museal.

A mesma medida provisória estabelece a extinção do Ibram – Instituto Brasileiro de Museus, passando para a União 27 museus hoje sob a sua gestão. De referir que a norma estabelece que a nova agência será a responsável pela reconstrução do Museu Nacional, sendo evidentemente esse o motivo de sua criação.

Da leitura da medida provisória, desponta claramente que ela é fruto de uma recorrente característica dos governos no Brasil: a impressionante incompetência na gestão do patrimônio público, e a adoção de medidas de ocasião para tentar resolver problemas imprevistos que se apresentam, como no caso o lamentável incêndio que destruiu o Museu Nacional recentemente.

Note-se que o incêndio do Museu Nacional e a criação da nova agência nada mais são do que o atestado definitivo de que o Estado não tem a mínima competência para a gestão do que quer que seja. Não adianta se o museu era vinculado a uma universidade federal, se era vinculado ao Ministério da Educação, ou ao Ministério da Cultura - o fato é que ninguém foi capaz de proteger um patrimônio cultural insubstituível. Como Brasil, ficamos novamente com o vexame de um incêndio que se poderia evitar.

A criação da nova agência, como no passado recente o foi com as demais agências, provavelmente pouco mudará o destino dos museus e quase com absoluta certeza, mesmo que já existisse a agência dos museus, o incêndio não deixaria de ocorrer.

As agências foram criadas quando das privatizações do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, seguindo o modelo do governo inglês de Margaret Thatcher. Esta, após grande onda de privatizações, criou as agências reguladoras para manter a qualidade dos serviços e a defesa dos cidadãos.

No Brasil, para variar, as coisas não saíram como planejado e hoje temos agências reguladoras que trabalham mais para as reguladas do que para a população destinatária dos serviços, apenas como exemplo citamos a ANAC e a ANATEL que não conseguem dar um satisfatório resultado à população destinatária dos serviços aéreos e de telefonia.

Assim, resta torcer para que a nova Agência Brasileira de Museus tenha destino e futuro diverso das congêneres e tenha êxito na reconstrução do Museu Nacional e na gestão e conservação dos demais museus do país.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os políticos inescrupulosos e o Supremo

“Uma análise sobre o trânsito em julgado e o segundo grau de jurisdição. Essa ideia minoritária de terceiro grau de jurisdição, no próprio STF, só foi inventada após as condenações de políticos inescrupulosos que hoje estão tentando se beneficiar com uma interpretação inexistente no mundo todo”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann (OAB-RS nº 5.962)

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS