Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/smj.jpg

Juíza que já foi Miss Distrito Federal estará na equipe de Tóffoli no STF



Foto de Cassiano Grandi

Imagem da Matéria

• Uma beldade no Supremo

Sem confirmação oficial, mas também sem desmentidos, a notícia foi revelada pelo jornalista Irineu Tamanini, que atua no eixo Brasília-Rio de Janeiro desde 1976. Ele já chefiou as assessorias de imprensa do STF, STJ, TSE, TST e Conselho Federal da OAB.

É dele a informação inicial de que o novo presidente do Supremo, Dias Toffoli, acaba de recrutar a mais bela juíza do país para a sua assessoria. Trata-se de Alessandra Baldini, 31 anos, juíza federal do TRF da 1ª Região, ora classificada em Cruzeiro do Sul (AC). Uma foto dela ilustra este “Salvo Melhor Juízo” de hoje.

A repercussão não está na grande mídia, mas em menores veículos de comunicação e na mídia alternativa e independente.

O Espaço Vital complementa: Alessandra Baldini, brasiliense de nascimento, ex-modelo internacional e ex-miss Distrito Federal (2011), assumiu o cargo de juíza federal em janeiro de 2015. Além de nomeada para o TRF-1, foi aprovada antes em outros cinco concursos, em três anos: especialista em regulação da Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac), analista do STF, analista do STJ, defensora pública e procuradora do Banco Central.

A “rádio-corredor” da pequena OAB do Acre (1.428 advogadas e 1.858 advogados) – Estado onde Alessandra ainda presta jurisdição – irradiou elogios: “Uma linda mulher, talvez a mais bonita juíza do Brasil, magistrada atuante e competente”.

E transmitiu também uma sutil comparação: “Com sua inteligência, a Doutora Alessandra fez o que o seu mais novo chefe não conseguiu: prestou concursos públicos e foi várias vezes aprovada”.

• “Trabalhar menos e ganhar mais”

No desagravo concedido ontem (17) pelo Conselho Federal da OAB à advogada que foi algemada e presa por exigir o cumprimento de uma previsão processual, o presidente da OAB carioca, Felipe Santa Cruz, foi uma voz candente: “Não somente houve uma violência contra a advocacia, mas contra a mulher. A forma heterogênea de pensar não pode ser capaz de nos segregar”, apontou.

Santa Cruz se referiu ainda à juíza leiga Ethel de Vasconcellos que ordenou a violência: “Quem algema advogado não é advogado e não pode ter carteira da Ordem no bolso”.

E deu uma alfinetada final: “O Judiciário brasileiro, cheio de autoridade, vem se construindo baseado em um binômio: trabalhar menos e ganhar mais”.

• “Vai faltar algema”

Muito emocionada, a advogada Valéria Lúcia dos Santos foi a última a se pronunciar no ato. Ela estava com a voz embargada:

“Estudei muito para ser advogada. Recebi manifestações de centenas de colegas. As mulheres são as que mais sofrem no exercício da advocacia e um depoimento me marcou muito: o de uma advogada que me disse que segue meu exemplo de destemor. A ela eu respondi: ‘Vai faltar algema´”.

O público presente – cerca de 300 pessoas, protegendo-se com guarda-chuvas à frente do Fórum de Duque de Caxias (RJ), onde chovia muito - então, entoou e repetiu o grito: “Vai faltar algema, vai faltar algema”.

• Cruz, credo!

Chegou ao staff de Jair Bolsonaro um ricochete informativo com passagens em Buenos Aires. Ali trata-se com extrema atenção uma informação passada pessoalmente por agentes do Mossad, serviço de inteligência de Israel. Eles teriam alertado as autoridades argentinas que integrantes do Hezbollah fariam duas vítimas na América do Sul: Maurício Macri e Jair Bolsonaro.

A história pode ser rocambolesca, mas é levada a sério na Casa Rosada.

• Mero calendário

Nada a ver com os EUA, mas o lançamento da campanha de Haddad à eleição presidencial teve uma coisa chata.

Foi em 11 de setembro. A data lembra a tragédia da queda das torres gêmeas.

Façam o que eu digo…

Tramita no Senado um projeto de lei (nº 170/2017) que torna inelegíveis os devedores da Fazenda Pública. O autor é... Romário, que tem R$ 657.700 inscritos, em seu nome, na dívida ativa para com a União. Ou seja: se o projeto já tivesse sido aprovado, o senador não poderia concorrer a governador do Rio.

Lembram do ditado “Façam o que eu digo, não façam o que eu faço”?

Faz sentido.

 Programem suas férias!

O Órgão Especial do TJRS aprovou ontem (17), em sessão administrativa, pedido da OAB-RS de suspensão dos prazos processuais, audiências e julgamentos no período entre 20 de dezembro de 2018 e 20 de janeiro de 2019.

A medida, aprovada por unanimidade, também veda, no período, a publicação de notas de expediente.


Comentários

Astor Aze4redo - Consultor 18.09.18 | 15:28:08

11 de setembro golpe contra Allende não poderia ser data melhor. Aqui também deram golpe na candidatura

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Lasier Martins confundiu o público com o privado

 Senador gaúcho foi ao Rio, para a formatura da filha, com passagens e diárias de hotel pagas pelos cofres públicos. Que feio!

• Fernando Haddad condenado a indenizar Edir Macedo, chamado de “charlatão”.

 Cuidado para não emprestar seu nome!

 Um trenzinho de alegria apita para anunciar sua chegada na Câmara Federal.

• Jornalista Liziane Lima despede-se da Comunicação Social da OAB-RS.

Uma maneira expedita de responder as apelações: carimbar, carimbar...

 Ministro Carlos Marun vai passar o Dia do Marinheiro no Líbano...

 Michel Temer também vai viajar.

 Seu notebook pifou? Faça como a global Andréa Beltrão!

 Senado aprova o projeto que garante, aos advogados, o acesso a atos e documentos de processos judiciais eletrônicos, mesmo sem procuração específica.

 Chega ao STJ a primeira das ações cíveis que trata da queda do avião em que morreu Eduardo Campos.

 A OAS vai ser despejada em São Paulo.

Antes que o governo Temer acabe, o gaúcho Carlos Marun vai fazer uma “inspeção” no Líbano

 E na mesma linha das “viagens do adeus”, duas representantes do moribundo Ministério dos Direitos Humanos vão a Lisboa e Viena, para uma “visita técnica de prospecção”.

 Um projeto da deputada Clarissa Garotinho para salvar papai Garotinho.

 Lembram do mensalão do PT? Pois Marcos Valério é o único que ainda está preso.

 Uma estátua gremista para o zagueiro Bressan. Só que...

 Uma vaga no Presépio de Natal para Magno Malta.

 Justiça celestial recebe - afinal e definitivamente - executivo da Petrobras condenado a 24 anos de prisão e a devolver US$ 8 milhões.

Adivinhem a causa do fechamento de duas lojas de trajes finos masculinos

 Caiu o faturamento delas, porque 92% de seus clientes estão enrolados na Laja Jato.

 O borracheiro baiano que criou uma holding de R$ 580 milhões em sociedade com uma advogada

• Das redes sociais para o Brasil inteiro: “Sérgio Moro não saiu da justiça para fazer política; mas entrou na política para fazer justiça”.

• Os novos tempos de Toffoli no Encontro Nacional do Poder Judiciário: as cataratas de Foz do Iguaçu como panorama de fundo.

 O outono europeu é lindo: antes que Bolsonaro liquide com o Ministério dos Direitos Humanos, emissárias de Temer fazem “visitas técnicas de prospecção” em Lisboa e Viena.

 Um potim do livro “Jardim das Aflições”.

Pinto pequeno (o outro...) como tema central de uma condenação judicial da Oi Telefonia

  Imagine o leitor ser acordado por um telefonema na madrugada: “Sei que seu pinto é pequeno, e que você tem ejaculação precoce...

  Lula está sentindo falta das visitas íntimas.

 Ex-governador Anthony Garotinho trabalha na arrumação da biblioteca de um hospital psiquiátrico.

 Dia 1º de janeiro entra em vigor a norma ´RuaNeles´, que será a nova versão da Lei Rouanet.

  Dilma explica os descontos do Black Friday: “É 30% de 25%, ou 30% de 30%”...

  Conselheiro da OAB-RS decifra as promoções da Sexta-Feira Preta: “Com raríssimas exceções, é tudo pela metade do dobro do preço”.

  As regalias de alguns servidores do Congresso.

A cadeira “permanente” que era apenas temporária

 TJRS dá ganho de causa ao Grêmio, à OAS e à Karagounis Participações, em ação movida por um torcedor que era titular de uma cadeira no Estádio Olímpico.

• 503 ações para brecar divulgações políticas na internet.

 Indulto do colarinho de 2017 será julgado pelo STF na próxima semana.

 Advogada acha que o STF é “fofo”.