Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.

Horas extras para médica que não repousava a cada 90 minutos de serviço



A 6ª Turma do TST condenou a Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar) a pagar, como extras, os intervalos de 10 minutos a cada 90 minutos de serviço não usufruídos por uma médica. O direito ao intervalo para os médicos está previsto em lei, e o empregador não comprovou que concedia o período de repouso, o qual deveria constar no registro de ponto.

A médica Yumi Hoshi trabalhou num centro de urgência de Curitiba (PR), de janeiro de 2010 a abril de 2012, em plantões de 6h ou de 12h.

Na ação trabalhista, ela afirmou que a fundação não concedia o repouso de dez minutos, apesar de ser garantido no artigo 8º, parágrafo 1º, da Lei nº 3.999/1961, que trata da duração do trabalho dos médicos. Portanto, pediu o pagamento do período como serviço extraordinário.

O juízo da 14ª Vara do Trabalho de Curitiba (PR) julgou improcedente o pedido. Nos termos da sentença, “o empregador não registrava no ponto o intervalo da Lei nº 3.999/1961, mas a médica o aproveitava entre as consultas”.

Ao também negar o pedido no julgamento de recurso, o TRT da 9ª Região entendeu que a médica deixou de comprovar a falta de concessão do intervalo. Para o TRT, o ônus da prova era dela.

Em recurso de revista, a médica questionou esse entendimento, e a relatora, ministra Kátia Magalhães Arruda, lhe deu razão. De acordo com a ministra, é do empregador o ônus de comprovar a regular fruição do intervalo, pois, nos termos do artigo 74, parágrafo 2º, da CLT, é sua obrigação manter os registros dos períodos destinados a repouso e descanso. A decisão foi unânime.

Os advogados Daniel Augusto Glomb, Guilherme Seiti Suguimatsu e José Lúcio Glomb atuam em nome da médica. (RR nº 1129-07.2012.5.09.0014 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mesada em substituição à aposentadoria

O TRT de Minas cria original precedente: responsabiliza o empregador a pagar mensalmente, a um trabalhador que tenta se aposentar, o valor que ele teria direito de receber. A obrigação persistirá até que a situação dos recolhimentos previdenciários seja resolvida junto ao INSS.

Decisão do STF suspende acórdão do TRT da 4ª Região

Acolhimento liminar de reclamação suspende decisão que determinava que uma empresa gaúcha procedesse ao desconto da contribuição sindical de todos os trabalhadores, ainda que estes não tenham autorizado.

Cola prejudicial à saúde

TRT-RS condena empresa fornecedora de equipamentos hospitalares. Acórdão alerta para os riscos das lidas com a cola ciclohexanona.