Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Castigo financeiro e caligráfico



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na cidade de 9,5 mil habitantes, a esposa reforçava a receita familiar trabalhando em casa, autonomamente, como massagista, atendendo primordialmente o público feminino. Eventualmente ela tratava clientes homens, geralmente queixosos de dores nas costas e artrose nos joelhos. O marido dela era acreditado professor do idioma pátrio, homem exigente com os padrões estéticos da caligrafia de seus alunos.

De repente, a massagista passou a ser acossada por telefonemas gerados por “número chamador não identificado”. Os primeiros foram só de sussurros; outros, sugeriram relações sexuais sem compromisso; mais tarde, vieram pedidos de namoro; e finalmente a insinuação de prostituição: “Quanto me cobras para fazer um sexo tão gostoso como as tuas massagens?” Todos rechaçados, evidentemente.

Depois de umas 20 chamadas despropositadas, houve registro policial e, com autorização judicial, o grampo do celular gerador. Este, logo foi identificado como pertencente a um viajante comercial, morador em cidade vizinha. A gravação de algumas das ligações revelou o crescimento da carga obscena.

Em juízo, o inquérito policial – para fins de ação penal – deu em nada. Mas a ação cível por “perturbação ao sossego e assédio sexual” teve sentença de procedência. O tribunal estadual verberou o abuso das comprovadas 45 ligações e confirmou a indenização que, com os acréscimos, chegaria a R$ 11 mil. (Algo como 2,5 “auxílios-moradia”...).

Na fase de cumprimento de sentença, o oficial de justiça não localizou bens do executado e o Banco Central conseguiu bloquear ínfimos caraminguás na conta corrente prospectada. No início de setembro houve o acordo, cuja essência talvez tenha sido concebida pelo marido da massagista – professor, como se viu.

É que além de pagar R$ 7.000 em dez parcelas de R$ 700 – o assediador aceitou um moral castigo caligráfico: em duas dezenas de folhas de papel A-4, teve que escrever 200 vezes, de próprio punho, de forma legível, uma frase pungente para ele: “Devo respeitar as mulheres!”.

No fecho da última folha, a definitiva capitulação do valentão sexual: “Peço desculpas à massagista ofendida”. Como arremate, passou pelo constrangimento de ir ao tabelionato para o reconhecimento, por autenticidade, de sua assinatura.

Na semana passada, o acordo foi homologado. Sem segredo de justiça.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Páginas da vida com segredo de justiça

 

Páginas da vida com segredo de justiça

O réu de uma ação penal por assalto é universitário, com matrícula trancada por falta de dinheiro para as mensalidades. Chegara a trabalhar como auxiliar contábil. Mas desempregou-se em decorrência do fechamento de uma indústria. A “primeira vez” dele como assaltante terminou sendo a redenção para que, dando a volta por cima, voltasse à faculdade e concluísse o curso de Direito.

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).