Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/smj.jpg

Ação milionária de funcionária contra o Facebook por trauma mental



Abhimanyu Ghoshal – The Next Web

Imagem da Matéria

• Traumas mentais no trabalho

Uma ex-funcionária do Facebook entrou, na Justiça de San Francisco (Califórnia, EUA), com uma ação contra a empresa, alegando que os moderadores de conteúdo que enfrentam trauma mental após rever imagens angustiantes na plataforma não estão sendo devidamente protegidos pela gigante das redes sociais. A pretensão indenizatória é de US$ 3 milhões.

Conforme a petição inicial, “os moderadores do Facebook são bombardeados com milhares de vídeos, imagens e transmissões ao vivo de abuso sexual infantil, estupro, tortura, bestialidade, decapitações, suicídio e assassinato”.

A petição também complementa que “o Facebook está ignorando seu dever de fornecer um local de trabalho seguro e criando uma porta giratória de funcionários que estão irreparavelmente traumatizados pelo que presenciaram no trabalho” - escreveu Korey Nelson, advogado da ex-funcionária Selena Scola.

O profissional da advocacia pretende transformar a ação individual em coletiva, com o ingresso – como autores ou litisconsortes ativos – outras dezenas ou centenas de empregados do Facebook que tenham ou estejam passando pelo mesmo problema.

No passado, o Facebook afirmou que todos os seus moderadores de conteúdo têm acesso a recursos de saúde mental, incluindo profissionais que ficam na sede da empresa e são treinados tanto para aconselhamento individual quanto em grupo, e que eles recebem benefícios totais de saúde.

Atualmente, 7.550 pessoas trabalham para o Facebook revisando o conteúdo publicado na rede, incluindo funcionários em tempo integral (oito horas diárias) e aqueles sob contratos de empresas de recursos humanos.

Selena Scola, a autora da ação, trabalhou nos escritórios do Facebook em Menlo Park e em Mountain View, na Califórnia, por nove meses desde junho do ano passado, sob contrato de uma empresa de RH sediada na Flórida.

De acordo com a publicação Moneycontrol, espera-se que aquele número aumente para 20.000. Atualmente estão sendo contratadas pessoas por meio de empresas terceirizadas na Índia, para lá mesmo trabalhares, com salários anuais que variam de US $ 3.100 a US $ 5.500.

 GPS para localização no Foro Central...

O EV publicou, terça passada, artigo da advogada Elaine Harzheim Macedo resumindo o (des) acesso à Justiça nos JECs do Foro Central de Porto Alegre.

O 3º vice-presidente do TJRS, desembargador Túlio Martins respondeu prontamente.

“As salas dessas unidades estão momentaneamente separadas em razão de obras para melhorias no prédio do Foro Central I. A Secretaria das Turmas Recursais, atualmente situada no prédio II, foi unificada para otimização do serviço e retornará ao Prédio I após a conclusão da reforma. Compreendemos que as partes e advogados possam estar enfrentando dificuldades temporárias. Mas passado esse período de obras, em breve os usuários frequentarão instalações renovadas, especialmente projetadas para atender a tal serviço, o que se refletirá no aprimoramento do serviço prestado”.

Detalhe: o cronograma está sendo cumprido e as obras deverão estar concluídas em junho de 2019.

Entrementes, para enfrentar, sem GPS, os nove meses que há pela frente, quem sabe a direção do Foro de Porto Alegre põe organização na casa? Cartazes de fácil visualização e servidores com disposição para ajudar – são duas ideias que o Espaço Vital sugere.

 “Propostas ilegais”

O juiz Eduardo José Matiota, da 61ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP), determinou, esta semana, que a Editora Abril reintegre todos os funcionários demitidos desde dezembro de 2017 e que “se abstenha de realizar novas dispensas sem prévia negociação coletiva”. A decisão também condena a empresa a pagar R$ 500 mil por danos morais coletivos.

O julgado foi proferido em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho e pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, com pedido de antecipação de tutela contra a empresa, que está em processo de recuperação judicial.

A denúncia apontou que a editora demitiu 100 trabalhadores, em dezembro de 2017, e que, junto ao sindicato da categoria, iniciou negociação, mas “formulando propostas ilegais para parcelamento das verbas rescisórias, indenização de um salário, concessão de um mês de plano de saúde e fornecimento de vale refeição por seis meses”.

Afirma ainda que em decorrência da idade dos trabalhadores demitidos, foi um ato discriminatório. (ACP nº 1000446-88.2018.5.02.0061).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Lasier Martins confundiu o público com o privado

 Senador gaúcho foi ao Rio, para a formatura da filha, com passagens e diárias de hotel pagas pelos cofres públicos. Que feio!

• Fernando Haddad condenado a indenizar Edir Macedo, chamado de “charlatão”.

 Cuidado para não emprestar seu nome!

 Um trenzinho de alegria apita para anunciar sua chegada na Câmara Federal.

• Jornalista Liziane Lima despede-se da Comunicação Social da OAB-RS.

Uma maneira expedita de responder as apelações: carimbar, carimbar...

 Ministro Carlos Marun vai passar o Dia do Marinheiro no Líbano...

 Michel Temer também vai viajar.

 Seu notebook pifou? Faça como a global Andréa Beltrão!

 Senado aprova o projeto que garante, aos advogados, o acesso a atos e documentos de processos judiciais eletrônicos, mesmo sem procuração específica.

 Chega ao STJ a primeira das ações cíveis que trata da queda do avião em que morreu Eduardo Campos.

 A OAS vai ser despejada em São Paulo.

Antes que o governo Temer acabe, o gaúcho Carlos Marun vai fazer uma “inspeção” no Líbano

 E na mesma linha das “viagens do adeus”, duas representantes do moribundo Ministério dos Direitos Humanos vão a Lisboa e Viena, para uma “visita técnica de prospecção”.

 Um projeto da deputada Clarissa Garotinho para salvar papai Garotinho.

 Lembram do mensalão do PT? Pois Marcos Valério é o único que ainda está preso.

 Uma estátua gremista para o zagueiro Bressan. Só que...

 Uma vaga no Presépio de Natal para Magno Malta.

 Justiça celestial recebe - afinal e definitivamente - executivo da Petrobras condenado a 24 anos de prisão e a devolver US$ 8 milhões.

Adivinhem a causa do fechamento de duas lojas de trajes finos masculinos

 Caiu o faturamento delas, porque 92% de seus clientes estão enrolados na Laja Jato.

 O borracheiro baiano que criou uma holding de R$ 580 milhões em sociedade com uma advogada

• Das redes sociais para o Brasil inteiro: “Sérgio Moro não saiu da justiça para fazer política; mas entrou na política para fazer justiça”.

• Os novos tempos de Toffoli no Encontro Nacional do Poder Judiciário: as cataratas de Foz do Iguaçu como panorama de fundo.

 O outono europeu é lindo: antes que Bolsonaro liquide com o Ministério dos Direitos Humanos, emissárias de Temer fazem “visitas técnicas de prospecção” em Lisboa e Viena.

 Um potim do livro “Jardim das Aflições”.

Pinto pequeno (o outro...) como tema central de uma condenação judicial da Oi Telefonia

  Imagine o leitor ser acordado por um telefonema na madrugada: “Sei que seu pinto é pequeno, e que você tem ejaculação precoce...

  Lula está sentindo falta das visitas íntimas.

 Ex-governador Anthony Garotinho trabalha na arrumação da biblioteca de um hospital psiquiátrico.

 Dia 1º de janeiro entra em vigor a norma ´RuaNeles´, que será a nova versão da Lei Rouanet.

  Dilma explica os descontos do Black Friday: “É 30% de 25%, ou 30% de 30%”...

  Conselheiro da OAB-RS decifra as promoções da Sexta-Feira Preta: “Com raríssimas exceções, é tudo pela metade do dobro do preço”.

  As regalias de alguns servidores do Congresso.

A cadeira “permanente” que era apenas temporária

 TJRS dá ganho de causa ao Grêmio, à OAS e à Karagounis Participações, em ação movida por um torcedor que era titular de uma cadeira no Estádio Olímpico.

• 503 ações para brecar divulgações políticas na internet.

 Indulto do colarinho de 2017 será julgado pelo STF na próxima semana.

 Advogada acha que o STF é “fofo”.