Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.

Menos que um “auxílio-moradia” de indenização



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É parecido com o Romance Forense de terça-feira passada, mas tem nada a ver com aquele. No de hoje, conta-se que outro homem foi condenado a reparar moralmente um colega de trabalho e sua esposa, após perturbar a relação do casal, por meio de chamadas geradas por celular com “número não identificado”.

Começou com uma primeira ligação anônima do abelhudo para o celular do colega, afirmando querer “conversar com a tua esposa gostosa, a quem conheci recentemente, tendo ficado com ela”. Os incômodos se repetiram, houve queixa policial e grampo telefônico autorizado judicialmente, preparatório à ação indenizatória.

Na contestação, o réu admitiu o agir ilícito, mas alegou “encontrar-se depressivo por dificuldades familiares”. Disse mais que “ingeria bebida alcoólica para encorajar-se às ligações via celular”.

A verborrágica sentença pretendeu ensinar (cruz, credo!...) que “a responsabilidade, em conceito lato, significa valorização, fazer penalmente responsável o sujeito pelo que ele fez, independentemente de sua vontade final”. A ladainha do juiz também analisou que “a inimputabilidade pela embriaguez é vista como a possibilidade de exclusão de responsabilidade baseada nos fins da pena com olhos na prevenção". E cravou irrisórios R$ 4 mil como indenização moral. (Menos do que um “auxílio-moradia” mensal de R$ 4.377...)

Ao julgar a apelação, a câmara entendeu que “a mera demonstração de que o réu apresentava quadro depressivo, por si só não tem o poder de afastar a sua responsabilidade pelos danos de ordem extrapatrimonial ocasionados aos autores da ação”. E confirmou a indenização mixuruca.

A punição maior foi feita pela empresa onde trabalhavam o ofensor e o colega ofendido: demitiu o abelhudo. Surpresa: há novos desdobramentos na justiça laboral: ele quer reverter a justa causa, sustentando que os acontecimentos ocorreram fora da relação de emprego.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos. 

Charge de Gerson Kauer

Depois da juizite, o aprendizado

 

Depois da juizite, o aprendizado

Sentado para depoimento pessoal está o autor de uma ação de indenização. Ele cruza as pernas e está com os dois primeiros botões de sua camisa abertos. Pela fenda percebe-se alguns pelos esbranquiçados e uma medalha pequena, pendendo da correntinha de ouro. O magistrado escorrega no elementar, ao ordenar em tom impositivo de extrema juizite: “Descruze as pernas e feche sua camisa! O senhor está em um fórum na presença de um juiz”. Então, vem a surpreendente reação, do professor com 60 de idade.

Charge de Gerson Kauer

Os ricos mocassins do ministro

 

Os ricos mocassins do ministro

Não é Primeiro de Abril, mas quase... Um passageiro vip desistiu da prerrogativa de embarcar no terminal 2 do aeroporto de Brasília, local por onde acessam as autoridades. Talvez querendo medir sua popularidade, o notório calvo misturou-se aos mortais e foi direto ao terminal 1 .Foi então que a vigilante máquina da Polícia Federal bipou...

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.