Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Menos que um “auxílio-moradia” de indenização



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É parecido com o Romance Forense de terça-feira passada, mas tem nada a ver com aquele. No de hoje, conta-se que outro homem foi condenado a reparar moralmente um colega de trabalho e sua esposa, após perturbar a relação do casal, por meio de chamadas geradas por celular com “número não identificado”.

Começou com uma primeira ligação anônima do abelhudo para o celular do colega, afirmando querer “conversar com a tua esposa gostosa, a quem conheci recentemente, tendo ficado com ela”. Os incômodos se repetiram, houve queixa policial e grampo telefônico autorizado judicialmente, preparatório à ação indenizatória.

Na contestação, o réu admitiu o agir ilícito, mas alegou “encontrar-se depressivo por dificuldades familiares”. Disse mais que “ingeria bebida alcoólica para encorajar-se às ligações via celular”.

A verborrágica sentença pretendeu ensinar (cruz, credo!...) que “a responsabilidade, em conceito lato, significa valorização, fazer penalmente responsável o sujeito pelo que ele fez, independentemente de sua vontade final”. A ladainha do juiz também analisou que “a inimputabilidade pela embriaguez é vista como a possibilidade de exclusão de responsabilidade baseada nos fins da pena com olhos na prevenção". E cravou irrisórios R$ 4 mil como indenização moral. (Menos do que um “auxílio-moradia” mensal de R$ 4.377...)

Ao julgar a apelação, a câmara entendeu que “a mera demonstração de que o réu apresentava quadro depressivo, por si só não tem o poder de afastar a sua responsabilidade pelos danos de ordem extrapatrimonial ocasionados aos autores da ação”. E confirmou a indenização mixuruca.

A punição maior foi feita pela empresa onde trabalhavam o ofensor e o colega ofendido: demitiu o abelhudo. Surpresa: há novos desdobramentos na justiça laboral: ele quer reverter a justa causa, sustentando que os acontecimentos ocorreram fora da relação de emprego.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Páginas da vida com segredo de justiça

 

Páginas da vida com segredo de justiça

O réu de uma ação penal por assalto é universitário, com matrícula trancada por falta de dinheiro para as mensalidades. Chegara a trabalhar como auxiliar contábil. Mas desempregou-se em decorrência do fechamento de uma indústria. A “primeira vez” dele como assaltante terminou sendo a redenção para que, dando a volta por cima, voltasse à faculdade e concluísse o curso de Direito.

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).