Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.

Município e secretário condenados por colocarem marceneiro no castigo



Transitou em julgado uma decisão da 2ª Turma do TRT da 4ª Região (RS) que confirmou sentença que condenou, solidariamente, o Município de Lajeado (RS) e o ex-secretário de Obras Adi Cerutti por assédio moral cometido no ambiente de trabalho. A indenização foi arbitrada em R$ 5 mil (valor nominal).

A procedência do pedido de indenização decorreu de conduta do então secretário, por transferir o empregado Marcos Antonio Schuster para outro setor em que não haviam atividades a serem executadas. Complementarmente, o obreiro recebeu determinação para cumprir seu horário de trabalho sentado em um banco, no local de trabalho. A prova testemunhal comprovou as alegações da petição inicial.

Schuster, 55 de idade atual, é marceneiro e foi admitido em maio de 1995, mediante concurso público. Até julho de 2016 o regime dos servidores era celetista; posteriormente passou a ser estatutário.

O julgado do TRT-4 entendeu configurado o assédio moral, face ao “comportamento do empregador e seu preposto que expôs o empregado a reiteradas situações constrangedoras, humilhantes, causando degradação do ambiente laboral e aviltamento da dignidade do trabalhador”.

A desembargadora Tania Reckziegel observou que “não obstante o poder diretivo do empregador permita-lhe indicar o modo da prestação de serviço e, consequentemente, cobrar a observância deste, tal prerrogativa não o autoriza a adotar conduta ofensiva, que viole a honra objetiva e/ou subjetiva do empregado”.

O Município de Lajeado já fez o depósito do valor atualizado e com juros da condenação: R$ 6.668 – independentemente da prestação financeira do ex-secretário Adi Cerutti condenado solidariamente. Este, atualmente, é vereador (PSD) no município.

Atuaram em nome do reclamante os sócios integrantes da sociedade Brancher, Gravina & Zanatta Advogados. (Proc. nº 0020055-26.2015.5.04.0772).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

 

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

Julgado superior avaliou que “o contrato de associação firmado serviu de mero instrumento formal para mascarar uma relação de emprego”.  Decisão envolve seis anos e quatro meses, determinando o pagamento de horas extras além da 40ª semanal, 13º salário, aviso prévio, férias e depósitos do FGTS. Condenação fica próxima de R$ 200 mil.

Tarefas macabras na jornada de trabalho de vigilante

TST manda a empresa Power Segurança – terceirizada na prestação de serviços à Cia. Paulista de Trens Urbanos – indenizar trabalhador que, em desvio de função, era obrigado a remover cadáveres e vítimas de acidentes nos trilhos.

Bullying em loja da rede Walmart

“Obesa, elefoa, gorda”. Empregada com depressão agravada devido aos constrangimentos e humilhações será indenizada. 

Depois da reforma, ações judiciais trabalhistas caem 38%

Em dezembro de 2017, o estoque de ações pendentes de julgamento nas varas e nos TRTs era de 2,4 milhões. Em agosto de 2018, o número caiu para 1,9 milhão. Vigência das alterações na CLT completa um ano no próximo domingo (11).