Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

Tiroteio em fórum: juiz baleado e atirador morto



O juiz Carlos Eduardo de Moraes Filho foi baleado no ombro esquerdo, nesta segunda-feira (1º), dentro do Fórum de Vila Rica, a 1.276 km de Cuiabá (MT). Conforme informações da Polícia Militar, Domingos Barros de Sá entrou no fórum, foi ao gabinete do magistrado armado com um revólver calibre 22 e ambos entraram em luta corporal. Ainda de acordo com a Polícia Militar, ele era réu em uma ação por homicídio.

De acordo com a Polícia Civil, que passa a investigar o caso, o suspeito entrou no fórum ao lado de seu advogado. Os dois foram em direção ao juiz e ao promotor para pedir que fosse logo marcada a data do julgamento de uma ação penal, momento que o suspeito sacou uma arma de fogo e apontou na direção do juiz.

Um policial militar, que tinha ido levar um preso para uma audiência seguinte, sacou a arma de fogo e atirou contra o suspeito.

O juiz Carlos Eduardo foi encaminhado para o Pronto Socorro do município que fica próximo ao fórum. Depois de constatado o quadro clínico estável, o magistrado foi encaminhado ao hospital de Palmas (TO) – o mais próximo de Vila Rica – para cirurgia de retirada do projetil.

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos, foi para Vila Rica acompanhar o caso e avaliar a medidas a serem tomadas.

Na semana passada, também no Estado de Mato Grosso, o advogado Homero Nedel deu soco no rosto do juiz Jorge Hassib Ibrahim, na comarca de Paranatinga, sendo preso em flagrante.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.