Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A impossível convocação de uma Assembleia Constituinte desejada por Haddad



Charge de Luiz Fernando Cazo > Humor Político

Imagem da Matéria

 

 A impossível pretensão de Haddad

No debate desta semana, na Tv Record, o candidato Fernando Haddad (PT) anunciou que - se vitorioso – convocará uma Assembleia Nacional Constituinte, “para realizar reformas tópicas”. O candidato, mesmo sendo advogado, está mal instruído.

É impossível, sob o prisma legal, que o presidente da República possa encaminhar proposta nesse sentido ao Congresso – que, aliás, sequer tem esse poder.

Promulgada a Carta em 1988, nela foi estabelecido o prazo de cinco anos para que pudessem ocorrer alterações sem a necessidade do quórum qualificado da emenda constitucional. E depois, não mais.

Como em qualquer democracia que mereça o nome, a Constituição só pode ser alterada por emendas submetidas a dois turnos de votação na Câmara e no Senado e aprovada por quórum especial de três quintos (60%). E nas cláusulas pétreas não se mexe. São dois pilares de segurança jurídica de uma nação democrática.

Qualquer iniciativa inspirada no chavismo e, acaso, pretensamente chancelada no Brasil por “arranjos políticos” nas duas Casas legislativas, terá que ser extinta pelo Supremo.

  É bom lembrar

Cláusulas pétreas são dispositivos constitucionais que não podem ser alterados nem mesmo por Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Inseridas na Constituição do Brasil de 1988, elas estão dispostas em seu artigo 60, § 4º.

São elas: a forma federativa de Estado; o voto direto, secreto, universal e periódico; a separação dos Poderes; e os direitos e garantias individuais.

  O presidente e os ´seus´ 3%

Se nada mudar politicamente, o futuro presidente – a ser eleito no próximo domingo (7), ou em segundo turno (28) - poderá mexer em apenas 3% do orçamento de 2019. Os outros 97% já tem destinações carimbadas.

A arrecadação do ano que vem foi estimada em R$ 3,26 trilhões. Do total, R$ 1 trilhão e 560 milhões serão usados para pagar juros, amortizações e refinanciamento da dívida. A Previdência consumirá R$ 637,9 bilhões. Pessoal e encargos, incluídos os inativos e pensionistas da União, mais R$ 325,9 bilhões.

E as transferências para estados e municípios esgotarão R$ 275,2 bilhões. Há ainda uma infinidade de outras despesas obrigatórias: elas consumirão R$ 350,6 bilhões.

  Peguem a calculadora!

O leitor anima-se a fazer a soma? Os itens acima consumirão R$ 3,15 trilhões. Restarão R$ 112,6 bilhões para as chamadas despesas discricionárias, - são os tais 3% que serão comandados pela nova caneta presidencial.

Em 2018 os investimentos receberam R$ 31,1 bilhões; em 2019 eles serão parcos R$ 27,4 bilhões.

Em seu primeiro ano, o novo governo não terá dinheiro para muita coisa. E, se não se alterarem as regras da formulação orçamentária, em 2020 também não.

Tal cenário não é herança de Dilma ou Temer, mas decorrência de travas constitucionais e infraconstitucionais até agora não enfrentadas. Só há espaço para alívio de caixa se o novo governo aprovar uma reforma da Previdência, e se atacar os incentivos fiscais (orçados para 2019 em R$ 376 bilhões). É mais dinheiro do que todo o destinado para educação, saúde, transportes, trabalho, agricultura, cultura, turismo e direitos humanos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.