Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Quem é a vítima?



Por Betina Meinhardt Ronchetti, juíza de Direito da 1ª
Vara Criminal do Foro Alto Petrópolis, Porto Alegre (*)

O criminoso sabe que, flagrado, deve se submeter à autoridade do Estado. O policial militar representa essa autoridade, portanto, ao flagrar o indivíduo na prática de crime, este deve(ria) se entregar.

O que se tem visto, porém, é que o criminoso quer ganhar sempre, premido pela regra capitalista que o norteia. Parênteses: o criminoso é o maior capitalista que se conhece. Mas é perverso. Oprime os cidadãos da comunidade onde mora, oprime os presos mais vulneráveis no sistema carcerário que o Estado não domina, oprime os indivíduos-policiais fragilizados pelos salários parcelados de um Estado falido, oprime uma instituição-polícia desconstruída por discursos maldosos que pregam ser contra o cidadão, oprime os poderes constituídos, colocando-se na posição de vítima da sociedade.

O criminoso oprime a mim e a você, pois com o discurso vitimista nos faz confundir as coisas -, não saber mais quem é vítima e quem é criminoso, ou quem é o lobo de quem.

Por isso é que só o juiz pode, em cada caso e diante das provas concretas, definir a situação particular de cada um.

O criminoso, como categoria, não é oprimido, mas opressor, e o policial, como categoria, não é opressor, mas protetor da comunidade. A quem serve plantar na população desconfiança e hostilidade contra as autoridades, se não ao crime?

Não importa nesta análise se há ou não maus policiais, pois sabe-se que há. Há maus "tudo". Os maus devem ser punidos na medida de seus erros. Haverá quem diga que há também o "bom" criminoso. Mesmo ele, porém, está no crime. Só isso basta a diferenciar, como "categoria", crime e polícia. Não são "instituições" comparáveis.

Portanto, é tremenda inversão de valores vender a ideia de polícia contra cidadão, pois isso só engrandece o crime.

Nenhuma instituição do Estado deve ser propagada como contrária ao cidadão.

Assim, num flagrante de crime (como casos recentes em que houve confronto armado), injusto focar o debate na conduta do policial sem questionar a do criminoso, a quem, flagrado, cabia de imediato se entregar e evitar qualquer confronto, pois é ele quem está fora da lei. E isso é inegociável.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Artigo originalmente publicado, em 15.07.16, no jornal Zero Hora (Porto Alegre).


Comentários

Leandro Pereira - Advogado 16.10.18 | 18:39:53
Bom artigo, mas a coisa é muito mais profunda. Bandido é bandido e polícia é a sociedade. Mas a esquerda, sem exceção alguma e com interesses espúrios, inverte de forma proposital estes valores vitais da sociedade e da humanidade, humanizando a atividade criminosa e demonizando a atividade policial. Todos perderemos e muito com isto. Logo a coisa mudar. Lutem por isto.
Carlos Henrique Rey - Advogado 16.10.18 | 11:40:43
Extremamente corajosa e digna nas suas considerações a douta magistrada! Sem meias-palavras, é por aí mesmo!
Roberto Antonio Rasch - Advogado 16.10.18 | 10:30:34

Conforme consta, apesar do artigo ter sido escrito em julho de 2016, o mesmo reflete a realidade nua e crua dos tempos atuais. Quem dera tivéssemos mais magistrados, promotores de justiça e principalmente, formadores de opinião, com esse pensamento; com certeza a realidade seria outra. Parabéns à articulista!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os políticos inescrupulosos e o Supremo

“Uma análise sobre o trânsito em julgado e o segundo grau de jurisdição. Essa ideia minoritária de terceiro grau de jurisdição, no próprio STF, só foi inventada após as condenações de políticos inescrupulosos que hoje estão tentando se beneficiar com uma interpretação inexistente no mundo todo”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann (OAB-RS nº 5.962)

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS