Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

STF confirma jurisprudência do TST sobre a estabilidade da gestante



O Plenário do STF, na sessão da última quarta-feira (10), assentou que o desconhecimento da gravidez no momento da dispensa da empregada não afasta a responsabilidade do empregador pelo pagamento da indenização por estabilidade. A decisão confirma o entendimento do TST sobre a matéria.

A ação julgada, com repercussão geral reconhecida, foi interposta pela empresa Resin República Serviços e Investimentos S. A. contra decisão do TST de que “a circunstância de o patrão desconhecer o estado gravídico da empregada, salvo previsão contrária em acordo coletivo, não afasta o pagamento de indenização decorrente da estabilidade”.

Segundo o voto do ministro Alexandre de Moraes, que prevaleceu no julgamento, a comunicação formal ou informal ao empregador não é necessária. No seu entendimento, o direito à estabilidade é instrumental e visa proteger a maternidade e garantir que a empregada gestante não seja dispensada imotivadamente. “O que o texto constitucional coloca como termo inicial é a gravidez. Constatado que esta ocorreu antes da dispensa arbitrária, incide a estabilidade” - afirmou.

O desconhecimento da gravidez pela empregada ou a ausência de comunicação ao empregador, segundo o ministro, não podem prejudicar a gestante, uma vez que a proteção à maternidade, como direito individual, é irrenunciável.

A tese de repercussão geral aprovada pelo Plenário do STF foi a seguinte: “A incidência da estabilidade prevista no artigo 10, inciso II, alínea ‘b’, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) somente exige a anterioridade da gravidez à dispensa sem justa causa”. (RE nº 629053).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Raphael G. Faria

   Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

 

Grande cadeia de lojas enganava seus clientes

A Via Varejo S.A. (grupo que inclui Casas Bahia e Ponto Frio) exigia que os vendedores praticassem o “Embutec”: a inclusão, no preço do produto, de garantia estendida, seguro em caso de desemprego e seguro de vida, mesmo que o consumidor não quisesse.

Arte de Camila Adamoli

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

 

TST reconhece relação de emprego entre “advogado associado” e dois escritórios de Porto Alegre

Julgado superior avaliou que “o contrato de associação firmado serviu de mero instrumento formal para mascarar uma relação de emprego”.  Decisão envolve seis anos e quatro meses, determinando o pagamento de horas extras além da 40ª semanal, 13º salário, aviso prévio, férias e depósitos do FGTS. Condenação fica próxima de R$ 200 mil.

Tarefas macabras na jornada de trabalho de vigilante

TST manda a empresa Power Segurança – terceirizada na prestação de serviços à Cia. Paulista de Trens Urbanos – indenizar trabalhador que, em desvio de função, era obrigado a remover cadáveres e vítimas de acidentes nos trilhos.

Bullying em loja da rede Walmart

“Obesa, elefoa, gorda”. Empregada com depressão agravada devido aos constrangimentos e humilhações será indenizada.