Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

STF confirma jurisprudência do TST sobre a estabilidade da gestante



O Plenário do STF, na sessão da última quarta-feira (10), assentou que o desconhecimento da gravidez no momento da dispensa da empregada não afasta a responsabilidade do empregador pelo pagamento da indenização por estabilidade. A decisão confirma o entendimento do TST sobre a matéria.

A ação julgada, com repercussão geral reconhecida, foi interposta pela empresa Resin República Serviços e Investimentos S. A. contra decisão do TST de que “a circunstância de o patrão desconhecer o estado gravídico da empregada, salvo previsão contrária em acordo coletivo, não afasta o pagamento de indenização decorrente da estabilidade”.

Segundo o voto do ministro Alexandre de Moraes, que prevaleceu no julgamento, a comunicação formal ou informal ao empregador não é necessária. No seu entendimento, o direito à estabilidade é instrumental e visa proteger a maternidade e garantir que a empregada gestante não seja dispensada imotivadamente. “O que o texto constitucional coloca como termo inicial é a gravidez. Constatado que esta ocorreu antes da dispensa arbitrária, incide a estabilidade” - afirmou.

O desconhecimento da gravidez pela empregada ou a ausência de comunicação ao empregador, segundo o ministro, não podem prejudicar a gestante, uma vez que a proteção à maternidade, como direito individual, é irrenunciável.

A tese de repercussão geral aprovada pelo Plenário do STF foi a seguinte: “A incidência da estabilidade prevista no artigo 10, inciso II, alínea ‘b’, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) somente exige a anterioridade da gravidez à dispensa sem justa causa”. (RE nº 629053).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O fim da ação trabalhista de reclamante que foi assassinado com 12 tiros

A sucessão - embora chamada à 4ª Vara do Trabalho de São Leopoldo - não se habilitou. Casal e filho, donos de um pequeno supermercado,  foram indiciados por encomendar a morte do trabalhador. Ele teria sido morto por vingança à iniciativa de propor demanda buscando créditos decorrentes da relação de emprego.