Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Imóveis de programa habitacional da CEF não pagam IPTU



O Supremo Tribunal Federal estabeleceu, anteontem (17), que imóveis financiados pelo Programa de Arrendamento Residencial (PAR), da Caixa Econômica Federal, têm imunidade tributária e não pagam IPTU. O julgamento aplicou a regra da imunidade recíproca entre entes federados. O programa é destinado à oferta de casas populares à população que tem renda de até R$ 1,8 mil por mês.

O relator Alexandre de Moraes dispôs que “embora a CEF seja empresa pública que, em essência, explora atividade econômica, o patrimônio afetado à execução do ´PAR´ é mantido por um fundo cujo patrimônio não se confunde com o da Caixa sendo formado por recursos da União e voltado à prestação de serviço público e para concretude das normas constitucionais anteriormente descritas".

O caso chegou ao Supremo por meio de um recurso da Caixa, que fora condenada em segunda instância a pagar o tributo ao Município de São Vicente (SP).

De acordo com a tese vitoriosa da CEF, “a Constituição garante a imunidade tributária de impostos entre o Governo Federal e os Estados – além do que “os imóveis pertencem ao patrimônio do fundo, que é da União, e não têm objetivo de exploração econômica”. (RE nº 928.902).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Uma disputa judicial de R$ 229 bi

Cerca de 25 mil companhias cobram do Fisco – nos fóruns e tribunais federais, Brasil afora - créditos decorrentes de uma decisão do STF que determina a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins.

Isenção de IPVA para mulher que teve câncer de mama

A 1ª Turma Recursal da Fazenda Pública do RS reforma sentença. Reconhecimento de que a Lei Estadual nº 14.381/2013 estendeu a isenção do tributo para as hipóteses de deficiência mental e outras, não mais restringindo o benefício aos casos de deficiência física.

Imposto de Renda incide também sobre o auxílio-alimentação

A Turma Regional de Uniformização dos JEFs da 4ª Região uniformizou o entendimento de que há a incidência do tributo sobre o auxílio-almoço pago em pecúnia a empregado celetista. E a “rádio-corredor” da OAB pergunta reticente: por que não igualar juízes e promotores?...