Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Sobre o voto em branco... ainda !



Chargista Nani

Imagem da Matéria

PONTO UM:

Não há como não falar em eleições na semana que antecede o segundo turno da escolha política mais polêmica e inusitada das últimas décadas, pós refundação da República.

Primeiro porque, surpreendentemente, estas eleições fugiram aos prognósticos que os gurus da política e do direito eleitoral previram alguns meses antes do início da campanha, a exemplo da prognosticada manutenção dos candidatos à reeleição no caso do Poder Legislativo, porquanto as reformas legislativas de 2017 os favorecia, seja pela distribuição dos recursos públicos do fundo de campanha, seja pelo tempo na tevê e no rádio.

O resultado foi exatamente o contrário, ocorrendo a maior renovação das cadeiras nas assembleias e na Câmara dos Deputados de que já se teve notícia.

Segundo, a polarização estabelecida a partir de ideias e bandeiras e não mais de partidos a disputarem o segundo turno.

Claro que outros indicativos também poderiam ser considerados, mas por ora fiquemos nesse último. As candidaturas que saíram vencedoras do primeiro turno, especialmente nas eleições presidenciais, também trazem à baila o agigantamento do voto em branco, o que certamente não chega a ser novidade, mas neste ano mostra-se de certa forma agudizado.

PONTO DOIS:

Arrisca-se, mesmo assim, uma profecia: o voto em branco (ou nulo, o que dá no mesmo, trocando em miúdos) vai alcançar, no segundo turno, índices inéditos, o que justifica pensar-se um pouco mais sobre essa opção do eleitor, que se respeita, mas que não se abona.

Há duas formas de se analisar a decisão subjetiva, pessoal e até secreta (nunca esqueçamos que o segredo do voto é dogma constitucional no Brasil) de votar em branco (ou anular o seu voto).

À primeira vista, parece que o eleitor estaria transmitindo a seguinte mensagem pelas urnas ao optar pela tecla “branco”: ´Não escolho nenhum dos candidatos porque rejeito a ambos!´

Essa verdade só existe no subconsciente do eleitor, não se reproduzindo no mundo real, pela simples razão de que o voto em branco não é computado, valendo o mesmo que o voto nulo ou a abstenção.

A segunda leitura – que nos parece ser efetivamente a que prevalece em termos de resultado – corresponde à seguinte conclusão: ´Concordo com qualquer dos candidatos!´

Sim, ao votar em branco o eleitor permite que os demais eleitores que optaram por um ou por candidato façam a escolha por ele, submetendo-se inteiramente a essa escolha por terceiros. Porque desimporta qual o número total de votos válidos, seja ele qual for, estará eleito o candidato que tiver mais que a metade desses votos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O voto e a matemática

“As Assembleias Estaduais e a Câmara de Deputados do próximo quadriênio serão formadas por partidos e candidatos eleitos pelo povo e... outros pela matemática”.

2019: ano difícil para os cursos universitários

“Os cursos de instituições privadas sofrerão impacto direto, com significativa diminuição de vestibulandos e, portanto, de alunos do primeiro ano do ensino superior”.

As calendas gregas na rotina forense

“O recurso especial não será recebido com o efeito suspensivo. E aí, surge do nada, milagrosamente, uma decisão mais ou menos assim: ´Aguarde-se o trânsito em julgado do recurso x ou y . É a pirâmide invertida!

Agora é lei...

“A Lei nº 13.728/18, que agregou ao Estatuto dos JECs o artigo 12-A, dispõe que, na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, para a prática de qualquer ato processual, inclusive para a interposição de recursos, computar-se-ão somente os dias úteis”.

Uma virada histórica

Em seu discurso de vitória, Jair Bolsonaro prometeu quebrar paradigmas e fortalecer o federalismo: ´Mais Brasil e menos Brasília´. Se essa promessa for cumprida, seu mandato já se justificará”.

Pílulas eleitorais

“O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?”