Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

A relativização da confiança na gerência do trabalho



Chargista Myrria – A Crítica (Manaus)

Imagem da Matéria

Por Tarso Genro, advogado e ex-governador do RS
(Excertos de um parecer do autor ao escritório Antonio Vicente Martins).

Tudo indica que a nova doutrina trabalhista do futuro deverá recuar da tutela em abstrato de qualquer relação de trabalho dependente - que se fragmentará em dependências múltiplas - para criar barreiras de defesa dos direitos fundamentais mínimos. De certa forma é o Direito do Trabalho voltando às suas origens, das quais ele emerge como afirma Walter Kaskel, honrando a ideia de proteção que se constituiu como “um sistema jurídico no qual seus sujeitos só se configuram em posição de igualdade, mercê da especial tutela que se dispensa a um deles” - a saber, à época, a classe operária da nascente revolução industrial.

A substituição do trabalho e dos serviços prestados diretamente pelos humanos, face ao encadeamento de controles e processos de inteligência artificial, ao mesmo tempo em que diminuíram a intervenção do sujeito produtivo (o “sujeito de direitos”) na produção e na gestão, não reduziram a jornada laboral. Ao contrário, aumentaram-na. Definharam os postos de trabalho de qualidade, impulsionaram prestações precárias mal pagas e requisitaram serviços intermitentes, nas funções mais simples e mais tradicionais, que continuam sendo vitais à produção, mesmo estando esta mais sofisticada pela técnica e pela ciência universais.

Com as grandes transformações tecnológicas que ocorreram nos últimos 50 anos - especialmente com o aumento da importância e da rentabilidade do setor financeiro em escala global -, as mudanças no setor bancário foram exponenciais. Com a tendência à substituição dos trabalhadores destinados a cumprirem as tarefas mais simples – dos “caixas” aos “escriturários”, dos “estafetas” aos modestos chefes de serviço -, com a redução do número de funcionários, o sistema financeiro cada vez mais transformou as suas agências num viveiro de técnicos programados pelas máquinas, operando sem cessar 24 horas por dia.

É um processo que inaugura, assim, a época em que o capitalismo exige disponibilidades e capacidades ilimitadas de poucos, altamente qualificados, na “ponta”, para lidar com as peculiaridades do mercado financeiro (sem controle aparente de jornada) e, na base, demanda de outros tantos, trabalho enfadonho e mal pago.

Trata-se de solução cuja “aparência” imediata insinua que a pura qualificação técnica (para lidar com máquinas) é o que obtém resultados para o empregador - por simples ampliação quantitativa do poder de comando -, e não o que efetivamente o é: substitutivo simétrico do poder de comando clássico da gerência, que existiu nas velhas agências e que foi fulminado pelas novas tecnologias e técnicas de organização do trabalho.

Isto é, foi superada a época em que os gerentes, além de lidarem pessoalmente com os clientes, com os funcionários e até com os gestores centrais da empresa, detinham largas margens de autonomia e uma real “representação” do empregador. Hoje, as novas gerências bancárias e os seus demais cargos de “confiança” e “gerência”, em regra, são a extensão de máquinas programadas para ofertar produtos catalogados pelos novos padrões tecnológicos do sistema bancário-financeiro.

As formas adquiridas por estas ofertas reduziram drasticamente a confiança “intuitu personae”, já que elas só aparecem perante o cliente à medida em que são controladas e programadas, independentemente de “gerenciamento”. Este é, nos dias que correm, o episódio ilusionista de uma autonomia simulada: na verdade é um processo que invade o tempo livre do empregado – previsto em todas as legislações civilizadas – transformando-o em tempo coordenado e subordinado às finalidades estratégicas da empresa.

As consequências destas mutações, ensejadas por uma necessária “flexibilidade” nas relações de trabalho, tornaram-se problemáticas.

Na esfera das relações individuais de trabalho, elas subordinam a ação humana à máquina programada. No plano das relações coletivas - que deram estabilidade aos vínculos entre empresas e trabalhadores no pacto socialdemocrata -, a crise é evidente: o processo vem acompanhado da intenção de “recortar direitos laborais em favor de uma menor rigidez laboral, mas (sem) dotar os sindicatos de capacidades e meios para proteger o trabalhador perante os riscos da arbitrariedade empresarial”.

A consequência será a revalorização do direito individual do trabalho, que, provisoriamente, tornar-se-á um refúgio da fragmentação e da impotência das categorias profissionais.

O pleito de uma jornada indefinida para o “gerente” meramente formal é a consequência e a ponta de um “iceberg”, que não se dissolve, mas cresce. Vem de uma mutação profunda no processo do trabalho, na programação centralizada dos serviços, pensada diretamente para o consumidor para diferenciar, na concorrência, a rapidez e a qualidade dos serviços ofertados que disputam o mercado.

O cliente, de outra parte, com os seus novos vínculos dados pelas novas tecnologias, também ajuda a substituir os empregados destinados a realizar as operações mais simples, ao se reportarem à instituição bancária através de máquinas complexas, que os vinculam à inteligência do sistema. Desta forma o comprador de serviços bancários também passa a ser integrado, na sua ação consumidora, como sujeito da cadeia de decisões programadas pelo centro dirigente, que regula as finalidades estratégicas da empresa.

Quanto à gestão, este processo põe em "xeque-mate" a natureza da “confiança” e da “representação” do empregador; quanto ao trabalho concreto, propriamente dito, há seguramente o aumento da jornada no “topo”, seguido de maior jornada desqualificada e da má remuneração, na base; quanto ao “modo de vida”, os trabalhadores assalariados do setor, passam a viver esta situação de aparente liberação do trabalho vivo como um permanente “impulso ao desemprego”.

Para responder a estas mutações, é preciso desvelar o que a doutrina conforma como “autonomia, que vai se depurando na nova conformação histórica do direito laboral” para que ele não perca a sua autenticidade tutelar dos assalariados.

Em tempo de “flexibilização” das relações de trabalho, decorrente da mutação programada nas formas de produção e dos serviços, trepida o edifício tradicional da doutrina trabalhista. Categorias jurídicas e estatutos conceituais como “hierarquia”,confiança”, “subordinação”, mudam no tempo e no espaço. Subsumem-se uma na outra, anulam-se, reforçam-se, passam a ser revestidas de novas formas jurídicas frágeis, flexibilizadas e também inseguras, como o próprio mundo laboral que as cerca.

[1] LOPEZ, M. Carlos Palomeque; VILLA, Luis Henrique de La. “Lecciones de Derecho Del Trabajo”. Madrid: Instituto de EstudiosLaborales y Seguridad Social, 1977, p. 756.

[2] PRECIADO, Juan Moreno; GRAU, Antonio Baylos. “ComisionesObreras Paso a Paso – desde losorígenes em El franquismo hasta La huelga general de diciembre de 1988”. España: Editorial Bomarzo, p. 248.

[3] MAIS, Domenico de. “Svilupposenza lavoro”.Roma: Edizione Lavoro Roma, 1994, p. 51.

[4] CORREA, Jaime Montalvo. “Fundamentos Del Derecho Del Trabajo”. Madrid: Civitas,


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os políticos inescrupulosos e o Supremo

“Uma análise sobre o trânsito em julgado e o segundo grau de jurisdição. Essa ideia minoritária de terceiro grau de jurisdição, no próprio STF, só foi inventada após as condenações de políticos inescrupulosos que hoje estão tentando se beneficiar com uma interpretação inexistente no mundo todo”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann (OAB-RS nº 5.962)

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS