Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Os tentáculos da poderosa confederação e seus efeitos em Porto Alegre



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 

 A poderosa confederação

A Confederación Sudamericana de Fútbol é uma instituição dita “esportiva internacional” que organiza, desenvolve e dirige competições de futebol. Tem como filiadas as associações que controlam o futebol da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguaia e Venezuela.

Seus campeonatos mais conhecidos são a Libertadores (disputada por clubes) - e a Copa América (de que participam seleções nacionais). A Conmebol possui seu próprio ranking de clubes.

Em 1916, após o sucesso de um campeonato realizado na Argentina, comemorando o centenário da independência daquele país, o então dirigente uruguaio Héctor Rivadavia Gómez propôs a criação de uma entidade sul-americana de futebol. Assim, em 9 de julho daquele ano, as confederações da Argentina, Chile, Uruguai e Brasil fundaram a Conmebol. Já são 102 anos de história e estórias. Os demais países ingressaram entre 1921 e 1952.

As associações de Guiana, Guiana Francesa e Suriname preferiram aderir à Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe – a chamada Concacaf - mesmo fazendo parte, geograficamente, da América do Sul.

  A primeira vez da Conmebol na vida do Grêmio

É do engenheiro (gremista) Ricardo Wortmann - blogueiro da Corneta do RW, acre crítico da Imprensa Vermelha Isenta e minucioso fiscal das idiossincrasias do Grêmio - o levantamento de um primeiro e sério antecedente da Conmebol atravessado, há 16 anos, no caminho futebolístico do imortal tricolor.

Nicolas Leoz, então mandachuva da Conmebol por 26 longos anos, está em prisão domiciliar. A justiça relaciona ao nome dele o desfrute de apreciáveis U$ 28 milhões. Leoz era o presidente da Conmebol em 2002. Até gremistas de pouca memória lembram da Libertadores da América daquele ano. O Olímpia do Paraguai eliminou o Grêmio nas semifinais da competição; depois o time paraguaio enfrentou o São Caetano e foi campeão da Libertadores.

Naquele 2002, o Olímpia completava 100 anos e todos, no Paraguai, exaltavam a possibilidade de o clube ser campeão da América. Sob a batuta gerencial de Leoz, os paraguaios foram ultrapassando todas as fases da Libertadores, aproveitando-se de providenciais erros de arbitragem contra os adversários.

Textualmente, relata RW que “o apogeu do descalabro dos homens de preto ocorreu no Estádio Olímpico, em noite de uma arbitragem calamitosa prejudicando o Grêmio”. E detalha: um gol mal anulado do zagueiro Claudiomiro e a repetição de um pênalti defendido por Eduardo Martini sepultaram as chances do tricolor gaúcho.

Tal como Wortmann, centenas de gremistas que assistiram aquele jogo acreditam que a mão forte de Nicolas Leoz, externamente, agiu pesado em 2002.

  Novos fantasmas em ação

Semelhante fenômeno externo ocorreu, de terça a sábado passados, em episódios em Porto Alegre e em Luque (cidade-sede da Conmebol). No ponto, não há necessidade de ser repetitivo – os acontecimentos estão bem vivos na memória de quem gosta de futebol.

O Espaço Vital realça, porém, o trabalho de quatro advogados gaúchos (Nestor Hein, Leonardo Lamachia, Jorge Petersen e Henrique Soares Pinto) e do colega uruguaio Fernando Sosa. Os cinco foram corajosos e intrépidos defensores jurídicos do Grêmio, sustentando teses legítimas, jurídicas, éticas, morais, de analogia, de respeito ao fair-play etc.

Mas foram vencidos por uma chamada “Unidad Disciplinaria” formada por Eduardo Gross Brown, paraguaio; Amarilis Belisario, venezuelana; e Cristóbal Valdés, chileno. Nem o famoso juiz brasileiro Lalau julgaria melhor que os auto intitulados juristas sul-americanos.

Eles ajustaram as cartas via demoradas (mas sigilosas) videoconferências, numa conjunção em que a presença do River Plate e a intervenção até mesmo do presidente da República Argentina, aproveitou-se ausência do apoio político de Francisco Noveletto Neto. O notório presidente da Federação Gaúcha de Futebol desde 2004 há 14 anos só vê o futebol com coloração vermelha e aversão ao azul.

  As más contratações

Para a necessária análise imparcial dos acertos e dos erros do Grêmio e dos logros e furadas pelo qual o clube gaúcho passou, não se omitem fatores ponderáveis. Entre estes, a estranha teimosia de Renato Portaluppi em poupar jogadores ricamente pagos, mas que não dão expediente regular nos dias de determinados jogos ao alvedrio do treinador.

Somem-se as erradas e caras contratações de André, Marinho, Thaciano, Maicosuel, Hernane Brocador, Madson e alguns mais. Além da absurda insistência com Bressan (“o coveiro” – segundo advogados gremistas na “rádio-corredor” da OAB-RS), Marcelo Oliveira e Douglas.

E não se fala mais nisso.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.