Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Arbitragem pela linha de fundo



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Por Ilgo Wink, jornalista e assessor de imprensa.
Ilgowink@gmail.com

A mídia tradicional e as redes sociais ainda não se deram conta da importância de informar, antes e depois dos jogos, o quadro completo de arbitragem. Cada vez mais o árbitro do jogo (sublinhei) perde um naco do seu histórico protagonismo. Mesmo assim, ele segue sendo o mais importante – e mesmo com o advento do AAA, ‘árbitro assistente adicional’, e do VAR (do inglês Video Assistant Referee), a responsabilidade maior é do juiz. Sempre sobra pra ele.

Por enquanto quase anônimo, o AAA tem uma vida tranquila. Raramente seu nome é citado. Já a mãe do juiz continua sofrendo sozinha, sem dividir os xingamentos com as genitoras dos outros integrantes da equipe.

Vejam o caso do AAA que trabalhou (e como!) na vitória do Inter por 2 x 1, no Beira-Rio, sobre um time misto frio do Atlético Paranaense. O AAA cometeu um erro grave ao assinalar pênalti inexistente a favor do Inter, aos 45 do segundo tempo. No dia seguinte, nenhum jornal de Porto Alegre mencionou o nome do AAA. Sobrou apenas para o juiz principal, de nome Rodrigo Ferreira.

Assim como o VAR, o árbitro de linha de fundo também chegou com a melhor das intenções, para tentar diminuir o número de erros nas arbitragens. Mas o que se tem visto é que tanto um como o outro mais complicam do que ajudam. O VAR é uma boa ideia, mas que está sendo utilizada ao sabor de interesses nem sempre idôneos.

Sobra tudo para o coitado (neste caso o adjetivo cabe) do árbitro, que acaba pagando também pelo erro do tal auxiliar adicional, que ganha R$ 1 mil por jogo (o menor cachê do grupo). O juiz, sendo FIFA, ganha em torno de R$ 4 mil. É pouco, dinheiro, diante da responsabilidade e dos valores que movimentam esse circo.

Mas pretendo fazer agora – com a ajuda do Espaço Vital - o que a imprensa esportiva já deveria ter feito: revelar o nome do juiz de linha, o tal AAA, que foi decisivo na vitória colorada.

Trata-se do glorioso Eduardo Cordeiro Guimarães, carioca, morando atualmente em Santa Catarina. Ele chegou a ser apitador no Rio, mas não se deu bem. Teve problema sério. Em 2014, num clássico Flamengo x Vasco, ele anulou um gol de Douglas (esse mesmo que agora está no Grêmio), numa cobrança de falta. É que a bola bateu no travessão e entrou, e Guimarães não validou o gol.

Por ironia, quem induziu Guimarães ao erro foi outro AAA, o Rodrigo Castanheira, que estava a cinco metros do lance, na linha de fundo, olhar fixo na bola que quicou meio metro, no mínimo, dentro da goleira e saiu. Não tinha como o auxiliar não ver. E o Vasco perdeu por 2 a 1.

Na época, foi o então árbitro Eduardo Cordeiro Guimarães quem ganhou as manchetes. Esta semana, nem uma nota de rodapé para o mesmo árbitro, sobre sua função discreta – mas decisiva - de árbitro assistente adicional, mesmo que tivesse cometido erro tão clamoroso.

Já o juiz Rodrigo Ferreira se quebrou ao seguir a errada sinalização do AAA Eduardo Cordeiro Guimarães, que deveria ter auxiliado o árbitro principal, mas que ajudou outrem.

Hoje, o Brasil inteiro sabe o nome de Rodrigo Ferreira, catarinense, que está sendo exposto amplamente em todos os programas de rádio e tevê, noticiários, etc.

Já o nome do assistente Eduardo Cordeiro Guimarães – repito, aquele que marcou, a favor do Inter, o pênalti inexistente - se mantém quase anônimo, em segundo plano. Mas desconfio que essa moleza está começando a acabar.


Comentários

Joao Fernando Sperotto - Aposentado 11.11.18 | 20:12:53

E os três pênaltis não marcados a favor do Grêmio no GRE-NAL do primeiro turno? E o gol com a mão do Potker, do Internacional, contra a Chapecoense? E o pênalti não marcado a favor do Grêmio contra a Chapecoense? E outros inúmeros benefícios dados aos "vermelhinhos"?

Hilton Boklis - Advogado 09.11.18 | 16:48:01

Por que o articulista não usou como exemplo o pênalti marcado contra o Inter no jogo com o Vasco, por erro do árbitro de fundo? Não dá mais pra aguentar tanta parcialidade por quem escreve com o coração ao invés da razão.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os políticos inescrupulosos e o Supremo

“Uma análise sobre o trânsito em julgado e o segundo grau de jurisdição. Essa ideia minoritária de terceiro grau de jurisdição, no próprio STF, só foi inventada após as condenações de políticos inescrupulosos que hoje estão tentando se beneficiar com uma interpretação inexistente no mundo todo”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann (OAB-RS nº 5.962)

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS