Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

Perfume de segunda categoria



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Trata-se de uma audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, com prisão em flagrante, logo depois, do assaltante em fuga. O magistrado – homem elegante, traje bem cortado, ouve, como vítima, a dona do estabelecimento. Aos 25 de idade, ela exala fragrância oposta aos melhores perfumes franceses.

Aos soluços – mesmo passados dois meses desde a investida criminosa – a vítima parece ainda estar em choque existencial. No momento em que o magistrado pergunta sobre o possível reconhecimento visual do acusado, a depoente quase entra em síncope.

A escrevente alcança-lhe um copo d´água, o promotor oferece balas de hortelã, a vítima não aceita participar do reconhecimento – no que, aliás, está certíssima. A ela é sugerido então que, para evitar justamente o encontro visual com o facínora, aguarde no contíguo gabinete do juiz.

Este, na sequência, ouve as testemunhas, interroga o réu e termina a solenidade. Como o celular do magistrado tilinta, ele pede desculpas e ausenta-se do recinto para atender a ligação, solicitando que todos aguardem “um minuto”.

Quando se prepara para retornar à sala de audiências, o magistrado é surpreendido pela vítima:

- Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

O juiz polidamente responde “já ser compromissado diuturnamente há muitos anos”. A mulher sorri insinuante e diz ter gostado “do que acabei de ouvir, mas lhe asseguro que também não estou a fim de compromissos sérios”.

O magistrado capta o recado e objetivamente sugere que seria melhor, para ela, “buscar alguém mais novo”. Intimamente – sem explícitas palavras – ele dá a entender que, com 45 de idade, não tem mais disposição física para as maratonas sexuais que a jovem mulher quixotescamente parece almejar.

O juiz volta à sala de audiências, senta-se então para presidir os derradeiros momentos da audiência, e – após um suspiro – evoca Vinicius de Moraes, o poeta das muitas mulheres: “A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida”.

Os demais presentes entreolham-se sem entender o porquê da frase, aparentemente tão fora do contexto jurisdicional.

Ao que interessa: duas semanas depois o assaltante é condenado a seis anos de prisão. E a loja de perfumes continua ativa.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.

Charge de Gerson Kauer

Sem estagiário, não tem Judiciário!

 

Sem estagiário, não tem Judiciário!

Um romance forense com nome da advogada afrontada. A empáfia de uma estagiária, o desrespeito às leis e a conclusão conciliadora da escrivã: “Com a carência de pessoal e a falta de concursos, dependemos da estagiariocracia”. 

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.