Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 14 de agosto de 2020.

Bullying em loja da rede Walmart



“Elefoa, gorda, obesa”. Esses eram alguns dos termos utilizados por colegas e superiores para se referirem a uma trabalhadora da rede de supermercados Walmart. A empregada sofre de depressão e os constantes constrangimentos e humilhações a que foi submetida no ambiente de trabalho por cerca de dois anos foram considerados decisivos para o agravamento da doença.

Essas condições de trabalho levaram a 4ª Turma do TRTRS a manter a decisão da 30ª Vara do Trabalho de Porto Alegre que condenou a empresa a pagar à trabalhadora indenização por danos morais e materiais. A decisão transitou em julgado.

A perícia médica constatou que a empregada sofria de “transtorno depressivo recorrente, episódio atual leve” e que a doença tem provavelmente origem hereditária ou genética, mas o quadro poderia ter sido desencadeado pelo trabalho, caso ficassem comprovadas as reiteradas ofensas alegadas pela trabalhadora.

Ex-empregados do supermercado foram, então, ouvidos como testemunhas e os relatos corroboraram a versão de a empregada ser agredida constantemente em razão de sua condição física. “Durante uma contagem de produtos, faltou a contagem de banha e a vice-gerente falou para a colega na frente de todos que ela iria contar a banha, pois era quem mais entendia de banha”, contou a testemunha.

Esse e outros diversos fatos relatados levaram a juíza Patricia Iannini dos Santos a concluir pela relação entre as atitudes dos colegas e o dano à saúde da empregada. “A reclamante era humilhada, pois recebia tratamento vexatório e desrespeitoso por parte de colegas de trabalho” – referiu o julgado monocrático.

A magistrada comparou que, se de um lado a patologia tem um componente pessoal, por outro, não há como se desconsiderar a relevância do contrato de trabalho ora analisado no desenvolvimento da patologia psiquiátrica da trabalhadora.

A empresa recorreu da condenação, alegando não ter ficado demonstrada sua culpa pelas agressões sofridas pela trabalhadora. No entendimento da relatora do recurso na 4ª Turma, desembargadora Ana Luiza Heineck Kruse, cabe ao empregador manter um ambiente de trabalho saudável.

Era obrigação da reclamada ter coibido as atitudes adotadas em relação à reclamante, o que não ocorreu. Como dá conta a prova testemunhal, os fatos foram levados ao conhecimento da responsável pelo setor, que os ignorou, deixando de tomar qualquer providência. A conduta omissiva da demandada importa culpa pelos danos sofridos pela trabalhadora, gerando a obrigação de indenizá-los” - concluiu. (Com informações do TRT-4).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Uma lição aprendida pela Wal Mart

Acordo em ação trabalhista resultará no pagamento de R$ 900 mil a um farmacêutico reclamante. A rede supermercadista também pagará multa de R$ 130 mil e R$ 18 mil de custas, além de depósitos previdenciários de R$ 72 mil.

Caixa condenada por assédio sexual em Caxias do Sul

 

Caixa condenada por assédio sexual em Caxias do Sul

Procedência de ação civil pública - ajuizada pelo MPT após denúncia do Sindicato dos Bancários - estabeleceu indenização de R$ 1,2 milhão por dano moral coletivo. A palavra “sexual” aparece 80 vezes na sentença.

Má fé de escritório de advocacia prejudica cliente em demanda contra grande banco

Conversas via WhatsApp fizeram a prova. Na ação trabalhista em que os advogados “compraram os créditos” da reclamante por R$ 360 mil, o escritório de advocacia fechou acordo por R$ 1,9 milhão líquidos, com o Banco Itaú. Este colaborou com o esclarecimento das minúcias. Leia também o contraponto da banca advocatícia.