Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/sexta.jpg

Qual a magistratura que queremos?



Google Imagens - http://magistraturaunida.blogspot.com/ (Pará)

Imagem da Matéria

O presidente do STF, Dias Toffoli, esteve no Rio de Janeiro na segunda passada (12) para ouvir uma exposição do cientista político Luiz Werneck Vianna, 80 de idade. Escutou muito sobre a pesquisa que ele realiza com três mil juízes e desembargadores brasileiros em torno do tema “Quem somos – e qual a magistratura que queremos?”

Werneck disse estar impressionado com o sentimento predominante entre os magistrados brasileiros que se assumem como “servidores da lei e da Constituição”. Isto é patriótico, é ótimo, e pode ser festejado!

Mas poucos dias após o Senado aumentar os salários dos ministros do STF em 16,3% (e, por efeito cascata, para toda a magistratura brasileira) - o que, aliás, para se tornar realidade ainda depende da caneta de Michel Temer - é o caso de lembrar o dispositivo constitucional da igualdade:

“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.

Por mais razão que tenham os magistrados sobre sua demanda salarial, nenhum deles passará necessidades, Brasil afora, com seus salários (no STF de R$ 33.763) e respectivos penduricalhos.

Os professores – e aqui lembrando-os como os operários da educação e cultura que são a base de muito que o Brasil atual precisa – dentro desse conceito constitucional de igualdade, acaso não mereceriam 16,3% de aumento e também “auxílio-moradia” e outros balangandans?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário