Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

Três anos de prisão para homem que ejaculou em passageira no metrô



Sentença proferida pela juíza Vanessa Strenger, da 3ª Vara Criminal de São Paulo (SP) condenou – por importunação sexual - a três anos de prisão, em regime inicial fechado, um homem que ejaculou no corpo de uma mulher no metrô paulistano. O caso ocorreu no mês passado. A magistrada considerou a situação como “grotesca e de elevado dolo”.

A Lei nº 13.718/2018, sancionada em setembro, tipificou como crime penal de gravidade média as ocorrências em que o assediador não cometeu crime de estupro, mas praticou ato libidinoso com o objetivo de satisfazer lascívia própria ou de outro. A pena é de reclusão de 1 a 5 anos. Antes, os casos eram enquadrados como mera contravenção.

No caso agora sentenciado, o homem foi retirado do vagão por seguranças. No interrogatório ele alegou que “tem problemas vasculares e, como o trem estava cheio, encostou na vítima e ficou excitado”.

A sentença considerou que “a prova acusatória é robusta” e "irrefutável”. Conforme o julgado monocrático, “o acusado ainda imputa sua conduta a uma condição física, e ao que parece entente justificado e inevitável seu modo de agir – e, neste cenário, a culpabilidade, a conduta social, a personalidade do agente, os motivos, as consequências e as circunstâncias do delito impõem a elevação severa da pena-base”. (Proc. em segredo de Justiça - Com informações da Agência Brasil).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.