Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

Quando o suposto amor vira negócio



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O Newton e a Jacilene, ele estudante de Filosofia, ela vendedora (nas horas vagas), estavam “ficando”. Tinham, se conhecido num bar da moda, mas a relação ainda não alcançara profundida intimidade. Numa sexta, os dois combinaram a ida a um motel. E foram! Presume-se que os objetivos tenham sido alcançados.

Na manhã de sábado, na hora de irem embora, o Newton embicou seu Ônix em direção à porta da garagem, passou direto pelo guichê do pagamento, engatou uma primeira, derrubou o portão e saiu desabalado sem acertar a conta. Pelas placas do carro foi possível localizar o cara-de-pau, contra quem o dono do motel logo ajuizou ação judicial.

O juiz abriu a audiência discorrendo sobre conceitos de bom-caratismo. E perguntou ao Newton se ele “não sentia vergonha pelo que fez”.

- Doutor, até agora estou encabulado, sou uma pessoa de bem, estudioso, nunca me envolvi com polícia e justiça... – o réu explicou discursivo.

O magistrado atalhou:

- Conte, então, o que aconteceu.

Olhando para baixo, o futuro filósofo relatou uma história comovente: “Eu pensava que estava começando a namorar a Jacilene. Na hora em que dei a partida no carro para sairmos do motel, ela me surpreendeu. Exigiu que, antes da saída, eu teria que acertar o cachê dela.

Fez-se silêncio na sala, mas logo o Newton arrematou: “Tive um acesso de fúria, sacudi a mulher, quase dei uma ´bolacha´ nela, acelerei o carro descontrolado, e fiz a bobagem que me trouxe aqui, pela primeira vez em um foro”.

O juiz aparentou compaixão. E o dono do motel, comovido, aceitou parcelar, em quatro vezes, o valor dos reparos e arrematou com uma benesse extra:

- A diária da suíte fica como cortesia da casa.

O acordo foi homologado. O Newton já pagou a primeira parcela. A Jacilene tem sido vista nos bares da vida de uma das grandes cidades gaúchas.

E filosoficamente não se fala mais nisso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.

Charge de Gerson Kauer

Sem estagiário, não tem Judiciário!

 

Sem estagiário, não tem Judiciário!

Um romance forense com nome da advogada afrontada. A empáfia de uma estagiária, o desrespeito às leis e a conclusão conciliadora da escrivã: “Com a carência de pessoal e a falta de concursos, dependemos da estagiariocracia”. 

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.