Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.

Quando o suposto amor vira negócio



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O Newton e a Jacilene, ele estudante de Filosofia, ela vendedora (nas horas vagas), estavam “ficando”. Tinham, se conhecido num bar da moda, mas a relação ainda não alcançara profundida intimidade. Numa sexta, os dois combinaram a ida a um motel. E foram! Presume-se que os objetivos tenham sido alcançados.

Na manhã de sábado, na hora de irem embora, o Newton embicou seu Ônix em direção à porta da garagem, passou direto pelo guichê do pagamento, engatou uma primeira, derrubou o portão e saiu desabalado sem acertar a conta. Pelas placas do carro foi possível localizar o cara-de-pau, contra quem o dono do motel logo ajuizou ação judicial.

O juiz abriu a audiência discorrendo sobre conceitos de bom-caratismo. E perguntou ao Newton se ele “não sentia vergonha pelo que fez”.

- Doutor, até agora estou encabulado, sou uma pessoa de bem, estudioso, nunca me envolvi com polícia e justiça... – o réu explicou discursivo.

O magistrado atalhou:

- Conte, então, o que aconteceu.

Olhando para baixo, o futuro filósofo relatou uma história comovente: “Eu pensava que estava começando a namorar a Jacilene. Na hora em que dei a partida no carro para sairmos do motel, ela me surpreendeu. Exigiu que, antes da saída, eu teria que acertar o cachê dela.

Fez-se silêncio na sala, mas logo o Newton arrematou: “Tive um acesso de fúria, sacudi a mulher, quase dei uma ´bolacha´ nela, acelerei o carro descontrolado, e fiz a bobagem que me trouxe aqui, pela primeira vez em um foro”.

O juiz aparentou compaixão. E o dono do motel, comovido, aceitou parcelar, em quatro vezes, o valor dos reparos e arrematou com uma benesse extra:

- A diária da suíte fica como cortesia da casa.

O acordo foi homologado. O Newton já pagou a primeira parcela. A Jacilene tem sido vista nos bares da vida de uma das grandes cidades gaúchas.

E filosoficamente não se fala mais nisso.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.