Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!



Arte de Camila Adamoli – reprodução do Youtube

Imagem da Matéria

 Flautista? Não! É fake!

Desde terça-feira (20) circula, no WhatsApp, um vídeo atribuindo à juíza federal Gabriela Hardt – substituta de Sérgio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) - a condição de flautista amadora, integrante do quarteto Choronas. Seria um hobby da magistrada, além da sua reconhecida disposição de participar de competições de natação.

No bem feito vídeo – com excelentes imagens e som muito bom – quatro mulheres, vestindo chamativas roupas vermelhas, apresentam-se num bem arranjado palco, interpretando o choro Brasileirinho, de autoria de Waldir de Azevedo.

Uma das versões desse vídeo, gravada em 2014, apresenta uma legenda: “A juíza Gabriela, que tocou séria flauta processual em Lula, também toca flauta de verdade, eventualmente, nos palcos”.

Mas_tal conjunto musical Choronas era formado – na época da gravação - por Ana Cláudia César (no cavaquinho), Paola Picherzky (no violão), Roseli Câmara (na percussão) e Gabriela (na flauta). Detalhe importante: desta última, o sobrenome é Machado – nada a ver com o sobrenome Hardt, da magistrada. Mais: em 2015 a flautista e compositora Maicira Trevisan entrou no lugar de Gabriela Machado.

O grupo existe desde 1994, tem sua sede em Santos (SP) e lançou em 2008 seu primeiro álbum independente: "O Brasil Toca Choro". Essa coletânea reúne obras inéditas de compositores das variadas regiões do Brasil além de clássicos como Brejeiro, Apanhei-te Cavaquinho, Assanhado, etc. O álbum é resultado da turnê que o grupo realizou em 2005 pelo Brasil, comemorando seus dez anos de existência.

Para 2019, no seu 25º ano de atuação, o grupo Choronas tem planos para a gravação de seu 4º álbum.

Reiterando: atribuir à juíza Gabriel Hardt a condição de flautista amadora é fake. Mas vale a pena ver o interessante vídeo das Choronas, com a flautista Gabriela Machado, clicando aqui.

  Sicredi X Socicredi

Decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS confirmou sentença que condenou a Socicred Sociedade de Crédito ao Microempreendedor a indenizar a Sicredi Participações pelo uso indevido, por aquela, do termo “Socicred” . Os lucros cessantes serão apurados em liquidação de sentença.

Em precedente ação, a Justiça Federal havia reconhecido a nulidade da marca de titularidade da Socicred, ou de qualquer outro que imite a marca Sicredi, “por causa da confusão comercial”.

O novo julgado concedeu indenização por danos materiais pelo tempo em que a demandada permaneceu utilizando a marca após a primeira decisão transitar em julgado. (Proc. nº 001/1.17.0125668-2).

 Home care, mesmo sem previsão contratual

Por maioria, a 3ª Turma do STJ decidiu que a Bradesco Saúde deve fornecer cobertura de internação domiciliar a uma paciente enferma e portadora de Mal de Parkinson, “pois este seria o único meio pelo qual a beneficiária de 81 anos conseguiria uma sobrevida saudável”.

Para o colegiado, diante das circunstâncias, é legítima a expectativa de a recorrente de receber o tratamento conforme a prescrição do neurologista.

Beneficiária do plano de saúde desde 1984, a idosa recebeu orientação médica para home care, diante da piora do seu quadro de saúde, agravado pela doença de Parkinson, com a apresentação de gastrostomia, dieta enteral, aspiração pulmonar e imobilismo. A operadora negou o serviço, pois não haveria “a respectiva cobertura no contrato”.

A ministra Nancy Andrighi ressaltou que “afastar a obrigação de fazer da operadora de plano de saúde em fornecer a internação domiciliar da beneficiária idosa e enferma implica tornar inútil o plano cuja contratação já dura 34 anos, na expectativa de ser devidamente atendido no tratamento de sua saúde”. (REsp nº 1.728.042).

 Tempo à disposição

O Tribunal Superior do Trabalho considerou como “tempo à disposição do empregador” o período em que um auxiliar de produção da JBS, em Coxim (MS), aguardava para embarcar no ônibus cedido pela empresa para voltar para casa. Na reclamação trabalhista, o trabalhador afirmou que, pelo menos três vezes por semana, esperava entre 20 e 30 minutos pelo ônibus da empresa ao fim da jornada, depois de ter registrado o ponto de saída.

Ele alegou que nesse período continuava à disposição do empregador, como prevê o artigo 4º da CLT, “pois não poderia fazer mais nada estando longe de casa e em região pouco habitada da cidade”.

Conforme o julgado superior, “o tempo gasto na espera pela condução fornecida pela empresa deve ser considerado tempo à disposição e, portanto, ensejar o pagamento de horas extras quando extrapolada a jornada normal de trabalho”.

O processo volta agora à origem para a fase de prova de que, realmente, a empresa atrasava a levar os operários para casa. (RR nº 24102-95.2016.5.24.0046).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.

A última de Brasília: Temer embaixador na Transilvânia

   A figura do vampiro é bastante presente no imaginário popular e no cinema. O “morto-vivo” está fartamente inserido na cultura política.

  Trocando seis por meia dúzia: depois do “auxílio-moradia”, a gestação do “acréscimo por tempo de serviço”.

  Dicionários on line incorporam a expressão “penduricalho”: equivale a balangandan.

   A diferença entre o salário mínimo e o rendimento médio do trabalhador brasileiro está cada vez MENOR. Mas o aumento para a magistratura está a caminho.