Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

A denúncia contra o desembargador acusado de agredir a própria mãe e irmãs



A Corte Especial do STJ recebeu, por unanimidade, no dia 21 de fevereiro deste ano, a denúncia por crime de lesão corporal, praticada pelo desembargador Luís César de Paula Espíndola, do TJ do Paraná. O magistrado é acusado de violência doméstica contra a própria mãe e duas irmãs e a mãe. Ele também foi afastado da jurisdição. Durante o afastamento, o magistrado seguirá recebendo seu salário, vantagens e penduricalhos, inclusive o “auxílio-moradia”.

Conforme a denúncia, houve um confronto verbal familiar, quando os irmãos discutiam sobre os cuidados a serem dispensados aos pais. De repente, segundo o MP-PR, Espíndola teria atingido a mãe, de mais de 80 anos.

A discussão no STJ foi acalorada em relação ao afastamento, ou não, do desembargador. O relator, ministro Napoleão, votou contra: “Não cogitei do afastamento porque não se trata de crime funcional, e sim de crime comum, no âmbito das relações domésticas ou familiares. Estamos caminhando para a automaticidade do afastamento. O recebimento da denúncia não tisna a presunção da inocência.

O ministro Jorge Mussi abriu a divergência, sustentando “a necessidade do afastamento diante da gravidade concreta do crime imputado”.

Ao acompanhar a divergência, o ministro Og Fernandes afirmou que “o que estabelece a Loman sobre o decoro e comportamento é um ônus, parecendo-me haver incompatibilidade do exercício da função com o tipo penal.”.

A ministra Nancy Andrighi ponderou que “se fosse parte em uma ação, me sentiria muito mal em ser julgada por alguém que está respondendo a processo” – concluindo que “para o bem da Justiça como instituição e a lisura total do julgamento, é necessário o afastamento.

O ministro Raul Aráujo discursou sobre as circunstâncias em que ocorreram as violências denunciadas: “As irmãs estavam munidas de gravador. A pessoa pode ter sido provocada a tal ponto que ela perde o bom senso numa fração de segundos. Não vejo razões para considerarmos de já incompatível com a magistratura o comportamento, que não sabemos em detalhes como se deu. Será que foi provocado até a última resistência?”

O ministro Mauro Campbell lembrou que Espíndola já tem outra ação recebida no STJ, também por lesão corporal, dessa vez contra uma vizinha. Esta, em maio de 2016, foi agredida por ter alertado o magistrado que era proibido despejar lixo num terreno contíguo à casa dela, em Curitiba. Houve um bate-boca e – nesse caso - o desembargador Espíndola agrediu a mulher com uma pá.

Logo interveio um policial aposentado, que deu voz de prisão ao magistrado. Este também deu voz de prisão ao policial. Todos foram conduzidos a uma delegacia de polícia, sem solução prática. Tal caso teve dois desdobramentos. Primeiro, no CNJ onde ainda não tem decisão disciplinar. Segundo, ao STJ onde a ação penal está em curso.

Por seu turno, o ministro Humberto Martins avaliou que, aparentemente, “o grau de tolerância do magistrado é zero”. E resumiu: “Agride a vizinha com a pá, a irmã com socos. Isso foge aos padrões éticos de conduta do magistrado, que tem que ter temperança, prudência, sensibilidade e sobretudo sentimento ético”. (APns nºs 835 e 878).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novo presidente do TRF-4 assume exaltando tom conciliador

O desembargador Victor Laus citou o Papa Francisco. "O sumo pontífice defende que construamos pontes, não muros. De modo que a exaltação de ambos os lados, o desrespeito à privacidade e o estímulo às polêmicas sem fim devem ser deixados para trás”. O ministro Sérgio Moro esteve presente. Mas o seu anunciado discurso terminou não ocorrendo.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso especial. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.

O julgamento da Lava-Jato e/ou Vaza-Jato

Conversas de Moro com procuradores e ação de hackers serão investigadas. A PF vai apurar ataque, enquanto a Corregedoria do MPF abre procedimento sobre a atuação de Deltan Dallagnol. O presidente da OAB gaúcha, Ricardo Breier, em nota, lembrou que a entidade “tem buscado – reiteradamente – a paridade das armas no processo penal”.