Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019.

A experiência dos velhinhos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É uma agência seleta de um dos bancos porto-alegrenses. Uma vovó, 65 anos ou mais, chega a um dos caixas para atendimento presencial.

Acompanhem o diálogo:

- Bom dia, quero sacar 50 reais.

- Lamento, mas aqui no caixa o saque mínimo é de 200 reais. Para valores menores, a senhora tem que ir no autoatendimento.

- Mas eu não sei usar as máquinas.

- Desça ao andar térreo. Ali, a funcionária que está junto aos caixas eletrônicos poderá lhe ajudar.

A idosa senhora fita o atendente de caixa e, em segundos, encontra a solução:

- Apesar do meu direito líquido e certo de retirar apenas 50 reais, eu aceito sacar os 200 que o senhor me impõe por causa da cartilha do banco.

Ela recebe então o dinheiro e o caixa pergunta se ela “deseja mais alguma operação”.

- Sim, quero fazer agora um depósito de 150 reais!

O bancário fica constrito por alguns segundos, mas se rende à argúcia da cliente. Faz a nova operação, recebendo 150 reais de volta, e entregando o papelucho do depósito.

Antes de sair, a senhora fita de novo o atendente e deixa as coisas bem claras:

- Melhor que tenha havido a solução pacífica, porque senão eu tocaria uma ação contra o banco. Meu filho é advogado e tenho um neto que é estagiário no tribunal e com eles aprendo os meus direitos.

O caixa fica quieto, a idosa afasta-se dois passos, e arremata irretorquível:

- Não se brinca com a experiência dos velhinhos!

Nada mais diz, nem lhe é perguntado. O caixa, no mesmo dia, relata por escrito à superintendência regional, “como sugestão para a revisão de conceitos e a fim de evitar confrontos com clientes”...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

De grosso calibre

 

De grosso calibre

No prédio com vista para o Guaíba, em que atuam lidadores do direito, chega uma caixa com “uma coisa estranha” endereçada a uma das doutoras da casa. Seria um “bilau” de brinquedo? O decano deu a solução na reunião em que participaram as cabeças mais lúcidas da Casa: “Temos que rever nossos conceitos”.

Charge de Gerson Kauer

O namorado do juiz

 

O namorado do juiz

Na comarca de entrância intermediária, um dos juízes é gay. Seu então parceiro é um técnico em informática de uma grande empresa agro comercial. Afinados, os dois homossexuais têm apenas uma única grande diferença: a questão salarial. De repente, há um tombo financeiro.

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.