Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

A experiência dos velhinhos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É uma agência seleta de um dos bancos porto-alegrenses. Uma vovó, 65 anos ou mais, chega a um dos caixas para atendimento presencial.

Acompanhem o diálogo:

- Bom dia, quero sacar 50 reais.

- Lamento, mas aqui no caixa o saque mínimo é de 200 reais. Para valores menores, a senhora tem que ir no autoatendimento.

- Mas eu não sei usar as máquinas.

- Desça ao andar térreo. Ali, a funcionária que está junto aos caixas eletrônicos poderá lhe ajudar.

A idosa senhora fita o atendente de caixa e, em segundos, encontra a solução:

- Apesar do meu direito líquido e certo de retirar apenas 50 reais, eu aceito sacar os 200 que o senhor me impõe por causa da cartilha do banco.

Ela recebe então o dinheiro e o caixa pergunta se ela “deseja mais alguma operação”.

- Sim, quero fazer agora um depósito de 150 reais!

O bancário fica constrito por alguns segundos, mas se rende à argúcia da cliente. Faz a nova operação, recebendo 150 reais de volta, e entregando o papelucho do depósito.

Antes de sair, a senhora fita de novo o atendente e deixa as coisas bem claras:

- Melhor que tenha havido a solução pacífica, porque senão eu tocaria uma ação contra o banco. Meu filho é advogado e tenho um neto que é estagiário no tribunal e com eles aprendo os meus direitos.

O caixa fica quieto, a idosa afasta-se dois passos, e arremata irretorquível:

- Não se brinca com a experiência dos velhinhos!

Nada mais diz, nem lhe é perguntado. O caixa, no mesmo dia, relata por escrito à superintendência regional, “como sugestão para a revisão de conceitos e a fim de evitar confrontos com clientes”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.

Charge de Gerson Kauer

Sem estagiário, não tem Judiciário!

 

Sem estagiário, não tem Judiciário!

Um romance forense com nome da advogada afrontada. A empáfia de uma estagiária, o desrespeito às leis e a conclusão conciliadora da escrivã: “Com a carência de pessoal e a falta de concursos, dependemos da estagiariocracia”. 

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.