Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado



Paulo Whitaker – Google Imagens

Imagem da Matéria

 Restrições à progressão do regime prisional

Futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, o ex-juiz Sergio Moro apresentará ao Congresso, após assumir o cargo, projetos de lei com ações de combate ao crime organizado. Entre os pontos que serão sugeridos ao Legislativo está a proibição da progressão de regime —a passagem de fechado para semiaberto e aberto — a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

“Isso vai servir como desestímulo ao ingresso desses presos em organizações criminosas” — afirmou o futuro ministro durante o Simpósio Nacional de Combate à Corrupção, realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), na última sexta-feira, no Rio.

Os discursos recentes de Moro também apontam para mudanças pontuais nas regras de prescrição de crimes no país. “Passamos a ver como normal um processo penal que termina em nulidade ou prescrição. Algumas alterações específicas podem fazer uma grande diferença” - justificou.

 Ufa! Eles conseguiram!

A indefinição sobre o reajuste salarial para o STF – e por efeito cascata para sobre os vencimentos das demais carreiras do Poder Judiciário -- teve fim ontem (26) com a sanção, pelo presidente Michel Temer, da lei aprovada pelo Senado que autoriza o aumento de 16,38% para os ministros — de R$ 33,7 mil para R$ 39 mil O impacto sobre as contas públicas, em todo o país, é estimado em R$ 1,4 bilhão ao ano.

A decisão de Temer foi tomada após acordo pessoal com os ministros Dias Toffoli e Luiz Fux, presidente e vice do STF.

Em contrapartida, a Corte se comprometeu a restringir o pagamento de auxílio-moradia aos magistrados do país. Fux em seguida – numa longa decisão que já estava previamente redigida, só faltando a assinatura - revogou a liminar (proferida em setembro de 2014) que permitia o penduricalho sem tributação do Imposto de Renda. Mas Fux determinou que a suspensão só entre em vigor quando o dinheiro do reajuste cair no primeiro contracheque.

A contrapartida – cancelamento do imoral auxílio-moradia - no entanto, não compensa o impacto provocado pelo reajuste. Estudos do Senado, revelados no início do mês, mostram que o auxílio-moradia custa R$ 333 milhões ao ano, enquanto o aumento para juízes federais alcançará R$ 717 milhões anuais.

 Benefício desde 1979

São 17.351 juízes, desembargadores e ministros de tribunais superiores que recebem o auxílio-moradia no país. A questão chegou ao STF em 2014, a partir de ações movidas por entidades de classe que representam a magistratura.

A previsão de pagamento de auxílio-moradia a juízes foi estabelecida pela Lei Orgânica da Magistratura (Loman), de 1979. O artigo 65 diz que, além dos vencimentos, os magistrados têm direito – na “forma da lei” - a uma ajuda de custo para moradia “nas localidades em que não houver residência oficial à disposição”.

Sem leis específicas estaduais ou federal, mas via canetaços, liminares duradouras e resoluções (estas do CNJ e de tribunais estaduais), o benefício, no entanto, acabou desvirtuado, sendo pago de modo indiscriminado a todos os juízes, até mesmo àqueles que tem residência própria na cidade onde trabalham. Há casos também de magistrados que são marido e mulher e que, residindo na mesma casa, embolsam o penduricalho em dobro.

O auxílio-moradia é recebido por 88 ministros das cortes superiores, 14.882 juízes e 2.381 desembargadores. Além deles, recebem o benefício: nove ministros do Tribunal de Contas da União e 553 conselheiros dos tribunais de contas dos estados e municípios.

Entre os que recebem auxílio-moradia - mesmo tendo imóvel próprio - estão 26 ministros de tribunais superiores (STJ, STM e TST). Não pediram o benefício os ministros do STF e do Tribunal Superior Eleitoral.

 O supremo séquito e os balangandans

Mais de 200 magistrados federais brasileiros estiveram na Argentina, entre a quinta-feira (22) e o domingo (25), para participar do 1º Encontro Internacional dos Juízes Federais do Brasil, evento promovido pela Ajufe. Objetivo: “trocar experiências sobre as legislações dos dois países e a cooperação jurídica no Mercosul”.

O presidente do STF, Dias Toffoli, abriu a chamada programação científica, falando sobre “Os desafios do Poder Judiciário no século 21”. Também viajaram a Buenos Aires o corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, e o ministro do STJ Raul Araújo, ex-corregedor-geral da Justiça Federal.

No programa oficial, uma ´dernière´ amena: “O encerramento em uma casa de tango, com apresentação musical e jantar, seguidos de uma festa no local”.

A assessoria de imprensa da Ajufe informou que não houve patrocínio privado e que cada associado pagou suas despesas. (O que é uma confirmação de que, para os padrões da população brasileira, a magistratura do país ganha bem).

Mas Dias Toffoli levou a Buenos Aires seis assessores e tal equipe sêxtupla foi autorizada a se afastar do país com ônus para o STF. Em síntese: o tribunal pagou diárias e passagens e os servidores continuaram a receber normalmente os vencimentos no período. Nesse caso, quem pagou os balangandans da viagem e da estadia foi a cidadania brasileira.

Os contemplados autorizados a se afastarem do país foram: Daiane Nogueira de Lira, secretária-geral da presidência do STF; Fábio Mendes Marzano, assessor chefe de Assuntos Internacionais do STF; Célia Regina de Oliveira Gonçalves, assessora chefe do Cerimonial do STF; Alessandra Gomes Faria Baldini, juíza auxiliar da presidência do STF; Gianne de Freitas Andrade, também juíza auxiliar da presidência do STF; e Adão Paulo Martins de Oliveira, assessor de comunicação da presidência do STF.

Y no se habla mas en esto... – em bom espanhol.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.

A última de Brasília: Temer embaixador na Transilvânia

   A figura do vampiro é bastante presente no imaginário popular e no cinema. O “morto-vivo” está fartamente inserido na cultura política.

  Trocando seis por meia dúzia: depois do “auxílio-moradia”, a gestação do “acréscimo por tempo de serviço”.

  Dicionários on line incorporam a expressão “penduricalho”: equivale a balangandan.

   A diferença entre o salário mínimo e o rendimento médio do trabalhador brasileiro está cada vez MENOR. Mas o aumento para a magistratura está a caminho.