Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

Quase 200 anos de prisão!



Sentença proferida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, condenou ontem (3), o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) a mais 14 anos e 5 meses de prisão, por lavagem de dinheiro. Agora, a pena total do ex-governador é de 197 anos e 9 meses de prisão. Cabral está preso desde novembro de 2016.

A sentença admitiu provado que Cabral usou empresas de sua ex-mulher, Susana Neves, e de seu irmão Maurício Cabral para lavar dinheiro de propina pago pela empreiteira FW Empreendimentos Imobiliários e Construções em troca da obtenção de contratos com o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

A defesa do ex-governador sustentou – sem êxito - que o dinheiro (R$ 5 milhões) que Cabral recebeu da FW era destinado a financiamento de campanha eleitoral via caixa dois. Mas o empresário Flávio Werneck, o pagador da propina, contou que destinou R$ 15 milhões ao então governador.

Outros três réus na mesma ação também foram condenados: Susana Neves, 8 anos e 4 meses de prisão; Maurício Cabral, 4 anos e 6 meses de prisão; Flávio Werneck, 8 anos e 4 meses de reclusão. (Proc. nº 0504466-15.2017.4.02.5101).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mais rigor e encarceramento contra o crime

As propostas do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do ministro do STF Alexandre de Moraes para combater a criminalidade serão unificadas, Para especialistas, o texto final deve resultar na mais dura legislação penal brasileira de todos os tempos. Os dois pacotes, juntos, aumentam penas, antecipam cumprimentos de sentenças e impõem rigor às prisões.