Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.

A surpreendente queda da xerife da Petrobras



Reprodução de comercial de televisão

Imagem da Matéria

Na última semana de outubro, a Petrobras propagou, via emissoras brasileiras de televisão, uma cara campanha publicitária. Falava-se, então, das medidas anticorrupção que a estatal tomou, depois das fraudes capitaneadas por políticos, empresários, laranjas e outros do mesmo time, que foram defenestradas pela Lava Jato.

Uma das estrelas da campanha da Petrobras foi Regina de Luca, ex-secretária nacional de Segurança Pública durante o primeiro governo Dilma Rousseff (PT).

A partir de dezembro de 2016 - já no governo Temer - Regina ressurgiu em Brasília e estabilizou-se como gerente de inteligência e segurança da Petrobras, onde era apelidada de "xerife da estatal". Era!

Na segunda-feira, Regina foi demitida sem justa causa e já está em cumprimento do aviso prévio.

Quem pesquisar na internet, encontrará vídeos da campanha publicitária em que a então xerife dizia convicta que "hoje podemos falar da Petrobras porque arrumamos a casa". Agora desarrumou para a xerife.

Outros detalhes

O então presidente Pedro Parente decidiu, em 1º de dezembro de 2016, trocar o comando da importantíssima Gerência Executiva de Inteligência da Petrobras, que estava nas mãos do coronel José Olavo Coimbra de Castro, ex-diretor da Abin e homem de confiança de Aldemir Bendine, atualmente preso em Curitiba.

O curioso foi que, no lugar de Olavo, assumiu a petista Regina Miki, ex-secretária Nacional de Segurança Pública de Dilma. Em comunicado interno, obtido com exclusividade por O Antagonista, a nova gerente de inteligência é identificada pelo sobrenome “De Luca”.

O nome completo dela é Regina Maria Filomena de Luca Miki. Com longa folha de serviços prestados ao PT em Diadema, Miki foi em 2007 para o Ministério da Justiça como assessora sendo promovida na gestão de José Eduardo Cardozo.

“Rádio-corredor”

Ontem a “rádio-corredor” do CF-OAB irradiou que “a conjunção revela que o PT ainda não saiu da Petrobras e que a Petrobras não saiu do PT”.

E complementou que a demissão antecipada de Regina – antes que o governo Temer acabe definitivamente - foi por solicitação da equipe do futuro governo Bolsonaro, feita diretamente ao atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, que assumiu em junho.


Envie seu Comentário

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Zarpo Magazine

   Entidade com ações no STF e STJ patrocina presença de ministros em resort

 

Entidade com ações no STF e STJ patrocina presença de ministros em resort

Evento “Direito Marítimo na Visão dos Tribunais” foi realizado no Ferradura Resort (foto), em Búzios (RJ). O Conselho Nacional de Praticagem, tem como um de seus defensores o advogado Rodrigo Fux, filho do ministro do STF Luiz Fux. Entidade organizadora afirma que “os palestrantes foram escolhidos com independência técnica” e têm “atuação no contencioso judicial".

Chargista Amarildo > www.amarildo.com.br

As batalhas judiciais do FIES no caminho do diploma universitário

 

As batalhas judiciais do FIES no caminho do diploma universitário

 Caso seja necessária a penhora de ativos de instituição de ensino superior, os créditos eventualmente obtidos por meio do Fies não serão atingidos.

• Em caso gaúcho, a decisão de que o programa não se submete ao Código do Consumidor.

 A proibição da capitalização de juros.

 Dificuldades para a transferência de uma aluna.

• A impossibilidade de um novo financiamento.

Mantida decisão que proibiu entrevista de Adélio Bispo à revista Veja

Para o ministro Gilmar Mendes, relator no STF, a temática relacionada à liberdade de imprensa é ampla. Assim, nem toda decisão judicial sobre o tema encontrará resposta do Supremo no decidido na ADPF nº 130. Nessa, o Plenário declarou a não recepção da Lei de Imprensa pela Constituição de 1988.