Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.

Decisão judicial manda aprender duas aeronaves da Avianca Brasil



A quinta-feira 6 não foi um dia tranquilo para a Avianca Brasil. A companhia teve duas aeronaves Airbus A320 (PR-OBQ e PR-OBR) apreendidas no aeroporto de Brasília, por determinação judicial, por falta de pagamento, numa ação movida pela empresa Boc Aviation Limited. As informações são do Portal Metrópoles e do saite Melhores Destinos. Além disso, numa outra ação, movida pela Constitution Aircraft Leasing, a companhia brasileira enfrenta o pedido para a devolução de mais onze aeronaves.

As decisões são liminares e contra elas cabem recursos. No entanto, o mercado especula que uma outra estratégia para evitar a tomada das aeronaves, seria entrar com um processo de recuperação judicial – o que impediria a cobrança dos débitos pelos credores. Mas, de acordo com o portal da Revista Veja, a empresa nega que irá fazer isso e informa que “está negociando”.

Por enquanto, pela retenção de duas aeronaves, os passageiros parecem não ter sido afetados. Mas caso a companhia seja obrigada a entregar mais onze aeronaves, há risco da operação ser afetada.

Em nota à imprensa, a Avianca Brasil tentou passar tranquilidade aos seus clientes e ao mercado:

A Avianca Brasil explica que negociações fazem parte da rotina de qualquer empresa para otimização de resultados e esclarece que processos como esse são previstos pela companhia. A Avianca Brasil nega qualquer rumor relacionado a um possível pedido de recuperação judicial e reforça que suas operações não foram ou serão impactadas.

Fatores externos como a alta do dólar, o aumento histórico do preço do combustível de aviação e a greve dos caminhoneiros têm desafiado todo o setor em 2018. Nesse contexto, é natural e previsto que todas as empresas busquem otimizar a gestão de seus recursos da melhor forma possível, o que inclui a adequação de frota à demanda de passageiros”.


Envie seu Comentário

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Zarpo Magazine

   Entidade com ações no STF e STJ patrocina presença de ministros em resort

 

Entidade com ações no STF e STJ patrocina presença de ministros em resort

Evento “Direito Marítimo na Visão dos Tribunais” foi realizado no Ferradura Resort (foto), em Búzios (RJ). O Conselho Nacional de Praticagem, tem como um de seus defensores o advogado Rodrigo Fux, filho do ministro do STF Luiz Fux. Entidade organizadora afirma que “os palestrantes foram escolhidos com independência técnica” e têm “atuação no contencioso judicial".

Chargista Amarildo > www.amarildo.com.br

As batalhas judiciais do FIES no caminho do diploma universitário

 

As batalhas judiciais do FIES no caminho do diploma universitário

 Caso seja necessária a penhora de ativos de instituição de ensino superior, os créditos eventualmente obtidos por meio do Fies não serão atingidos.

• Em caso gaúcho, a decisão de que o programa não se submete ao Código do Consumidor.

 A proibição da capitalização de juros.

 Dificuldades para a transferência de uma aluna.

• A impossibilidade de um novo financiamento.

Mantida decisão que proibiu entrevista de Adélio Bispo à revista Veja

Para o ministro Gilmar Mendes, relator no STF, a temática relacionada à liberdade de imprensa é ampla. Assim, nem toda decisão judicial sobre o tema encontrará resposta do Supremo no decidido na ADPF nº 130. Nessa, o Plenário declarou a não recepção da Lei de Imprensa pela Constituição de 1988.