Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias



Por Juvenal Ballista Kleinowski, advogado (OAB-RS nº 102.262).
juvbk@hotmail.com

O advento do Novo CPC trouxe diversas alterações no dia-a-dia dos advogados. Algumas são bem conhecidas, como a contagem de prazo em dias úteis. Outras, nem tanto.

Quanto às intimações processuais, duas mudanças sobressaem:

(i) A intimação automática dos advogados que retiraram os autos em carga, conforme já abordado no Espaço (clique aqui)

(ii) a possibilidade de o advogado proceder na intimação do patrono da parte adversa.

Esta segunda hipótese está prevista no art. 269 do NCPC, mais especificamente nos parágrafos 1º e 2º:

§ 1º - É facultado aos advogados promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento.

§ 2º - O ofício de intimação deverá ser instruído com cópia do despacho, da decisão ou da sentença.

A possibilidade de suprir todo o trâmite cartorário de intimação de decisões (ordenar, expedir e publicar nota) representa importante ferramenta ao advogado que deseja acelerar o andamento do feito, especialmente em comarcas onde notas demoram meses para serem expedidas.

Ressalta-se que o NCPC dispõe alguns requisitos:

1. Que a outra parte esteja assistida por advogado;

2. Realização da intimação por correios, com aviso de recebimento;

3. Instruir o ofício (feito pelo advogado) com cópia da decisão, despacho ou sentença que pretende intimar.

Quanto ao endereço do destinatário, o art. 274 prevê que serão válidas as intimações enviadas ao endereço que consta nos autos, mesmo que não recebida pessoalmente pelo destinatário:

Art. 274. (...)
Parágrafo único. Presumem-se válidas as intimações dirigidas ao endereço constante dos autos, ainda que não recebidas pessoalmente pelo interessado, se a modificação temporária ou definitiva não tiver sido devidamente comunicada ao juízo, fluindo os prazos a partir da juntada aos autos do comprovante de entrega da correspondência no primitivo endereço.

Da mesma forma, é obrigação do advogado fornecer seu endereço na procuração, nos termos dos arts. 105 e 287:

Art. 105. (...)
§2º - A procuração deverá conter o nome do advogado, seu número de inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil e endereço completo.

§3º- Se o outorgado integrar sociedade de advogados, a procuração também deverá conter o nome dessa, seu número de registro na Ordem dos Advogados do Brasil e endereço completo.

Art. 287. A petição inicial deve vir acompanhada de procuração, que conterá os endereços do advogado, eletrônico e não eletrônico.

Em breve consulta à jurisprudência do TJRS, verifica-se que alguns desembargadores já mostraram-se adeptos à prática.

Aponta-se acórdão de embargos de declaração (proc. nº 70070415468), em que o desembargador relator Rui Portanova consignou que:

“Vão acolhidos os embargos para esclarecer que apenas foi facultado ao embargante promover a intimação dos advogados da outra parte para que respondam ao agravo de instrumento, e somente se a parte adversa, eventualmente, os tiver constituído na origem (art. 269, §1º do CPC/2015)”.

Mas, é claro, trata-se apenas de faculdade concedida com vistas a acelerar o cumprimento da intimação, de modo que a intimação pessoal do agravado, por meio de carta com aviso de recebimento (art. 1.019, inciso II, do CPC/2015), será devidamente realizada.

Porém, a prática - e os corredores do TJRS também - demonstra que pouquíssimos advogados sabem de tal faculdade. Quantidade ainda menor a utiliza.

Fica o alerta aos colegas, especialmente aos que, diariamente, enfrentam tartarugas jurisdicionais.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).

Arte de Camila Adamoli

Uma isca para fazer gastar

 

Uma isca para fazer gastar

“Muitos saites e vendedores criam ofertas intermediárias para confundir. O efeito? Você gasta mais achando que levou vantagem”. Isso acontece com pipocas, bicicletas, micro-ondas, televisores, tênis, roupas, computadores, etc. Artigo de Samy Dana, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas

Amarildo.wordpress.com.br

Plebiscito anticorrupção

 

Plebiscito anticorrupção

“Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 ´tradicionais´ partidos do célebre quadrilhão  barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes”. Artigo do jurista Modesto Carvalhosa.

Chargista SponHolz – www.humorpolitico.com.br

A Justiça que nunca acaba

 

A Justiça que nunca acaba

“Na Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França e Inglaterra, por exemplo, a sentença de primeira instância é suficiente para levar o cidadão à prisão. No Brasil, o caso Lula parece ser infinito. Apesar de todos os pedidos da defesa do ex-presidente terem sido julgados — e derrotados — nas quatro instâncias da Justiça, não tem nada fechado de vez”. Artigo do jornalista Carlos Alberto Sardenberg.

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.