Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O recado das urnas



Camera Press

Imagem da Matéria

Uma eleição não é um fato isolado, descolado da realidade e da vontade; ela volta-se para o futuro e pode ser traduzida como uma ferramenta da esperança.

O Internacional teve tudo para ganhar o Brasileirão, perdeu por detalhe, mas garantiu a sua participação direta na Libertadores da América.

Será uma grande oportunidade para reafirmar aquilo que o torcedor entendeu como satisfatório na atual gestão e, ainda, dar um passo à frente com a conquista de um grande título.

Há um conhecido dito chinês: “Quem perde por pouco, perde por muito”. Ele se aplica como uma luva na nossa passagem pelo Campeonato Brasileiro. Faltou foco, organização e liderança. Deixamos escapar o título que tanto os nossos torcedores almejam.

Nas eleições presidenciais e para o Conselho Deliberativo, a atual gestão colheu uma retumbante vitória. Mais de noventa por cento de votos. A oposição amargou resultados incipientes, tanto para a direção, como para o Conselho.

Mas isso não quer dizer muito. Piffero, anteriormente, deu um vareio de votos parecido no mesmo Marcelo Medeiros em eleições na qual que se dizia que o campeão havia voltado.

Aumentou muitíssimo a responsabilidade do Dr. Medeiros. Chega de colocar fatores subjetivos, ascendência familiar por exemplo, como garantia de algo. Só muito trabalho e criatividade garantem o Internacional. Há déficit nas finanças, jogadores demais e um time com carências.

O números de votos obtidos pela chapa Piffero-Afatato, outrora, foram semelhantes, gerando dois comportamentos extremamente deletérios. Piffero achou que era o “rei do mundo” e a maioria esmagadora no Conselho, permitiu que tudo fosse feito sem contrariar o suposto “soberano” – e assim fomos levados a um desastre sem precedentes.

Espero, com a maior boa fé e coloradismo, que o nosso presidente não saia do pleito enfeitado, sem os pés tocando o chão. Se levitar, se sonhar, se der por consumado que é o messias do Beira Rio, incorrerá no mesmo erro.

Então Dr. Marcelo, seja generoso, realista e busque, como nunca, a unidade das forças coloradas, sem populismo e sem demagogia.

Nós, continuaremos torcendo e auxiliando sem nenhuma pretensão que não a de ver o nosso Inter cada vez maior.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A covardia é irmã gêmea da arrogância

“Com virose ou sem virose, o Gre-Nal de domingo passado (17) foi o da covardia e da renúncia. Mas registro a minha satisfação com o jovem Nonato; ele revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. A expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo”.

A noite NÃO e a noite SIM

O futebol é mágico, porque uma das suas características é a da impossibilidade de qualquer previsão ou prognóstico seguro.

Pato Abbondanzieri no Internacional e a Libertadores

“Foi uma das figuras mais extraordinárias que conheci no Inter: inteligente, dedicado e talentoso. Também relembro Don Jorge Fossati, também acima de tudo um cidadão e que ousou disputar o fechadíssimo mercado de trabalho dos treinadores de futebol brasileiros”.

A necessária pacificação no Inter e a proximidade da Libertadores

“O elogiado exemplo gremista: o presidente Romildo Bolzan marca a sua gestão pela inclusão. No Inter, há aversão à pacificação. Mas vejo um nome: José Aquino Flores de Camargo, experiente na direção anterior de outras entidades, todas plurais”.

Que Roberto Melo mude, ou desça da barca!

A surrada tática de “encher linguiça”, praticada pelo vice-presidente de futebol do Inter. A demonstração de uma capacidade minúscula de compreender a dimensão do seu cargo.

Triste madrugada foi aquela...

“Revolta pela forma irresponsável e criminosa como as coisas do futebol são tratadas. A existência de endividamentos astronômicos dos clubes na contratação de profissionais, em contraste com a espelunca destinada àqueles meninos que representam o que de mais lindo há no futebol, a pureza”.