Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O recado das urnas



Camera Press

Imagem da Matéria

Uma eleição não é um fato isolado, descolado da realidade e da vontade; ela volta-se para o futuro e pode ser traduzida como uma ferramenta da esperança.

O Internacional teve tudo para ganhar o Brasileirão, perdeu por detalhe, mas garantiu a sua participação direta na Libertadores da América.

Será uma grande oportunidade para reafirmar aquilo que o torcedor entendeu como satisfatório na atual gestão e, ainda, dar um passo à frente com a conquista de um grande título.

Há um conhecido dito chinês: “Quem perde por pouco, perde por muito”. Ele se aplica como uma luva na nossa passagem pelo Campeonato Brasileiro. Faltou foco, organização e liderança. Deixamos escapar o título que tanto os nossos torcedores almejam.

Nas eleições presidenciais e para o Conselho Deliberativo, a atual gestão colheu uma retumbante vitória. Mais de noventa por cento de votos. A oposição amargou resultados incipientes, tanto para a direção, como para o Conselho.

Mas isso não quer dizer muito. Piffero, anteriormente, deu um vareio de votos parecido no mesmo Marcelo Medeiros em eleições na qual que se dizia que o campeão havia voltado.

Aumentou muitíssimo a responsabilidade do Dr. Medeiros. Chega de colocar fatores subjetivos, ascendência familiar por exemplo, como garantia de algo. Só muito trabalho e criatividade garantem o Internacional. Há déficit nas finanças, jogadores demais e um time com carências.

O números de votos obtidos pela chapa Piffero-Afatato, outrora, foram semelhantes, gerando dois comportamentos extremamente deletérios. Piffero achou que era o “rei do mundo” e a maioria esmagadora no Conselho, permitiu que tudo fosse feito sem contrariar o suposto “soberano” – e assim fomos levados a um desastre sem precedentes.

Espero, com a maior boa fé e coloradismo, que o nosso presidente não saia do pleito enfeitado, sem os pés tocando o chão. Se levitar, se sonhar, se der por consumado que é o messias do Beira Rio, incorrerá no mesmo erro.

Então Dr. Marcelo, seja generoso, realista e busque, como nunca, a unidade das forças coloradas, sem populismo e sem demagogia.

Nós, continuaremos torcendo e auxiliando sem nenhuma pretensão que não a de ver o nosso Inter cada vez maior.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Operação Papai Noel

“Polícia e Ministério Público à cata de ilícitos no Inter. Uma tremenda vergonha! Nada mais sobra imune às irregularidades administrativas no Brasil. Poderiam ter poupado o nosso clube, mas desconfio que os gatunos sequer colorados são”.

Por entre os dedos da mão

“Chega de melo, chega de melado e chega de melaço! Lamentavelmente encerraremos mais um período de gestão no Sport Club Internacional sem a conquista de título. Deixamos passar, em 2017, o campeonato da série B. E em 2018 um Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil”.

O coronelismo no Inter já foi abandonado, ainda bem!

“A análise dos indivíduos, graças às redes sociais, flagrou a manipulação de muitas estrelas do jornalismo. Convido para que acessem os espaços virtuais das chapas, comparando as propostas”.

Terá pátio no Internacional !

Marcelo Medeiros (E) e Luciano Davi (D) serão os dois candidatos. “Um clube da grandeza do Inter só é gigante em razão da participação e interesse dos sócios, que são os verdadeiros donos. Convido os colorados a lerem os projetos de gestão, optando por aquele que represente a necessária confiança e eficiência”.

O Inter dá cartão vermelho a Vitório Piffero

O ex-presidente compareceu e utilizou o tempo de 30 minutos destinado à defesa. Em síntese e seguindo a moda lançada na vida pública, resumiu o seu depoimento em “NÃO SABIA”...