Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O recado das urnas



Camera Press

Imagem da Matéria

Uma eleição não é um fato isolado, descolado da realidade e da vontade; ela volta-se para o futuro e pode ser traduzida como uma ferramenta da esperança.

O Internacional teve tudo para ganhar o Brasileirão, perdeu por detalhe, mas garantiu a sua participação direta na Libertadores da América.

Será uma grande oportunidade para reafirmar aquilo que o torcedor entendeu como satisfatório na atual gestão e, ainda, dar um passo à frente com a conquista de um grande título.

Há um conhecido dito chinês: “Quem perde por pouco, perde por muito”. Ele se aplica como uma luva na nossa passagem pelo Campeonato Brasileiro. Faltou foco, organização e liderança. Deixamos escapar o título que tanto os nossos torcedores almejam.

Nas eleições presidenciais e para o Conselho Deliberativo, a atual gestão colheu uma retumbante vitória. Mais de noventa por cento de votos. A oposição amargou resultados incipientes, tanto para a direção, como para o Conselho.

Mas isso não quer dizer muito. Piffero, anteriormente, deu um vareio de votos parecido no mesmo Marcelo Medeiros em eleições na qual que se dizia que o campeão havia voltado.

Aumentou muitíssimo a responsabilidade do Dr. Medeiros. Chega de colocar fatores subjetivos, ascendência familiar por exemplo, como garantia de algo. Só muito trabalho e criatividade garantem o Internacional. Há déficit nas finanças, jogadores demais e um time com carências.

O números de votos obtidos pela chapa Piffero-Afatato, outrora, foram semelhantes, gerando dois comportamentos extremamente deletérios. Piffero achou que era o “rei do mundo” e a maioria esmagadora no Conselho, permitiu que tudo fosse feito sem contrariar o suposto “soberano” – e assim fomos levados a um desastre sem precedentes.

Espero, com a maior boa fé e coloradismo, que o nosso presidente não saia do pleito enfeitado, sem os pés tocando o chão. Se levitar, se sonhar, se der por consumado que é o messias do Beira Rio, incorrerá no mesmo erro.

Então Dr. Marcelo, seja generoso, realista e busque, como nunca, a unidade das forças coloradas, sem populismo e sem demagogia.

Nós, continuaremos torcendo e auxiliando sem nenhuma pretensão que não a de ver o nosso Inter cada vez maior.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

“Na última quarta-feira foram realizados protestos em Porto Alegre por universitários da UFRGS. Como em todas as manifestações, havia bandeiras de partidos políticos identificados como à esquerda no espectro político e de outros movimentos sociais. Surpreendeu-me negativamente verificar um grupo de manifestantes, utilizando sinalizadores vermelhos e ostentando uma faixa que indevidamente dizia: ´Inter antifascista´. Nossa agremiação é vermelha, popular e internacional, mas não confundam as coisas: somos apenas um clube de futebol”. 

O racismo e o futebol

“Nesta quarta-feira (8), no jogo entre Peñarol e Flamengo, parte da torcida uruguaia, chamava os jogadores brasileiros de ´macacos´.  Alguns, imitavam com gestos o animal em questão, aliás revelando um talento atávico. Isso me fez lembrar um episódio ocorrido no Estádio Olímpico, em 2011, defronte às sociais do dono da casa, quando o Zé Roberto (foto) aguardava para entrar em campo”

Tinga, eu e a velhice

“Escrevo sobre esse admirável ex-atleta do Inter, não apenas para revelar uma experiência, mas para afirmar o quanto é difícil adequarmos a idade e as nossas limitações à vida”.

Coração vermelho, vida que segue...

“Um recado a colorados e gremistas. Dias e noites intermináveis no Instituto do Coração fomentaram, em mim, profundas reflexões. Agora mais domesticado, mais adocicado, cumprimento o adversário pela conquista do Gauchão, que eu queria para o Internacional”.

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”