Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 17 de outubro de 2019.

Estabilidade para vendedora demitida a um ano da aposentadoria



A 3ª Turma do TST deferiu estabilidade pré-aposentadoria a uma vendedora da RN Comércio Varejista S.A. (Lojas Ricardo Eletro) que foi dispensada sem justa causa a menos de um ano da aquisição do direito à aposentadoria voluntária. O colegiado reconheceu a nulidade da dispensa e condenou a empresa ao pagamento de indenização substitutiva em relação ao período compreendido entre as datas da demissão e do fim da estabilidade.

O TRT da 17ª Região (ES) assinalou a existência de norma coletiva que assegura a estabilidade pré-aposentadoria à empregada. O tribunal determinou a readmissão dela no emprego até a aquisição do direito à aposentadoria voluntária. No entanto, indeferiu o pagamento dos salários referentes aos meses entre a dispensa e o retorno ao serviço. O TRT capixaba justificou que, nesse período, o contrato de trabalho estava suspenso.

Em recurso ao TST, a empregada sustentou que, reconhecida a estabilidade pré-aposentadoria prevista em norma coletiva, deve ser declarada a nulidade da dispensa e determinado o pagamento da remuneração correspondente ao período de afastamento irregular. Na 3ª Turma, o recurso foi examinado sob a relatoria do ministro Alberto Bresciani.

Segundo o relator, “quando exaurido o período estabilitário, são devidos ao empregado os salários entre a data da dispensa e do fim da estabilidade”. Com esse entendimento, votou no sentido de anular a dispensa e condenar a empresa ao pagamento de indenização substitutiva, assegurados os salários entre a data da despedida e do término da estabilidade.

Por unanimidade, a 3ª Turma acompanhou o voto do ministro Bresciani. (RR nº 1052-64.2016.5.17.0004 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Multa por má-fé em ação trabalhista reverte à APAE

Punição financeira a reclamante que buscava o vínculo de emprego. Mas as provas mostraram que ele era sócio da empresa reclamada, cuja titular era a ex-esposa. “Desfeito o casamento, o cidadão buscou a Justiça do Trabalho como meio de vingança pessoal ou rixa contra a ex-mulher” – diz o julgado.

Foto ESMAT

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

 

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

Para a Organização Internacional do Trabalho, a melhoria da divisão das tarefas domésticas é a mudança cultural mais importante para o progresso na igualdade de oportunidades. Juíza Noemia Garcia Porto (foto), presidente da Anamatra, sustenta que “a inserção, em igualdade de condições dignas e decentes, desafia pensar numa perspectiva de direitos humanos”.

Lide simulada: empresa é multada por má fé

Os advogados das duas partes são irmãos. Multa aplicada à empresa reclamada será revertida para a  Liga Feminina de Combate ao Câncer de Novo Hamburgo. Leia a íntegra do acórdão.