Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

Ex-diplomata condenado em primeiro grau não poderá recorrer em liberdade



Reprodução do Facebook

Imagem da Matéria

Condenado a um ano e oito meses de prisão, em regime inicial semiaberto por crime de lesão corporal e ameaça de morte a ex-namorada, a Justiça negou ao ex-diplomata Renato de Ávila Viana o direito de recorrer em liberdade. A sentença foi proferida pelo juiz Ben-Hur Viza, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Núcleo Bandeirante, no Distrito Federal. Não há trânsito em julgado.

Na denúncia, o MP-DFT narrou que o acusado - valendo-se das relações domésticas e íntimas que tinha com Joyce Annie Paiva Silva - a agrediu, causando lesões corporais, e a ameaçou de morte. As informações são do jornalista Frederico Vasconcelos, da Folha de S. Paulo.

Segundo o jornal, consta nos registros policiais que “o casal se desentendeu no interior de um quarto de motel, momento em que o acusado agrediu a vítima com tapas, murros, puxões de cabelo, chegando a quebrar seu dente da frente, entre outras lesões descritas em laudo pericial, além de ameaçá-la de morte”.

Ao negar o benefício de substituição e de suspensão condicional da pena, o magistrado considerou que “embora primário de bons antecedentes, a conduta social do acusado recomenda um regime mais grave que o aberto e mais brando que o fechado”. O diplomata Renato já foi condenado por outro crime praticado contra a mesma ofendida em contexto de violência doméstica contra a mulher, havendo sentença penal com trânsito em julgado.

O juiz também avaliou que “as infrações praticadas no contexto de violência doméstica são de extrema ofensividade social, notadamente pela ´ratio essendi´ da Lei Maria da Penha, elaborada com a finalidade de proteger as mulheres no âmbito doméstico e familiar”.

Posição do Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério das Relações Exteriores

Em setembro, o Sinditamaraty (Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério das Relações Exteriores) conclamando que com esse episódio, “o Itamaraty, finalmente, entenda que a sociedade clama por respostas mais rápidas” e que “os processos precisam caminhar com mais agilidade, sempre respeitando o princípio do contraditório e da ampla defesa”.

Em dezembro de 2017, o Ministério das Relações Exteriores publicou portaria exonerando Renato de Ávila Viana, primeiro-secretário da carreira de diplomata. Em setembro de 2018, o ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, demitiu o diplomata, com base no apurado em processo administrativo disciplinar.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.