Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU



 Sem honorários sucumbenciais

A remuneração de servidores públicos deve ser fixa, e qualquer adicional de subsídio é inconstitucional. Por isso advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

Tal tese, ainda em discussão no Órgão Especial do TRF da 2ª Região (RJ-ES), já tem maioria de votos. Nove desembargadores votaram declarando a inconstitucionalidade do artigo 85, parágrafo 19, do CPC, que determina o pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos em processos que tiverem a União, ou suas autarquias e fundações, como parte.

O desembargador Messod Azulay pediu vista dos autos e interrompeu o julgamento. Faltam apenas o voto dele e de mais um desembargador. E já votaram os desembargadores Marcelo Pereira da Silva (relator), Luiz Paulo Araújo, André Fontes, Vera Lúcia Lima, Antonio Ivan Athié, Sergio Schwaitzer, Poul Erik Dyrlund, Guilherme Couto e Nizete Lobato Carmo.

O Órgão Especial é formada por 14 desembargadores, mas o julgamento foi iniciado e interrompido com a presença de 11 magistrados – e esse é o quórum.

Além de entender pela inconstitucionalidade do dispositivo, Marcelo Pereira da Silva ordenou a remessa das peças processuais para o Ministério Público Federal se manifestar sobre possível prática do crime de patrocínio infiel por parte de advogados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A previsão do pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos federais foi fruto de uma demorada - e tensa - negociação entre a Advocacia-Geral da União e as entidades de classe de seus membros. Eles queriam aumento salarial, mas o governo era contra, por causa da pressão orçamentária que o reajuste traria.

O desembargador federal Marcelo Pereira da Silva, relator, iniciou seu voto destacando o conflito entre o interesse público e o particular. Citou caso similar no qual alertou que os “representantes judiciais da autarquia passaram a defender nos autos os seus próprios interesses em detrimento dos interesses do órgão público cuja defesa deveriam, por dever de ofício, promover”.

No entendimento de Silva, os artigos que garantem o pagamento de honorários a advogados públicos e procuradores ferem o regime de subsídio estabelecido pela Emenda Constitucional nº 19/1998. A conclusão do julgamento fica para fevereiro de 2019. (Proc. nº 0011142-13.2017.4.02.0000).

 Bye, bye Brasil...

A parcela de brasileiros que gostaria de mudar de país foi de 29% em 2017 — quase o dobro do que a do mundo – que é de 15% - mesmo com toda a crise internacional dos refugiados.

O povo brasileiro que até 2012 estava entre os 20 mais apegados à terra natal, migrou para o lado oposto. Uma pesquisa da FGV Social revela que agora quase 30% da população tem vontade de se mudar. O maior sonho dos que querem se mudar aponta para EUA e Portugal.

Mas o país onde o desejo de emigração é maior (50%) é a Venezuela, engolfada pela ditadura.

Um outro estudo da FGV também mostrou que “68% se sentem inseguros em andar à noite na área de moradia no Brasil”.

O FGV Social anuncia que tem como missão “contribuir para o desenvolvimento inclusivo brasileiro, conectando a pesquisa aplicada ao debate na sociedade e à implantação de políticas públicas”.

 Direito, cinco anos

O Ministério da Educação homologou parecer do Conselho Nacional de Educação que mantém a formação dos cursos de Direito em cinco anos. Havia movimento de algumas faculdades querendo reduzir a cronologia dos cursos para três anos.

Doravante, os estudantes que ingressarem contarão, obrigatoriamente, com mais duas disciplinas: Direito Previdenciário; Mediação, Conciliação e Arbitragem.

Além disso, as faculdades podem inserir no projeto pedagógico, a seu critério, outras matérias: Direito Eleitoral, Direito Digital, Direito Ambiental, Direito Desportivo, Direito da Criança e Adolescente, Direito Agrário e Direito Portuário.

 

 Fim do privilégio?

A Corte Especial do STJ travará nos próximos dias, ainda antes do recesso, uma discussão que pode causar polêmica.

Em uma questão de ordem, o ministro Luis Felipe Salomão vai suscitar a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.12.18 | 10:32:17

Sobre os honorários sucumbenciais para a AGU, sensata a decisão do TRF da 2ª Região. Afinal eles são pagos com dinheiro público. Se alguém tiver direito à sucumbência, que seja a UNIÃO. Afinal, lidamos com direito PÚBLICO. E dinheiro público, não é de quem "chegar primeiro e pegar". Que vire EXEMPLO para os demais TRFs.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Motorista pode ter desconto em salário, em razão de multas de trânsito

• Decisão do TRT-RS confirma sentença proferida na JT de Canoas: “Legítimos os descontos em questão, por serem correspondentes aos prejuízos causados pelo empregado à empresa”.

•  STJ julga no dia 5 causa de US$ 500 milhões: investidores contra a Ambev

 Os atos de oficiais de justiça podem passar a ser cobrados nos Juizados Especiais.

 Dez integrantes do MPF inscritos como candidatos ao cargo de procurador-geral da República.

 Delegados de polícia, procuradores de Estado e da Assembleia Legislativa e defensores públicos não têm direito ao foro privilegiado.

As três máquinas italianas de café expresso que serviam Lula

  Eram aparelhos grandes e profissionais, para que nas viagens sempre houvesse café bem quente em todas as paradas. No caso de viagens com escalas, a primeira máquina - depois de cumprir sua missão – era embarcada em voo especial para a última parada do então presidente.

  O indeferimento de novo penduricalho para a magistratura gaúcha. A Ajuris queria, via administrativa, que o TJRS instituísse o “auxílio-creche”, livre de imposto de renda. Que feio!

  Nova decisão do TST manda pagar, como horas extras, o tempo de trabalho prestado por advogado, a partir da quarta hora diária e da vigésima semanal, acrescidas do adicional de 100%.

Caso gaúcho de doação de óvulos entre duas irmãs

  Decisão desta semana da Justiça Federal do RS autoriza o descumprimento de resolução do Conselho Federal de Medicina que proíbe que doadores(as) e receptores (as) de gametas e embriões conheçam a identidade um do outro.

  Caso de planejamento familiar semelhante também teve, em 2018, sentença favorável em mandado de segurança julgado pela JF de São Paulo.

  Os espaços em que Bolsonaro investe na imagem pessoal, em canais de tevê de menor audiência. Enquanto isso, Globo e globais continuam de fora.

Consumidora gaúcha obtém sentença que garante a devolução de veículo defeituoso

 A Ford e a Ribeiro Jung reembolsarão a prejudicada com R$ 54 mil (mais correção e juros) e pagarão reparação moral de R$ 5 mil.

 Leia a íntegra da sentença da ação consumerista que expõe defeitos repetitivos numa Eco Sport comprada nova.

 A crise brasileira levará quase um milhão de famílias a engrossar as classes D/E em 2019.

 Juízes federais também querem prestar jurisdição eleitoral. Vale R$ 5.390 mensais, livres de tributação.

 Nos Correios, um chefe a cada dois servidores.

Grampo autorizado judicialmente revela desembargador pedindo “vaga fantasma” para esposa, filho e sogra

 Interceptações telefônicas revelam que o magistrado Alexandre Victor de Carvalho (foto), do TJ-MG, adianta que promotores não fiscalizam.

 Na Assembleia Legislativa mineira a negociação foi feita com o então procurador-geral, Augusto Mário Menezes Paulino, que – numa das ligações grampeadas - alerta o magistrado sobre a possibilidade de a nomeação configurar nepotismo cruzado.

 “Você acha que vale a pena arriscar?” - questiona o desembargador. “Acho que não! Fica com uma bundona na janela danada” - responde a outra voz.

Depois da censura à imprensa, o Supremo prepara a faustosidade gastronômica

Aberta licitação para a contratação do fornecimento de 2.800 refeições, 180 cafés, 180 “brunchs” e outros múltiplos quitutes.

Os coquetéis serão em número de três, para 1.600 pessoas.

Os vinhos brancos têm um pré-requisito: suas uvas deverão ter sido colhidas à mão.

O edital não fala em Engov contra ressacas. Mas...

 Um veterinário para o Tribunal de Contas.

 Lula disse que a prisão o deixou “mais humano”. Há controvérsias.