Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_14.jpg

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU



 Sem honorários sucumbenciais

A remuneração de servidores públicos deve ser fixa, e qualquer adicional de subsídio é inconstitucional. Por isso advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

Tal tese, ainda em discussão no Órgão Especial do TRF da 2ª Região (RJ-ES), já tem maioria de votos. Nove desembargadores votaram declarando a inconstitucionalidade do artigo 85, parágrafo 19, do CPC, que determina o pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos em processos que tiverem a União, ou suas autarquias e fundações, como parte.

O desembargador Messod Azulay pediu vista dos autos e interrompeu o julgamento. Faltam apenas o voto dele e de mais um desembargador. E já votaram os desembargadores Marcelo Pereira da Silva (relator), Luiz Paulo Araújo, André Fontes, Vera Lúcia Lima, Antonio Ivan Athié, Sergio Schwaitzer, Poul Erik Dyrlund, Guilherme Couto e Nizete Lobato Carmo.

O Órgão Especial é formada por 14 desembargadores, mas o julgamento foi iniciado e interrompido com a presença de 11 magistrados – e esse é o quórum.

Além de entender pela inconstitucionalidade do dispositivo, Marcelo Pereira da Silva ordenou a remessa das peças processuais para o Ministério Público Federal se manifestar sobre possível prática do crime de patrocínio infiel por parte de advogados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A previsão do pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos federais foi fruto de uma demorada - e tensa - negociação entre a Advocacia-Geral da União e as entidades de classe de seus membros. Eles queriam aumento salarial, mas o governo era contra, por causa da pressão orçamentária que o reajuste traria.

O desembargador federal Marcelo Pereira da Silva, relator, iniciou seu voto destacando o conflito entre o interesse público e o particular. Citou caso similar no qual alertou que os “representantes judiciais da autarquia passaram a defender nos autos os seus próprios interesses em detrimento dos interesses do órgão público cuja defesa deveriam, por dever de ofício, promover”.

No entendimento de Silva, os artigos que garantem o pagamento de honorários a advogados públicos e procuradores ferem o regime de subsídio estabelecido pela Emenda Constitucional nº 19/1998. A conclusão do julgamento fica para fevereiro de 2019. (Proc. nº 0011142-13.2017.4.02.0000).

 Bye, bye Brasil...

A parcela de brasileiros que gostaria de mudar de país foi de 29% em 2017 — quase o dobro do que a do mundo – que é de 15% - mesmo com toda a crise internacional dos refugiados.

O povo brasileiro que até 2012 estava entre os 20 mais apegados à terra natal, migrou para o lado oposto. Uma pesquisa da FGV Social revela que agora quase 30% da população tem vontade de se mudar. O maior sonho dos que querem se mudar aponta para EUA e Portugal.

Mas o país onde o desejo de emigração é maior (50%) é a Venezuela, engolfada pela ditadura.

Um outro estudo da FGV também mostrou que “68% se sentem inseguros em andar à noite na área de moradia no Brasil”.

O FGV Social anuncia que tem como missão “contribuir para o desenvolvimento inclusivo brasileiro, conectando a pesquisa aplicada ao debate na sociedade e à implantação de políticas públicas”.

 Direito, cinco anos

O Ministério da Educação homologou parecer do Conselho Nacional de Educação que mantém a formação dos cursos de Direito em cinco anos. Havia movimento de algumas faculdades querendo reduzir a cronologia dos cursos para três anos.

Doravante, os estudantes que ingressarem contarão, obrigatoriamente, com mais duas disciplinas: Direito Previdenciário; Mediação, Conciliação e Arbitragem.

Além disso, as faculdades podem inserir no projeto pedagógico, a seu critério, outras matérias: Direito Eleitoral, Direito Digital, Direito Ambiental, Direito Desportivo, Direito da Criança e Adolescente, Direito Agrário e Direito Portuário.

 

 Fim do privilégio?

A Corte Especial do STJ travará nos próximos dias, ainda antes do recesso, uma discussão que pode causar polêmica.

Em uma questão de ordem, o ministro Luis Felipe Salomão vai suscitar a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.12.18 | 10:32:17

Sobre os honorários sucumbenciais para a AGU, sensata a decisão do TRF da 2ª Região. Afinal eles são pagos com dinheiro público. Se alguém tiver direito à sucumbência, que seja a UNIÃO. Afinal, lidamos com direito PÚBLICO. E dinheiro público, não é de quem "chegar primeiro e pegar". Que vire EXEMPLO para os demais TRFs.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Quase 755 mil gravações com os nomes de muita gente importante...

 Delação premiada do doleiro Álvaro José Novis entrega gravações feitas durante oito anos nos esquemas da Odebrecht com políticos.

 “Advogado nem a pau”: uma súmula do CF-OAB com a cara de um estagiário safado.

 Ação judicial de Flávio Bolsonaro pretextando proteger-se de insetos, aves e maresia...

 Quando Madame Tartaruga senta num banco, para ajudar bancos...

 Quem quer ajudar o “Doutor Campari”? Ele é bacharel em direito (com ´d´ minúsculo...).

Vem aí a nova versão do BacenJud

•   Ela será implementada com recursos (R$ 2 milhões) obtidos de dinheiro recuperado da roubalheira flagrada pela Lava-Jato.

•   Mas o sucesso para apertar caloteiros dependerá também de algumas mudanças nas posturas jurisdicionais.

•   Travesti presa e condenada – por sucessão de furtos – obtém o direito de pernoitar na ala feminina do Presídio Estadual de Cruz Alta (RS).

•   Alteração no Código Civil proíbe casamento de menores de 16 anos.

•   No Brasil, atualmente, existiriam cerca de 88 mil meninos e meninas - com idades entre 10 e 14 anos - em uniões consensuais, civis e/ou religiosas.

•   Mudanças nos estatutos do Grêmio para permitir a candidatura de Romildo Bolzan à segunda reeleição.

Os dias de intensa provação da mais famosa Miss Brasil de todos os tempos

• Martha Rocha anuncia nas redes sociais que foi morar numa casa de idosos por questões financeiras. Mas não se sente humilhada.

 O lançamento da picape 3100, da Chevrolet, com duas polegadas a mais.

 As mudanças na Editora Abril e a proibição de a revista Veja ser vendida para entidades religiosas ou políticas.

 A silenciosa gaúcha Rosa Weber é quem mais recebe e-mails no STF.

• Elas vêm chegando: desembargadoras no TJRS já são 40.

Sono, risos, choro... e não é samba de carnaval!

 Na ação que condenou Ricardo José Neis pelo múltiplo atropelamento de ciclistas, um recurso do réu aborda o sono de uma jurada e os risos (com choro) de um dos jurados. O crime ocorreu em fevereiro de 2011.

 Evo Morales, meia-volta! Deputado réu de ação popular desiste da concessão do Mérito Farroupilha ao presidente da Bolívia.

 Um erro federal de juiz e servidores: a penhora do bem de um homônimo que nada tinha a ver com a dívida.

 Uma interessante inovação da jurisprudência: a aplicação da teoria do adimplemento substancial.

Sérgio Cabral (197 anos de cadeia!) diz que o apego dele ao dinheiro é “um vício”

 A cleptomania. Quem conhece bem o ex-governador do Rio de Janeiro já vaticina que ele está preparando terreno legal para ter as penas diminuídas.

• A falsa legalidade da Unimed na tentativa de rescindir contratos de saúde com idosos.

• Futebol jurídico-policial no Inter: Ministério Público está de olho em três jornalistas.

 Os bastidores de “O Sétimo Guardião”, novela da Globo.

Projeto de lei do deputado Sebastião Melo (MDB) acaba com a “indústria do guincho”.

•  A rica empresa paulista (com seus produtos vendidos em 60 mil farmácias brasileiras) foi quem contratou o voo (irregular) em helicóptero que não podia transportar passageiros.

•  Projeto do deputado Sebastião Melo (MDB-RS) acaba com a “indústria do guincho”.

• José Dirceu está convidando para a festa de seu 73º aniversário, em março. Seria seu “último baile”?...

•  Para futura homenagem no Maracanã, Ronaldinho Gaúcho descarta camiseta de clubes brasileiros (inclusive Grêmio). Ele prefere o Barcelona.