Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU



 Sem honorários sucumbenciais

A remuneração de servidores públicos deve ser fixa, e qualquer adicional de subsídio é inconstitucional. Por isso advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

Tal tese, ainda em discussão no Órgão Especial do TRF da 2ª Região (RJ-ES), já tem maioria de votos. Nove desembargadores votaram declarando a inconstitucionalidade do artigo 85, parágrafo 19, do CPC, que determina o pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos em processos que tiverem a União, ou suas autarquias e fundações, como parte.

O desembargador Messod Azulay pediu vista dos autos e interrompeu o julgamento. Faltam apenas o voto dele e de mais um desembargador. E já votaram os desembargadores Marcelo Pereira da Silva (relator), Luiz Paulo Araújo, André Fontes, Vera Lúcia Lima, Antonio Ivan Athié, Sergio Schwaitzer, Poul Erik Dyrlund, Guilherme Couto e Nizete Lobato Carmo.

O Órgão Especial é formada por 14 desembargadores, mas o julgamento foi iniciado e interrompido com a presença de 11 magistrados – e esse é o quórum.

Além de entender pela inconstitucionalidade do dispositivo, Marcelo Pereira da Silva ordenou a remessa das peças processuais para o Ministério Público Federal se manifestar sobre possível prática do crime de patrocínio infiel por parte de advogados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A previsão do pagamento de honorários de sucumbência a advogados públicos federais foi fruto de uma demorada - e tensa - negociação entre a Advocacia-Geral da União e as entidades de classe de seus membros. Eles queriam aumento salarial, mas o governo era contra, por causa da pressão orçamentária que o reajuste traria.

O desembargador federal Marcelo Pereira da Silva, relator, iniciou seu voto destacando o conflito entre o interesse público e o particular. Citou caso similar no qual alertou que os “representantes judiciais da autarquia passaram a defender nos autos os seus próprios interesses em detrimento dos interesses do órgão público cuja defesa deveriam, por dever de ofício, promover”.

No entendimento de Silva, os artigos que garantem o pagamento de honorários a advogados públicos e procuradores ferem o regime de subsídio estabelecido pela Emenda Constitucional nº 19/1998. A conclusão do julgamento fica para fevereiro de 2019. (Proc. nº 0011142-13.2017.4.02.0000).

 Bye, bye Brasil...

A parcela de brasileiros que gostaria de mudar de país foi de 29% em 2017 — quase o dobro do que a do mundo – que é de 15% - mesmo com toda a crise internacional dos refugiados.

O povo brasileiro que até 2012 estava entre os 20 mais apegados à terra natal, migrou para o lado oposto. Uma pesquisa da FGV Social revela que agora quase 30% da população tem vontade de se mudar. O maior sonho dos que querem se mudar aponta para EUA e Portugal.

Mas o país onde o desejo de emigração é maior (50%) é a Venezuela, engolfada pela ditadura.

Um outro estudo da FGV também mostrou que “68% se sentem inseguros em andar à noite na área de moradia no Brasil”.

O FGV Social anuncia que tem como missão “contribuir para o desenvolvimento inclusivo brasileiro, conectando a pesquisa aplicada ao debate na sociedade e à implantação de políticas públicas”.

 Direito, cinco anos

O Ministério da Educação homologou parecer do Conselho Nacional de Educação que mantém a formação dos cursos de Direito em cinco anos. Havia movimento de algumas faculdades querendo reduzir a cronologia dos cursos para três anos.

Doravante, os estudantes que ingressarem contarão, obrigatoriamente, com mais duas disciplinas: Direito Previdenciário; Mediação, Conciliação e Arbitragem.

Além disso, as faculdades podem inserir no projeto pedagógico, a seu critério, outras matérias: Direito Eleitoral, Direito Digital, Direito Ambiental, Direito Desportivo, Direito da Criança e Adolescente, Direito Agrário e Direito Portuário.

 

 Fim do privilégio?

A Corte Especial do STJ travará nos próximos dias, ainda antes do recesso, uma discussão que pode causar polêmica.

Em uma questão de ordem, o ministro Luis Felipe Salomão vai suscitar a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.12.18 | 10:32:17

Sobre os honorários sucumbenciais para a AGU, sensata a decisão do TRF da 2ª Região. Afinal eles são pagos com dinheiro público. Se alguém tiver direito à sucumbência, que seja a UNIÃO. Afinal, lidamos com direito PÚBLICO. E dinheiro público, não é de quem "chegar primeiro e pegar". Que vire EXEMPLO para os demais TRFs.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Ação do presidente nacional da OAB contra Bolsonaro no STF

· A interpelação será para que o presidente diga o que sabe "sobre a morte de Fernando Santa Cruz, ocorrida em março de 1974”.
· Justiça nega autorização para que Eduardo Cunha vá ao casamento da filha.
· Por que os árbitros de futebol não estão mais usando o spray no local da barreira?
· EUA vão retomar as execuções da pena de morte.

Arte de Camila Adamoli

“Sem advogado não há justiça”

 

“Sem advogado não há justiça”

 Tal frase, criada pelo advogado Oswaldo Vergara em 1967, é o dístico da medalha que homenageia profissionais com notabilidade de serviços à classe advocatícia.

  Sessão Magna da Advocacia será no dia 9 de agosto.

  Impasse em ação bilionária da Varig. A massa falida cobra R$ 6 bilhões; a União diz que a condenação foi de R$ 3 bilhões.

  A cada semana, o crescimento da superioridade feminina na advocacia gaúcha: elas já são 42.078; eles, 41.997.

  Ataques também contra os telefones de Jair Bolsonaro.

GPS Life Time

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 O texto disciplina o uso de equipamentos não letais pelo docente nos estabelecimentos de ensino da rede pública e privada em todo o território nacional. E altera o Estatuto do Desarmamento, para dispor sobre “armas de incapacitação neuromuscular”.

 Rugas de preocupação para quem se cadastrou no FaceApp.

  Advogadas já são 67 a mais do que os advogados na OAB-RS.

  Cabimento de ação autônoma para a definição e cobrança de honorários advocatícios sucumbenciais, caso a decisão transitada em julgado seja omissa.

Arte de Gerson Kauer sobre imagem Freepik

Discrepância estatística sobre o número de advogadas gaúchas

 

Discrepância estatística sobre o número de advogadas gaúchas

 Dados oficiais do CF-OAB revelam que, esta semana, a vantagem do gênero feminino cresceu mais um pouquinho.

 Contagem feita pela OAB-RS revela, porém, supremacia quantitativa masculina: 40.893 x 37.747.

 Condenação da Volkswagen do Brasil por determinar que empregado começasse a jornada indo ao refeitório para jantar.

 Comissão indevida quando negócio imobiliário se desfaz por culpa do corretor.

 Em busca de emprego, 93% das pessoas com diploma de curso superior admitem ganhar menos.

Imagem Freepik – Edição Gerson Kauer

   Mulheres já são maioria na advocacia gaúcha!

 

Mulheres já são maioria na advocacia gaúcha!

• Na sexta passada (12) elas passaram à frente na estatística do RS: são 41.967 a 41.949.

 Nacionalmente, o aperto financeiro da advocacia: número de profissionais inadimplentes com a anuidade à OAB é de 516 mil.

• O crime compensa: Antonio Palocci passa, em setembro, para o regime aberto.

 Do bloqueio judicial de R$ 128 milhões do ex-ministro, só R$ 61 milhões foram constritos.

Imagem: Freepik / Edição: Gerson Kauer

Crime de adulteração dentro do próprio Poder Judiciário

 

Crime de adulteração dentro do próprio Poder Judiciário

· Escrevente da Vara de Família de Alvorada (RS) chegou a ser preso preventivamente, foi solto por decisão do STJ e restou exonerado pelo TJ gaúcho.
· Fraude dos alvarás tem mais quatro réus. E uma ação de improbidade administrativa tramita sob sigilo por decisão judicial.
· O novo ataque (ou atraque) de políticos ao bolso dos cidadãos que pagam as contas da Nação.
· E a curiosa possibilidade brasiliense da reencarnação do boi...