Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

O voto e a matemática



http://dukechargista.com.br/

Imagem da Matéria

PONTO UM:

Nesses dias de diplomação dos candidatos eleitos em 2018 - solenidade que encerra a atividade conduzida pela Justiça Eleitoral e prepara os próximos passos, como a posse e o início do exercício do mandato - será aplicada, pela vez primeira, uma significativa alteração no sistema proporcional, atingindo a distribuição das cadeiras a serem ocupadas pelos deputados estaduais e federais: a cláusula de barreira dos 10%. 

É da tradição brasileira que para os cargos de vereadores, deputados estaduais e federais o eleitor, ao votar, faz duas escolhas: a do partido e a do candidato.

Não vinga, aqui, o critério modal do “tudo ou nada”, do sistema majoritário, caso dos cargos executivos e do Senado: elege-se um, em detrimento dos demais. No sistema proporcional o voto é computado duas vezes, uma para o partido, outra para o candidato.

Para se alcançar o resultado final – quem foi e quem não foi eleito – passava-se por dois cálculos: o quociente eleitoral, que se vale do total de votos válidos e o número de vagas no Legislativo, o qual serve de base para a segunda operação matemática. Assim chegava-se ao quociente partidário: tomava-se o total de votos obtidos por cada partido e dividia-se pelo quociente eleitoral.

Exemplificando: 10.000 votos válidos, 20 cadeiras = 500 é o quociente eleitoral.

O partido A alcançou 2.000 votos, dividindo-se por 500 = 4 cadeiras a serem ocupadas por esse partido, escolhendo-se para tanto os quatro candidatos mais votados.

Essa a nossa tradição até 2016!

PONTO DOIS

A nova redação do art. 108 do Código Eleitoral, porém, veio agregar o que se tem nominado de cláusula de barreira dos 10%, impondo mais um obstáculo para ser o candidato efetivamente considerado eleito.

É preciso, tomando-se o exemplo acima, que cada um dos quatro candidatos mais votados tenha, individualmente, alcançado um número mínimo de votos igual ou superior a 10% do quociente eleitoral. Assim, não basta ter o candidato alcançado a melhor condição dentro de sua legenda. É preciso também que ele, pessoalmente, preencha uma cota mínima de votos.

Assim, se dos quatro mais votados, dois alcançaram (lembrem: no hipotético exemplo o partido teve 2.000 votos) um número superior a 50 votos, estarão eleitos; mas se os dois últimos tiveram 48 ou 49 votos, cada um, nenhum desses está eleito e essas duas vagas não preenchidas serão redistribuídas e submetidas a um novo cálculo entre todos os partidos.

Embora a disposição pretendesse afastar o efeito nefasto do “puxador de votos”, exemplos históricos como o caso do deputado Enéas e do deputado Tiririca, o fato é que o novo sistema cria outras distorções e - a mais grave - despreza o voto do eleitor em favor, inclusive, daquele partido. O eleitor fez sua dupla escolha, mas o seu voto poderá ser computado para outro partido e para outro candidato.

Como justificar isso?

O tema está merecendo discussão junto ao STF em sede de ADI, mas por ora sem qualquer previsão de decisão.

Portanto, as Assembleias Estaduais e a Câmara de Deputados do próximo quadriênio serão formadas por partidos e candidatos eleitos pelo povo e outros pela matemática.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Fake news: o mal do século 21?

“Desinformação reproduzida e multiplicada em nada agrega nem ao espaço privado, nem ao público. Desinformação não constrói, desconstrói; é um mal e como tal deve ser tratada”.

A catedral famosa e a revolta contra as doações milionárias

“As obras de reconstrução, que levarão cinco anos, farão a roda rodar: empregos diretos e indiretos na construção civil e também em outras áreas serão criados, contribuindo para uma melhor divisão de rendas e para a redução das desigualdades”.

A conexão como cereja do bolo nos processos da Lava Jato

“A importância de um instituto processual no cenário judicial. Processualistas penais de plantão, a bola da vez está com Vossas Excelências, pois ao fim e ao cabo é o instituto de processo penal que vai determinar a competência, no caso concreto”.

Amigo que é amigo não "come" amiga

“A baixaria, a grosseria, a inconveniência, a ofensa, a deselegância e o machismo barato protagonizados por um desembargador do TJ de Santa Catarina”

Lágrimas de crocodilo

“A expressão significa choro fingido, falso, hipócrita, enganador. Há diferentes versões para explicá-la: 1) Os répteis ´choravam´ para atrair humanos; 2) As lágrimas decorreriam de uma reação física, após a ingestão de um animal; 3) E uma lenda medieval conta que os crocodilos costumavam chorar após devorar uma vítima”.

Caixa 2 eleitoral: crime ou castigo?

“Mantendo-se o Caixa 2 como conduta apenas moralmente questionada, novas e significativas somas de dinheiro, com origens desconhecidas podem trafegar pelas campanhas eleitorais, impunemente”.