Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/smj.jpg

“Em país nenhum do mundo, depois de observado o duplo grau de jurisdição, a execução de uma condenação fica suspensa”



Imagem da Matéria

Charge Gazeta do Povo (Curitiba)

·      Estatística (1)

Cerca de 169 mil pessoas poderiam ser libertadas nos próximos dias se a liminar de Marco Aurélio tivesse sido mantida.

Favoreceria muitos criminosos contumazes (especialmente traficantes, assassinos e ladrões), mas notadamente 166 mil pobres, anônimos, menos aquinhoados, assistidos pela Defensoria Pública ou por advogados de pouca ou nenhuma notoriedade.

·      Estatística (2)

Segundo o cérebro da Lava Jato em Curitiba, 21 dos 35 artífices do colarinho branco que estão presos em decorrência das operações e decisões que notabilizaram Sérgio Moro seriam favorecidos pelo canetaço (bem-pensado...) de Marco Aurélio Mello.

Todos são defendidos por alguns dos advogados mais bem pagos deste país.

·      Em nenhum país do mundo...

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ao requerer a suspensão da liminar proferida, sustentou que a decisão de Marco Aurélio “teria o efeito imediato de permitir a soltura, talvez irreversível, de milhares de presos com condenação proferida por tribunal”.

Além de ferir o princípio da colegialidade, a medida poderia gerar triplo retrocesso:

a) para o sistema de precedentes incorporado ao sistema jurídico;

b) para a persecução penal, que voltaria aos processos penais infindáveis, recursos protelatórios e penas massivamente prescritas;

c) para a própria credibilidade na Justiça, com a volta da sensação de impunidade.

A PGR lembrou observação da então ministra do STF Ellen Gracie, em 2005: “Em país nenhum do mundo, depois de observado o duplo grau de jurisdição, a execução de uma condenação fica suspensa, aguardando referendo da Corte Suprema”.

No pedido acolhido por Toffoli, a procuradora Dodge também menciona estudo sobre o tratamento dado ao tema da prisão após a condenação de segundo grau, por países como Inglaterra, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Portugal, Espanha e Argentina.

Conclusão: “A quase totalidade da comunidade internacional – incluindo países pioneiros na positivação e reconhecimento dos direitos fundamentais – interpreta a presunção de inocência de modo a compatibilizá-la com a necessidade de efetividade estatal na resposta ao crime”.

·      Supremo enfraquecimento

O cientista político Sérgio Abranches postou nas redes sociais – na condição de “cristão preocupado” – uma avaliação sobre a tarde de terror de quarta-feira.

Algumas palavras especialmente chamam a atenção: “na véspera do recesso” e “artifício arguto”.

“Sou favorável ao princípio do trânsito em julgado após sentença de 2ª instância. Ele nos aproxima das democracias maduras do mundo. Permite o cumprimento mais célere da pena, atende à insatisfação com a impunidade, sem ferir qualquer direito fundamental. A decisão monocrática do ministro Marco Aurélio (suspensa em seguida), na véspera do recesso, foi um artifício arguto que não se alinha com a prerrogativa da Suprema Corte de ser o recurso de última instância. Enfraquece a legitimidade do Supremo em hora delicada de nossa vida política. A decisão poderia criar atritos institucionais, entre os Poderes e dentro do Judiciário, que, dependendo de sua intensidade, tendem a agravar a crise política que vivemos” – registra o texto postado.

·      Agora férias

A Equipe Espaço Vital anuncia o início do seu descanso anual, a que todos os trabalhadores têm direito. Junto com a mensagem de melhores votos para 2019, fica o convite para o reencontro no ano que vem.

Em férias a partir da próxima semana, estaremos esperando os leitores deste saite, para os habituais encontros bissemanais, na terça-feira 5 de fevereiro de 2019.

Até lá! Aproveitem o verão!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Um novo round no enfrentamento entre OAB-RS e o juiz Guilherme da Rocha Zambrano

• Sentença proferida pela juíza federal Paula Beck Bohn condena a Ordem gaúcha a pagar R$ 10 mil ao magistrado.

 Decisão anterior do juiz federal Francisco Donizete Gomes atribuiu segredo de justiça ao feito.

 Editora Abril condenada por veiculação de anúncio sobre “sexo selvagem”.

 Certezas e dúvidas de Dilma Rousseff sobre jogos da Libertadores da América.

 Gata pode ficar em apartamento residencial, se não incomodar os vizinhos do prédio.

As contagens de Sérgio Moro: o tempo até chegar ao STF e a expansão dos seus cabelos brancos

 O ex-juiz federal está a 17 meses e meio de distância temporal da Suprema Corte. Enquanto isso, seus cabelos brancos já estão chegando.

 As quatro justificativas para que a lagosta passe a ser o novo símbolo do STF.

 Michel Temer compara a sua cela paulistana com o cárcere de Lula, em Curitiba.

 O primeiro emprego formal para o jovem brasileiro só chega, em média, aos 28 anos e seis meses de idade.

• Romero Jucá não para: ele se prepara para prestar consultoria à Confederação Nacional de Comércio.

• Ameaças de morte na Faculdade de Direito de Brasília.

 Azul faz nova oferta pela Avianca (que tem R$ 3 bilhões de dívidas).

Os 25 livros lidos por Lula que podem ajudar na progressão da pena

   São: “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa; “A Virtude da Raiva”, de Arun Gandhi; “O Alufá Rufino”, de João José Rei.

E mais outros 22.

   Mas a “rádio-corredor” da OAB do Paraná sugere que o ex-presidente seja submetido a uma prova objetiva com 100 perguntas, nos mesmos moldes do Exame de Ordem.

A surpresa no cardápio da gastronomia oficial do STF

As críticas das redes populares sobre as mesas fartas de comes e bebes pretendidas pela presidência do Supremo.

 Decisão judicial apelidada de “moqueca jurídica salgada” suspende a “farra das lagostas”.

• A maldição da camiseta 22 no Grêmio.

 De novo, a American Airlines espezinha clientes brasileiros.

 Nos Correios, um chefe para cada dois servidores.

Sucatas aéreas nos céus brasileiros – como já disse o ex-prefeito José Fortunati

 Antes do voo direto do Rio para os EUA, um ´chá-de-banco´ que durou compulsórias 14 horas. Com um prêmio de consolação: um voucher de 12 dólares para que os passageiros que perderam as conexões pudessem pagar o jantar e o café da manhã...

  A grande empresa estadunidense que tem a maior frota do mundo (1.579 aeronaves), trata passageiros brasileiros como se fossem índios tupiniquins.

  Entrementes, o STF abre a licitação para a farra das lagostas.