Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Operação Papai Noel



Arte EV sobre foto People/HowStuffWorks

Imagem da Matéria

Anos passados, sempre em dezembro, perto do Natal, a polícia noticiava à população que iniciaria a Operação Papai Noel. Os desavisados, ou mais moços, devem indagar: o que o bom velhinho tem a ver com uma operação policial?

Nada!                           

Como na época não havia cartão de crédito ou débito nas carteiras, elas eram recheadas de dinheiro para custear as compras dos presentes. A operação era singela, pedestais eram colocados nas principais ruas do comércio, onde brigadianos permaneciam fazendo uso de binóculos, vigiando conhecidos punguistas.

Bater carteiras era uma arte, hoje em extinção, que o diga a Petrobras.

Aliás, nesse quesito devo ter sido uma das últimas vítimas. Estava entrando no Mercado Público, quando uma mão invadiu e saiu do meu bolso, com velocidade de fazer inveja ao The Flash. Ainda consegui olhar o autor, um homem de idade, tal como eu, cabelos brancos e alguma dificuldade de evadir-se na multidão.

Pois bem, lembrei da tal Operação Papai Noel, quando - escutando as primeiras notícias de ontem - , tomei conhecimento de uma operação do Ministério Público, com busca e apreensão de documentos na casa dos apontados como autores de irregularidades na gestão Piffero.

De um lado uma tremenda vergonha, pois nada mais sobra imune às irregularidades administrativas no nosso Brasil. Poderiam ter poupado o nosso Inter, mas desconfio que sequer colorados são.

De outro, fiz uma rápida busca na memória para lembrar de tantos outros casos havidos nos demais clubes.  Aí, senti orgulho do Colorado, vamos atrás, vamos buscar responsabilidades e exigir punição e ressarcimento. Vamos tornar público para que ninguém mais faça isso, em homenagem a tantos e tantos anônimos que choram com lágrimas do coração pelos nossos eventuais fracassos.

Festejei o fato de agora terem chegado no futebol. Agora, vem peixe grande na rede.

Não quero ser vaidoso, mas li uma mensagem nas redes sociais que, por tudo que passei quando denunciava o que não havia provas, faço questão de reproduzir:

“... A propósito, verdade seja dita, o Siegmann avisou, hein...
Antes das eleições que elegeram o Piffero, lembro de ter ouvido
uma entrevista do Siegmann na Gaúcha, onde ele alertou
para tudo isso que aconteceu. Na época pareceu politicagem,
mas depois se viu que era verdade. (ass.: Luciano Pugliessi).

A Operação Papai Noel voltou com força. Fica uma pergunta: quem tem Mundial FIFA usufrui de cela especial?

Bem, desejo a todos, independentemente da coloração clubística, um Natal de harmonia e paz e um Ano Novo repleto de alegrias e esperanças.

Com as férias coletivas da Equipe Espaço Vital, despeço-me convidando-os a um reencontro aqui mesmo. Até o dia 8 de fevereiro de 2019!


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A covardia é irmã gêmea da arrogância

“Com virose ou sem virose, o Gre-Nal de domingo passado (17) foi o da covardia e da renúncia. Mas registro a minha satisfação com o jovem Nonato; ele revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. A expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo”.

A noite NÃO e a noite SIM

O futebol é mágico, porque uma das suas características é a da impossibilidade de qualquer previsão ou prognóstico seguro.

Pato Abbondanzieri no Internacional e a Libertadores

“Foi uma das figuras mais extraordinárias que conheci no Inter: inteligente, dedicado e talentoso. Também relembro Don Jorge Fossati, também acima de tudo um cidadão e que ousou disputar o fechadíssimo mercado de trabalho dos treinadores de futebol brasileiros”.

A necessária pacificação no Inter e a proximidade da Libertadores

“O elogiado exemplo gremista: o presidente Romildo Bolzan marca a sua gestão pela inclusão. No Inter, há aversão à pacificação. Mas vejo um nome: José Aquino Flores de Camargo, experiente na direção anterior de outras entidades, todas plurais”.

Que Roberto Melo mude, ou desça da barca!

A surrada tática de “encher linguiça”, praticada pelo vice-presidente de futebol do Inter. A demonstração de uma capacidade minúscula de compreender a dimensão do seu cargo.

Triste madrugada foi aquela...

“Revolta pela forma irresponsável e criminosa como as coisas do futebol são tratadas. A existência de endividamentos astronômicos dos clubes na contratação de profissionais, em contraste com a espelunca destinada àqueles meninos que representam o que de mais lindo há no futebol, a pureza”.