Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

O Incrível Hulk é azul, ou vermelho?



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.969
bencke@benckesirangelo.com.br

Conta-se que na cidade marciana de Forno Alegre existiam dois grandes times de futebol. Um azul, o outro vermelho - como eram as cores dos habitantes da cidade. Ambos disputavam o campeonato intergaláctico, mas a disputa maior, pau a pau, ocorria mesmo na cidade de origem.

Quando disputavam o clássico Zul-Ver era comum um admirador de um, ou outro, servir de árbitro. Os vermelhos eram isentos, imparciais, assim vistos pela imprensa local. Os azuis costumavam admirar os vermelhos e faziam questão de mostrar que não eram azuis.

Para apitar, seguidamente convocavam um rapaz alto, forte, espadaúdo, loiro e de olhos claros que era muito considerado, tanto que arbitrava outros grandes jogos do campeonato intergaláctico.

Nascera azul, mas quando pegava o apito para trabalhar no clássico Zul-Ver transformava-se - tal qual o ator Bruce Banner - no Incrível Hulk: o azul, sua cor natural, virava um vermelho vivo, só para mostrar que não torcia para o azul.

Contam os mais antigos marcianos forno-alegrenses que conheciam uma história idêntica em que o famoso ex-craque Fogo Azul, que arrastava os erres das palavras, se transformava em Fogo Vermelho quando apitava o clássico.

Até que, um dia, os azulistas foram na sede do clube e queimaram sua foto de ídolo. Com fogo vermelho.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).

Arte de Camila Adamoli

Uma isca para fazer gastar

 

Uma isca para fazer gastar

“Muitos saites e vendedores criam ofertas intermediárias para confundir. O efeito? Você gasta mais achando que levou vantagem”. Isso acontece com pipocas, bicicletas, micro-ondas, televisores, tênis, roupas, computadores, etc. Artigo de Samy Dana, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas

Amarildo.wordpress.com.br

Plebiscito anticorrupção

 

Plebiscito anticorrupção

“Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 ´tradicionais´ partidos do célebre quadrilhão  barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes”. Artigo do jurista Modesto Carvalhosa.

Chargista SponHolz – www.humorpolitico.com.br

A Justiça que nunca acaba

 

A Justiça que nunca acaba

“Na Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França e Inglaterra, por exemplo, a sentença de primeira instância é suficiente para levar o cidadão à prisão. No Brasil, o caso Lula parece ser infinito. Apesar de todos os pedidos da defesa do ex-presidente terem sido julgados — e derrotados — nas quatro instâncias da Justiça, não tem nada fechado de vez”. Artigo do jornalista Carlos Alberto Sardenberg.

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.