Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital

O namorado do juiz



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na comarca de entrância intermediária, um dos juízes é gay. Seu então parceiro é um técnico em informática de uma grande empresa agro comercial. Afinados, os dois homossexuais têm apenas uma única grande diferença: a questão salarial.

O magistrado tem excelente salário, engordado com os tradicionais penduricalhos. O parceiro ganha sete vezes menos.

Um dia, a empresa descobre nove desvios financeiros feitos pelo funcionário, com direcionamento a uma conta bancária do juiz. O Ministério Público de primeiro grau denuncia o namorado – recém demitido por justa causa – atribuindo-lhe “furto qualificado mediante fraude e abuso de confiança de forma continuada”. Por ricochete processual, o caso chega ao tribunal estadual, que abre procedimento investigatório contra o juiz.

Em depoimento, o magistrado nega participação nos ilícitos, dos quais “sequer sabia a existência”. E sustenta que, durante os quatro anos de namoro, “a diferença de renda entre nós foi um complicador no relacionamento afetivo, já que ambos nos consideramos homens de perfil muito autônomo’’. Mas o juiz reconhece que não se importava em pagar, sozinho, “as despesas maiores e extras, pois era um prazer viajar, passear, jantar em bons restaurantes, ir a festas, comprar roupas e calçados para nós dois”.

Também admite que ambos tinham acertado “uma solução intermediária consensual”. Por ela, o namorado devolveria o dinheiro ao juiz “quando pudesse”...

O magistrado investigado se diz surpreso ao ser informado de que as transferências à sua conta bancária tivessem advindo da empresa onde trabalhava o então namorado. E desfia uma explicação: “Ele sempre comentava comigo que recebia, por fora, pagamentos de valores devidos, bem como prêmios por participação nos resultados”.

A Procuradoria-Geral da Justiça dá realce a que “o denunciado namorado, ao confessar a prática dos ilícitos penais, salientara que o magistrado nada sabia sobre a origem das subtrações”.

O desembargador relator acolhe: “Se todos os elementos do processo atestam a falta de ciência do juiz investigado, não se pode dar sequência à persecução penal contra ele”.

E afinal, o Órgão Especial do TJ – palco do foro privilegiado – conclui que “receber depósitos em conta bancária, fruto de crime, não torna o favorecido, automaticamente, cúmplice de ilícito, especialmente se o destinatário não tinha consciência de que os valores eram produto de atos criminosos”.

Assim, o caso é arquivado. Unânime.

>>>>>>>>>>
Quem gosta de Antologia Portuguesa sabe que conto-da-carochinha é “uma narrativa fictícia, onde todos se encontram no mundo do faz de conta”. Cada história tem sua ética ou moral a ser refletida e utilizada, com situações e/ou personagens imaginários.

Mas, às vezes, há carochinhas reais. Ao invés de Chapeuzinho Vermelho, Lobo Mau e uma refeição indigesta, os personagens são um magistrado e seu namorado; e o componente financeiro é um rendoso desfalque de R$ 26 mil. Tudo com trânsito em julgado.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.