Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

A vida era. A lama da Reforma Trabalhista a engoliu



Arte de Camila Adamoli sobre foto BBC.com / Google Imagens

Imagem da Matéria

Por Ingrid Renz Birnfeld, advogada (OAB-RS nº 51.641)
ibirnfeld@gmail.com

Estamos todos consternados com a tragédia causada pela mineradora Vale, na cidade de Brumadinho (MG), que resultou na morte de provavelmente mais de 300 pessoas, dentre as quais inúmeros trabalhadores da própria empresa ou de terceirizadas que para ela prestavam serviços.

A tragédia reacende a discussão sobre a limitação trazida pela Reforma Trabalhista quanto às indenizações por dano moral. A nova lei incluiu na CLT artigos específicos sobre o dano extrapatrimonial, antes enfrentado pela Justiça do Trabalho à luz da Constituição Federal, do Código Civil Brasileiro e do Código de Defesa do Consumidor. Os bens objeto de proteção foram expressamente arrolados, foi previsto o dever de também o empregado indenizar o empregador quando a ele causar dano, critérios objetivos foram estabelecidos com o objetivo de cercear a liberdade de julgamento e minimizar o subjetivismo (leia-se “ativismo”) dos juízes. E, em especial, foi introduzido o art. 223-G, que estabelece limites máximos indenizatórios, de acordo com o grau da lesão sofrida.

No caso da tragédia provocada pela Vale, vou me ater, exclusivamente, ao §1º, inc. IV, do art. 223-G, partindo do princípio de que o aniquilamento da vida de um trabalhador é um dano de natureza gravíssima. Não vou, portanto, aqui, tratar das centenas de trabalhadores que felizmente sobreviveram ao tsunami de lama e que ficaram feridos e choram a morte de seus colegas e a miséria das suas vidas – a nova previsão legal, para esses que ainda continuam vivos, talvez enquadre suas dores como “menores”, em outros incisos/graus do §1º.

Vou, hoje, falar apenas de Marcelle, de Wanderson, de Adriano, de David e de centenas de outros trabalhadores que perderam suas vidas trabalhando para a Vale.

A vida deles era um bem imaterial de valor inestimável para eles mesmos e, parafraseando Roland Barthes, “como a morte só faz sentido para quem fica”, a vida deles é e continuará sendo um bem de valor inestimável para seus familiares, amigos e colegas sobreviventes.

Contudo, segundo o olhar do legislador reformista, essas vidas ceifadas – e, portanto, a significação delas para aqueles que ficam -, têm um preço. É que o §1º, inciso IV, estabeleceu que as lesões de natureza gravíssima podem gerar indenizações por dano moral de, no máximo, até 50 salários contratuais do empregado.

Significa dizer que Marcelle, Wanderson, Adriano e David e seus colegas têm um preço: se estamos de acordo que a Vale merece punição máxima porque tirar a vida de um empregado é ato gravíssimo, multipliquemos os salários de cada um deles por 50, e eis aí o “valor” desses trabalhadores; na verdade, eis aí o “preço” da vida deles: um quantum facilmente auferível, um risco perfeitamente projetável e gerenciável, mais ainda para uma grande empresa como a Vale, com um imenso fluxo de caixa.

Mas e se Marcelle, Wanderson, Adriano e David ganhavam salários diferentes, significa dizer que, ceifados pela mesma lama tóxica e pela mesma ganância e irresponsabilidade, seus sucessores serão indenizados com quantias diferentes.

Mas a vida não é um bem de valor inestimável? Não somos todos iguais perante a lei?

A vida era. A lama da Reforma nos engoliu.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Henrique Júdice Magalhães - Advogado 07.02.19 | 16:46:02
2 - Digo isso partindo da única leitura do art. 223-G § 1º que me parece cabível: a que considera o teto indenizatório de cada categoria de dano como piso implícito da imediatamente superior. Certamente, o que está na CLT pode ser aperfeiçoado: explicitar esses pisos e adotar outra referência que não o salário seriam as medidas mais urgentes. Mas voltar à discricionariedade absoluta dos juízes não seria uma solução, e sim um problema maior.
Henrique Júdice Magalhães - Advogado 07.02.19 | 16:40:07
1 - Dra Ingrid, deixo aqui uma respeitosa discordância. Primeiro, o tarifamento inserido na CLT não abrange casos de morte, conforme a lista de bens jurídicos da pessoa física aos quais ele se aplica (art. 223-C). Segundo, embora o salário seja um mau parâmetro (melhor seria usar o teto do RGPS, como se fez na vigência da MP 808), o tarifamento ensejará, em mais de 90% dos casos, indenizações superiores às ditadas pelo "livre convencimento" dos juízes de 1o e 2o graus da 4a região
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A advocacia além do litígio

“O Brasil é um país tomado de profissionais com formação jurídica. Só advogadas e advogados somos mais de um milhão, cerca de cem mil no RS. Nos pampas gaúchos temos cerca de 17 mil policiais militares e 7 mil policiais civis. Refiro estes números para termos ideia da reestruturação social que se implantou nas últimas décadas, onde o litígio processual tornou-se o meio corrente de resolver todo e qualquer conflito social”. Artigo do advogado Alexander Luvizetto.

Imagens Google

Beijo roubado configura o crime de estupro?

 

Beijo roubado configura o crime de estupro?

“A jurisprudência do STJ vem decidindo que devem ser considerados ´ato libidinoso diverso da conjunção carnal´ não apenas os atos invasivos, mas também outras condutas que deixem claro o propósito lascivo do agente”. Artigo do advogado Mackysuel Mendes.

Arte de Gerson Kauer

A farsa da Kronenbier e a ressaca judicial

 

A farsa da Kronenbier e a ressaca judicial

“Vendida como sendo ´sem álcool´ - o que era propaganda enganosa para iludir consumidores – a bebida teve sua derrota final confirmada pelo STF, após 15 anos de demandas judiciais. Entrementes, na 15ª Vara Cível de Porto Alegre, para onde retornaram os autos, a simples juntada de uma petição leva 60 dias”. Artigo do advogado Francisco Antonio Stockinger.

TRT- 4 confunde direito material com processual

“Há coisas que só a Justiça do Trabalho nos proporciona.  São mais de 20 anos de atuação, desde a época de estagiário, em que ainda tínhamos juízes classistas e as Juntas de Conciliação e Julgamento. Não foram poucos os absurdos presenciados nesses anos”. Artigo do advogado Marcelo Felix Oronoz.