Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

CNJ afasta magistrado por assédio moral e sexual



Arte de Camila Adamoli sobre foto meramente ilustrativa de Visual Hunt

Imagem da Matéria

O Conselho Nacional de Justiça abriu um processo administrativo disciplinar contra o juiz Glicério de Angiólis Silva e o afastou das funções para apurar se ele assediou - moral e sexualmente - servidores (as) e estagiárias de sua vara, na comarca de Miracema (RJ).

De acordo com depoimentos dos funcionários, o magistrado fazia comentários íntimos sobre as roupas das subordinadas, tratava alguns funcionários de maneira desrespeitosa e chegou a convidar uma estagiária “para sair, pedindo-lhe uma foto de biquíni”.

O TJ do Rio de Janeiro chegou a investigar o caso, mas arquivou a representação formulada pelo Sindicato dos Servidores do Judiciário do RJ. O CNJ retomou o caso ao acolher pedido de revisão disciplinar, apresentado pela entidade sindical.

Agora, será aprofundada a análise do caso no PAD, instaurado na terça-feira (5) por decisão favorável de 13 conselheiros e contrária de outros três integrantes do CNJ.

A relatora, desembargadora Iracema Vale (oriunda do TJ do Ceará) afirmou que, diante do relatório da corregedoria do TJ-RJ e dos depoimentos prestados pelos funcionários, a abertura do procedimento é necessária.

“Impositiva a instauração de PAD para apuração aprofundada das condutas do magistrado, quais sejam: assédio sexual em face de estagiária consubstanciado no comportamento pouco respeitoso de paquera e aproximação com outras estagiárias, inclusive em público, tendo rumores e comentários desvairosos sobre o juiz, e assédio moral contra servidores, consubstanciado no fato que tratava com desrespeito os funcionários e advogados“ – afirmou a relatora.

Além disso, a conselheira destacou que também há a informação que o magistrado atuou na Corregedoria do TJ-RJ, para interferir na instrução processual “na tentativa de barrar o avanço da investigação”.

Fernando Mattos, juiz federal do TRF da 2ª Região, no entanto, defendeu que deveria prevalecer a decisão do TJ-RJ de arquivar o procedimento. “Digo isso por razão bastante singela. A cópia integral do procedimento do tribunal estadual mostra, como bem disse advogado da tribuna, que quem instruiu o caso foi uma juíza auxiliar da corregedoria e que ela verificou que não houve assédio do magistrado. Talvez o comportamento fosse ali um pouco inadequado e tudo, mas não houve assédio, pretensão de obter vantagem. Inclusive, as estagiárias continuaram trabalhando no mesmo lugar” - afirmou.

O conselheiro Valtércio Ronaldo de Oliveira (do TRT da Bahia) também votou para manter o arquivamento do caso. Ele pretendeu justificar que, “às vezes, as pessoas brincam com estagiários ou funcionárias, mas sem querer levar isso mais adiante”.

Ele complementou que “para que haja assédio sexual tem que haver conduta mais incisiva, mais contundente, e inclusive, não houve uma aproximação mais contundente”.

A desembargadora Daldice Santana (do TRF da 3ª Região) no entanto, destacou que os depoimentos relataram que as estagiárias se disseram constrangidas com os episódios e viu confirmado que, em um caso, o juiz Glicério chegou a pedir uma foto de biquíni para a subordinada. “Estamos fazendo um trabalho de educação de gênero aqui no CNJ muito forte. E a gente não consegue atingir a Casa, seus próprios membros”, lamentou.

O conselheiro Luciano Frota seguiu a mesma linha: “Esse é um dos poucos casos, quando se trata de assédio sexual, que se conseguiu tantos indícios para poder abrir o PAD. Geralmente, essas questões ficam muito na intimidade e é difícil colher indícios. Nesse caso, não, pois os indícios são muito grandes”.

O ministro do TST Aloysio Corrêa da Veiga também votou vencido. (RD nº 0003307-30.2016.2.00.0000 - Com informações da Agência CNJ de Notícias e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novo presidente do TRF-4 assume exaltando tom conciliador

O desembargador Victor Laus citou o Papa Francisco. "O sumo pontífice defende que construamos pontes, não muros. De modo que a exaltação de ambos os lados, o desrespeito à privacidade e o estímulo às polêmicas sem fim devem ser deixados para trás”. O ministro Sérgio Moro esteve presente. Mas o seu anunciado discurso terminou não ocorrendo.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso especial. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.

O julgamento da Lava-Jato e/ou Vaza-Jato

Conversas de Moro com procuradores e ação de hackers serão investigadas. A PF vai apurar ataque, enquanto a Corregedoria do MPF abre procedimento sobre a atuação de Deltan Dallagnol. O presidente da OAB gaúcha, Ricardo Breier, em nota, lembrou que a entidade “tem buscado – reiteradamente – a paridade das armas no processo penal”.