Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

Magistratura apoia duas das propostas de Sérgio Moro



A maioria dos juízes brasileiros está de acordo com ao menos duas das 14 propostas que fazem parte do pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro , na semana passada: o “plea bargain” (um acordo que pode ser feito entre o acusado e o Ministério Público) e a utilização mais recorrente da videoconferência em interrogatórios.

Os dados fazem parte de uma pesquisa da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), apresentada ontem (11) que ouviu mais de 3.300 dos cerca de 18 mil magistrados em atividade do Brasil, incluindo 22 ministros de tribunais superiores. Outros temas polêmicos como a antecipação do cumprimento da pena, após a condenação de segundo grau, não foram objeto da pesquisa.

“plea bargain” é endossado por 89% dos magistrados de primeira instância, 92,2% dos de segunda instância e 82,4% dos ministros de tribunais superiores, somando os que concordam “muito” e “pouco”. Nesse modelo, comum nos Estados Unidos, os acusados se declaram culpados e conseguem benefícios sem a necessidade de julgamento. As penas poderão ser reduzidas até a metade e aplicadas de imediato. O acordo precisa, no entanto, ser homologado por um juiz.

Em relação à videoconferência, o apoio foi exatamente igual entre juízes e desembargadores: 96,1%. O texto de Moro amplia as possibilidades de uso desse expediente em audiências envolvendo detentos. O objetivo é agilizar processos e desafogar os governos que não têm estrutura pra fazer escoltas.

O presidente da AMB, Jayme de Oliveira, destacou que a presença no relatório dos dois temas levantados por Moro no pacote de medidas que será apresentado em breve ao Congresso. O ministro espera apenas a recuperação do presidente Jair Bolsonaro para submeter o pacote aos parlamentares.

“As questões da videoconferência e da transação penal são anseios dos magistrados” - finalizou Oliveira.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.