Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 05 de julho de 2019.

"O uso da toga é uma tradição a ser preservada”



Chargista Angelis – Jornal O Estado de Direito

Imagem da Matéria

No verão, os advogados das cidades mais quentes pedem para ser dispensados do paletó e da gravata, indumentária que não combina com o clima brasileiro. Também não gostam de usar as becas que os tribunais lhes apresentam e que, “raramente vão a uma lavanderia” – registra a “rádio-corredor” da OAB gaúcha.

No RS, houve uma recente controvérsia sobre trajes formais, a partir de uma decisão do TRF-4 que, diferentemente do TJRS e do TRT-4, exigiu a continuidade do uso do traje formal.

A seu turno, a Associação dos Magistrados Brasileiros divulgou ontem (11), uma pesquisa realizada entre juízes, concluindo que “usar toga faz bem”.

A tabulação na pesquisa não menciona alguns componentes ímpares: os magistrados não precisam usar traje formal para se deslocar e chegar à corte; têm direito a estacionamento grátis, em geral em áreas cobertas; os foros e tribunais dispõem de ar condicionado em todas as salas e corredores.

De todos os magistrados ouvidos pela AMB, 90% deles concordam com a frase "O uso de toga/capa é uma tradição a ser preservada durante a realização das audiências". Mas só metade dos juízes de primeiro grau gosta da indumentária.

Entre desembargadores, os pró-toga são 88%. E entre ministros dos tribunais superiores, 95%.

A toga era uma peça de vestuário característica da Roma Antiga, não exclusiva dos julgadores. De início, apresentava uma forma retangular e curta. Mais tarde, passou a ser semicircular, tendo seu tamanho aumentado consideravelmente: chegou a atingir aproximadamente 6 metros no lado reto e 2 metros de largura. Por isso, era difícil de usar; assim os romanos mais ricos possuíam mesmo um escravo encarregado de ajudar nesta tarefa (ele era chamado de “uestiplicus”).

A toga era a marca distintiva do cidadão romano, sendo proibido o seu uso aos estrangeiros e escravos. As mulheres romanas também utilizaram a toga, mas gradualmente adotaram a estola (uma espécie de vestido); a partir da época da República a toga passou a ser usada apenas pelas mulheres condenadas por adultério.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novo presidente do TRF-4 assume exaltando tom conciliador

O desembargador Victor Laus citou o Papa Francisco. "O sumo pontífice defende que construamos pontes, não muros. De modo que a exaltação de ambos os lados, o desrespeito à privacidade e o estímulo às polêmicas sem fim devem ser deixados para trás”. O ministro Sérgio Moro esteve presente. Mas o seu anunciado discurso terminou não ocorrendo.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso especial. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.

O julgamento da Lava-Jato e/ou Vaza-Jato

Conversas de Moro com procuradores e ação de hackers serão investigadas. A PF vai apurar ataque, enquanto a Corregedoria do MPF abre procedimento sobre a atuação de Deltan Dallagnol. O presidente da OAB gaúcha, Ricardo Breier, em nota, lembrou que a entidade “tem buscado – reiteradamente – a paridade das armas no processo penal”.