Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,10 de dezembro de 2019.

Riscos, exageros e cautelas no aeroporto de Fernando de Noronha



Na tarde do último domingo (17), um avião da Gol foi obrigado a arremeter sua aterrissagem no aeroporto de Fernando de Noronha (PE) devido a presença de outra aeronave da Azul na pista. As imagens foram registradas por alguém que estava no aeroporto e foram disseminadas nas redes sociais. Percebem-se vozes de circunstantes parecendo expressar preocupação por um choque.

Para a Aeronáutica, as companhias aéreas envolvidas e o sindicato dos aeronautas, “a operação foi normal e segura”.

Uma aeronave Embraer 195, da Azul, havia acabado pousar em Fernando de Noronha. Ali, o aeroporto tem apenas uma pista para pousos, decolagens e o taxiamento até o terminal de desembarque. Por isso, após o pouso, a aeronave da Azul teve de ir até o fim da pista, para fazer o retorno e, após, desembarcar seus passageiros.

Nesse entretempo, o comandante do avião da Gol, que estava logo atrás e se aproximava para o pouso, percebeu que não haveria tempo hábil para que a aeronave da Azul saísse da pista antes que o seu avião tocasse o solo. O avião da Gol então arremeteu - ou seja, desistiu de um pouso, voltou a subir, fez novo giro (360 graus) de aproximação e pousou sete minutos depois.

A Aeronáutica informou que o aeroporto de Fernando de Noronha não tem torre própria, destinada a organizar o fluxo de seus aviões no solo e aqueles que estão próximos do pouso. Esse trabalho é feito por um serviço de informação de voo, que dispõe de menor autonomia.

Nessas condições, segundo João Henrique Varella, co-piloto e diretor de segurança de voo do Sindicato dos Aeronautas, “parte da operação de distanciamento das aeronaves depende dos pilotos, que se comunicam por rádio”. Ele comparou que em outros aeroportos mais equipados, a torre de controle poderia determinar para que o piloto da Gol fizesse “um 360” - que é uma volta completa.

A instalação de uma torre de comando só para o aeroporto e a construção de uma pista auxiliar para taxiamento exigem investimentos e custos de manutenção a mais. Ao que parece, até agora a Infraero não cogita isso.

Nas redes sociais

 “Noronha é uma zona. Ali não tem torre, nem controle de tráfego com radar. É só uma rádio que presta serviços de informações de voos. Não tem visão da pista nem do circuito de tráfego. Para completar as dificuldades, não há pista de taxiamento. O comandante tem que fazer o pouso, seguir até o final da pista, dar meia volta e retornar sobre a mesma pista, até a estação de embarque e desembarque”. (De um piloto comercial que voa pelo menos três vezes por mês a Fernando de Noronha).

 “Não entendi porque o comandante do Boeing da Gol não arremeteu antes – afinal, ele deve ter visto o Embraer 195 da Azul na pista”. (De um funcionário do aeroporto).

 “A arremetida é uma manobra normal e comum, sem perigo. O comandante da aeronave que vai arremeter deve fazer isso o mais cedo possível, quando percebe a ocupação da pista”. (De um piloto porto-alegrense, ouvido pelo Espaço Vital, após analisar o vídeo).

 “Não dá para saber se o comandante da Azul, já pousado, ficou fazendo marcha lenta na pista, taxiando devagar, ou se o comandante da Gol estava apressado. O melhor será que qualquer uma ou ambas as hipóteses sejam evitadas. Mas passou longe de ser um acidente”. (Do mesmo piloto).

“No vídeo parece mais feio do que foi, mas imagino que hoje mesmo as chefias de comandantes de todas as empresas que operam em Fernando de Noronha vão chamar todos os seus pilotos orientando-os sobre as cautelas e sobre o que deve ser evitado. Mas admito que o aeroporto da ilha é uma zona”. (De um comandante aposentado, da Varig).

Veja as imagens do avião da Azul taxiando após o pouso e o avião da Gol se aproximando.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Mario Capparelli - Engenheiro Mecânico E De Segurança 19.02.19 | 11:01:53

Bom dia. A titulo de esclarecimentos e colaboração, acessem o link a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=r40w1t4OQ2E . Complemento informando que sou "freguês de caderno" do EV.. Abraço a todos. Capparelli

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

 

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

Ex-presidente da Câmara de Vereadores em Esteio (RS), Fabio Battistello procurava dirigentes sindicais, valendo-se da envergadura de seu cargo e de informações privilegiadas, para oferecer serviços de “consultoria” e receber propina. Preso em flagrante, foi exonerado e já está condenado (primeiro grau) em ação penal. A suspensão dos direitos políticos é por oito anos.

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.

 

Quadro parado a partir de imagens do cinegrafista Edu Bernardes (Rede Globo)

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

 

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

O papelão feito pelo governador do Rio, Eduardo Witzel (PSC), após a vitória do Flamengo sobre o River: misturou-se a dirigentes e atletas e ajoelhou-se diante de Gabigol, que logo se afastou.  Quando era juiz federal, Witzel já teve viralizada, em telejornais e nas redes sociais, uma palestra em que ensinava a colegas uma “engenharia” para aumentar os penduricalhos.