Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Que Roberto Melo mude, ou desça da barca!



Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

Na última segunda-feira (18) realizou-se a reunião do Conselho Deliberativo do Internacional, cuja pauta principal seria a apresentação das perspectivas para o futebol em 2019. Foram mais de duas horas de uma apresentação monótona e sonolenta, pelas palavras e modo do vice de futebol Roberto Melo.

Sempre a surrada tática de “encher linguiça”, para evitar eventuais perguntas difíceis. Falou do passado, como justificativa para as dificuldades atuais. Relatou, repetindo o ano anterior, tudo o que estava sendo feito.

Muito pouco foi dito quanto ao presente e o futuro. Resumiu os prognósticos ao anúncio de que “certamente momentos melhores virão”...

A torcida conhece bem a apatia do nosso vice de futebol e, com certeza, atribui a ela uma das causas de no seu currículo no Internacional: não ter a conquista de nenhum título (nem Gauchão, nem Série B, além de ter deixado escapar o Brasileirão do ano passado).

Mas Melo está lá e de lá não sairá; ele é da confiança do esquema de controle e direção do futebol. Aquele que impera ao longo de várias gestões.

Apesar da sua responsabilização à gestão passada pelas mazelas da sua, quando instado a opinar acerca de uma circunstância específica, sacramentou: “Prefiro não opinar quanto à gestão anterior”.

Ora, mas como, se os fundamentos das suas dificuldades remanescem a gestão anterior?

A contradição é apenas aparente. É que ele, assim como tantos no Internacional blindam o último dirigente de futebol da gestão Píffero, aquele que em seis meses não demonstrou capacidade diretiva para evitar a Segunda Divisão.

Melo cumpre um papel: o de apagar da história a participação desastrosa de Fernando Carvalho. Não retiro os méritos de FC, mas a realidade é essa e não adiantam subterfúgios. Aliás, quanto aos escândalos financeiros, como se não tivesse qualquer participação diretiva, elegeu o silêncio, sentenciando que “tudo será esclarecido”...

E os contratos herdados? E a situação do vestiário? E a insatisfação dos jogadores? E a inconsistência na contratação de técnicos?

Enfim, isso está posto para o julgamento pelos torcedores, nunca esquecendo que Vitório Píffero foi eleito com o engajamento e incondicional apoio de Carvalho.

Mas a minha abordagem é outra, mesmo porque a reunião foi transmitida pela web para os sócios. Assim, não foi sigilosa.

Em um determinado momento, visivelmente agastado pelas perguntas que exigiam respostas que não foram dadas, Melo perdeu as estribeiras, despertou da anestésica sonolência e passou a adotar uma postura imprópria para um dirigente perante um órgão do clube. Já havia repetido inúmeras vezes que “não há ninguém para ajudar e há muitos para destruir”.

Ora, isso talvez revele uma crise interna, pois a expressão “ninguém para ajudar” atinge a todos os seus pares de direção e de comissão técnica.

Mesmo que assim não seja e que estivesse se dirigindo a sócios, torcedores, conselheiros e imprensa, isso demonstra uma capacidade minúscula de compreender a dimensão do seu cargo. Isso não foi ímpar, eis que logo após a sua fala, uma conselheira que pertence ao seu grupo político, ocupou a tribuna, passando a criticar a torcida que, diante de apresentações insuficientes do time, manifestam irresignação no estádio.

Mas não é só.

Abandonando o tom da cansativa apresentação, passou a afirmar: “ (...) Há quem só fale coisas ruins, quem deixe escapar da boca coisas fétidas comparáveis ao que não posso dizer aqui...”.

A partir de então o seu destempero e arrogância, constituíram um interminável mantra. Ficou tão alterado que perdeu o contato com a realidade. Aludiu de forma equivocada à lamentável situação da perda pela direção do atleta Ricardo Goulart. Sim, aquele que contava com o apoio de Paulo Roberto Falcão, amaldiçoado após a sua primeira passagem no vestiário colorado pelo deus do futebol colorado.

Bem, isso revela que a pressão é grande porque agora chegou o momento de mostrar resultados e não lamúrias. Para tanto, é imprescindível ter coragem o que parece não ser a tônica do inarredável Melo.

Que mude, ou desça da barca!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”

A covardia é irmã gêmea da arrogância

“Com virose ou sem virose, o Gre-Nal de domingo passado (17) foi o da covardia e da renúncia. Mas registro a minha satisfação com o jovem Nonato; ele revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. A expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo”.

A noite NÃO e a noite SIM

O futebol é mágico, porque uma das suas características é a da impossibilidade de qualquer previsão ou prognóstico seguro.

Pato Abbondanzieri no Internacional e a Libertadores

“Foi uma das figuras mais extraordinárias que conheci no Inter: inteligente, dedicado e talentoso. Também relembro Don Jorge Fossati, também acima de tudo um cidadão e que ousou disputar o fechadíssimo mercado de trabalho dos treinadores de futebol brasileiros”.

A necessária pacificação no Inter e a proximidade da Libertadores

“O elogiado exemplo gremista: o presidente Romildo Bolzan marca a sua gestão pela inclusão. No Inter, há aversão à pacificação. Mas vejo um nome: José Aquino Flores de Camargo, experiente na direção anterior de outras entidades, todas plurais”.