Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Nádegas generosas



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O direito de imagem pode ser ofendido com a simples divulgação não autorizada do material, sem necessidade de comprovar se houve violação à honra ou à intimidade. Com esse jurídico entendimento, o STJ condenou a editora de erótica e notória revista a pagar R$ 30 mil por danos morais a uma mulher que teve uma foto com realce de suas nádegas publicada. A autora da ação aparece vestindo um sumário biquíni, ao tomar sol em badalada praia.

A imagem traz uma sutil legenda: "Música para os olhos e o tato".

E logo o texto avança ao lado da imagem generosa:

“Meus olhos são pra ver/
Meu nariz é pra cheirar/
Minha boca é pra comer/
Meu ouvido é pra escutar /
Mas também tenho algo pra dar”.

A bela pediu indenização, sustentando ter sido “ofendida na honra, respeitabilidade e boa fama por exposição abusada em revista de notório louvor ao erotismo”.

A editora contestou sustentando que a publicação fora “elogiosa à bela mulher que exibira seu corpo em ambiente público”.

O relator do recurso especial admitiu haver, no caso, conflito entre o direito à liberdade de imprensa e à intimidade. Mas definiu que “a exibição jornalística do corpo feminino, em traje de praia, em ângulo provocante e com a utilização de dizeres em linguagem ousada, compôs um contexto constrangedor e ofensivo aos direitos da personalidade”.

E o revisor acrescentou validamente: “Não se pode deduzir que a mulher formosa, que se apresente espontaneamente de biquíni na praia, - que é ambiente adequado a tanto – tenha que concordar com a divulgação de sua imagem em revista masculina de conteúdo erótico, e tenha ainda de considerar como elogio a exposição emoldurada por texto capcioso".

Dezembro passado, ao desencadear o cumprimento de sentença, o advogado da autora apôs sutil fecho na sua petição: “Parodiando os versos brancos da malfadada publicação, a credora lembra que, agora, suas mãos são para receber”.

Semana passada a editora depositou.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!