Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

UFRGS matriculará aluno em Engenharia Civil mesmo sem conclusão de estágio em curso técnico



O TRF da 4ª Região manteve a determinação da primeira instância da Justiça Federal gaúcha de que a Universidade Federal do Rio Grande do Sul realize a inscrição e a matrícula de Fernando José Spanhol, estudante no curso de Engenharia Civil mesmo que ele não tenha concluído o estágio do curso técnico profissionalizante. O entendimento da corte foi de que “o aluno concluiu o ensino médio integrado ao curso técnico em Agropecuária e que, assim, o estágio pendente não pode impedir o seu ingresso no ensino superior”. A decisão foi proferida de forma unânime pela 4ª Turma, em sessão de julgamento realizada em 13 de fevereiro.

O estudante, residente no município de Protásio Alves (RS), impetrou um mandado de segurança contra ato praticado pelo reitor da UFRGS, buscando obter a concessão de ordem judicial para que fosse realizada a homologação de sua inscrição e matrícula na graduação em Engenharia Civil.

O impetrante alegou que foi aprovado no concurso vestibular de 2018 da instituição, com ingresso para o 2º semestre do mesmo ano. Afirmou que, após enviar os documentos exigidos para a efetivação da matrícula, a documentação foi analisada em 30 de maio pela UFRGS, que não homologou a inscrição mediante a alegação de que “o candidato não comprovou ter concluído o ensino médio”.

O estudante então interpôs recurso administrativo, juntando nova documentação, demonstrando a conclusão, junto ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), do curso técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio. Ele argumentou que o histórico escolar certifica que concluiu o curso em dezembro de 2017, sendo que na data de entrega da documentação estava pendente somente o estágio curricular supervisionado, o qual foi concluído posteriormente.

No entanto, o recurso administrativo foi indeferido pela UFRGS, com o parecer, proferido em 31 de julho, concluindo que o candidato não preencheu os requisitos necessários e não estava apto para ocupar vaga de ensino superior na instituição.

O autor recorreu ao Poder Judiciário contestando a decisão da Reitoria, sustentando que o ato praticado foi ilegal, na medida em que fere a sua liberdade constitucional individual em exercer seu direito líquido, certo e exigível de ser matriculado no curso de Engenharia Civil.

O juízo da 10ª Vara Federal de Porto Alegre, em setembro de 2018, concedeu a segurança pleiteada, para determinar à UFRGS que promovesse a matrícula do impetrante.

A universidade recorreu da sentença ao TRF-4, cuja 4ª Turma negou provimento por unanimidade à apelação, mantendo a decisão de primeiro grau. O relator, desembargador federal Luis Alberto d’Azevedo Aurvalle, destacou que “quando se trata de curso técnico integrado, em que o estudante realiza simultaneamente o ensino médio e o ensino profissionalizante, a conclusão das disciplinas do primeiro, quando pendente apenas o estágio referente ao último, não pode obstar o início da formação superior”.

O voto ainda ressaltou que os precedentes do tribunal em casos semelhantes demonstram o entendimento pela concessão do ingresso em curso superior aos impetrantes.

O advogado Genézio Rampon atuou em nome do impetrante. (Proc. nº 5044987-97.2018.4.04.7100 – com informações do TRF-4 e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.

 

Quadro parado a partir de imagens do cinegrafista Edu Bernardes (Rede Globo)

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

 

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

O papelão feito pelo governador do Rio, Eduardo Witzel (PSC), após a vitória do Flamengo sobre o River: misturou-se a dirigentes e atletas e ajoelhou-se diante de Gabigol, que logo se afastou.  Quando era juiz federal, Witzel já teve viralizada, em telejornais e nas redes sociais, uma palestra em que ensinava a colegas uma “engenharia” para aumentar os penduricalhos.