Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

A necessária pacificação no Inter e a proximidade da Libertadores



Na história do Internacional, a conquista de títulos sempre ocorreu em um ambiente de inserção de todas as forças políticas.

Muito se fala em pacificação do ´clube do povo´, mas não há dúvidas que isso somente é possível se houver grandeza, visão e generosidade por parte de quem está no poder. Há que se levar em consideração que nos clubes de futebol o ambiente político é dinâmico, influenciado que é pelos resultados de campo.

Os mesmos que votaram na atual direção, em percentual expressivo, são aqueles que hoje consideram insuficientes os passos dados para a conquista de títulos. O que até hoje testemunhamos em campo, não é um time que embale os nossos sonhos expectativas.

Mas, falando em pacificação, é importante definir responsabilidades.

Àqueles que entendem que a pacificação somente é possível com o amordaçamento ou neutralização da oposição, o troféu da mediocridade. Diversamente, a inclusão é um movimento oposto à exclusão.

Há anos a mesa do Conselho Deliberativo do Internacional, organismo que permite pelo voto direto do associado o ecoar das mais diversas posições, tem servido como extensão da administração. Prestou-se, pelos diversos presidentes do Conselho que surfaram na onda da maioria, a um alinhamento vergonhoso. Manobras descaradas, composições hegemônicas das comissões e emperramento das discussões que pudessem colocar em risco o apetite de dominação da direção.

É justamente a mediocridade que leva a esse comportamento.

Mesmo que minoria ocasional, recomenda a melhor prática a inclusão de todos, mesmo que proporcionalmente. Dividir responsabilidades é o melhor caminho para a pacificação.

O comportamento generoso de quem governa é que retira o clima de disputa permanente. Entretanto, há temperos indispensáveis: inteligência e visão deque o Internacional não é propriedade de ninguém, muito menos por hereditariedade.

Bem perto de nós, sem nenhum preconceito, existe um exemplo disso. O presidente Romildo Bolzan marca a sua gestão pela inclusão. Temos que ser modestos em reconhecer, percebendo o quanto isso é positivo para que se obtenha resultados, sejam eles administrativos, financeiros e no futebol.

Está bem próxima a eleição da mesa do Conselho Deliberativo do Inter e seria o momento de escolher um candidato que somasse e não dividisse forças. Alguém compromissado com as funções destinadas ao Conselho e, por consequência a sua grandeza.

Dentre os nomes possíveis, vejo com muita simpatia o de José Aquino Flores de Camargo, experiente na direção de outras entidades, todas plurais. Estamos diante de mais uma encruzilhada. Ou damos um passo à frente, ou ficamos no mais do mesmo.

A atual mesa do Conselho, apenas contribuiu para aprofundar ainda mais as diferenças entre situação e oposição.

Estamos diante de várias possibilidades. Campeonato gaúcho, Brasileirão, Copa do Brasil e, principalmente Libertadores.

Somente com a pacificação, sem que isso represente adesismo, poderemos seguir em frente. A oposição não pode abdicar do seu papel de fiscalização da gestão, mas precisa ser ouvida. Esse comportamento, podem ter certeza, representa muito mais do que qualquer campanha de marketing envolvendo a Libertadores.

Afinal, o que nos une é o sentimento colorado.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”

A covardia é irmã gêmea da arrogância

“Com virose ou sem virose, o Gre-Nal de domingo passado (17) foi o da covardia e da renúncia. Mas registro a minha satisfação com o jovem Nonato; ele revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. A expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo”.

A noite NÃO e a noite SIM

O futebol é mágico, porque uma das suas características é a da impossibilidade de qualquer previsão ou prognóstico seguro.

Pato Abbondanzieri no Internacional e a Libertadores

“Foi uma das figuras mais extraordinárias que conheci no Inter: inteligente, dedicado e talentoso. Também relembro Don Jorge Fossati, também acima de tudo um cidadão e que ousou disputar o fechadíssimo mercado de trabalho dos treinadores de futebol brasileiros”.

Que Roberto Melo mude, ou desça da barca!

A surrada tática de “encher linguiça”, praticada pelo vice-presidente de futebol do Inter. A demonstração de uma capacidade minúscula de compreender a dimensão do seu cargo.