Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,10 de dezembro de 2019.

Programa Veículo Legal: ideia gaúcha para uma quitação às claras



Arte de Camila Adamoli sobre fotos Visual Hunt e Camera Press

Imagem da Matéria

Foi protocolado na quarta-feira (27), na Assembleia Legislativa do RS, o projeto de lei de autoria do deputado estadual Sebastião Melo (MDB) que – imagina-se - fará a satisfação de pessoas de bem que passam por apertos financeiros e, nessa situação, tentam protelar o pagamento do IPVA e de multas. A proposta legislativa regulamentará todas as blitzes de trânsito nas cidades gaúchas e rodovias estaduais. A ideia está sendo chamada de Programa Veículo Legal.

A estrutura a ser implementada – caso o projeto se transforme em lei - compreende a disponibilização, pelo Poder Público, em blitzes e operações de fiscalização policiais e de trânsito realizadas no âmbito do Estado do RS, de ferramentas, dispositivos e/ou equipamentos que possibilitem ao proprietário ou condutor do veículo o pagamento, no ato de fiscalização pela autoridade competente, das pendências, débitos e eventuais encargos financeiros existentes no prontuário de veículo automotor no momento da abordagem.

O objetivo é evitar o recolhimento do veículo nas situações em que a autoridade constatar, como irregularidade, exclusivamente a falta de regularização documental veicular, isto é atraso no recolhimento do IPVA ou não pagamento de multas de trânsito.

Segundo o deputado Melo, a comprovação documental ou por meio hábil eletrônico, de regularização documental veicular, por meio da regularização financeira, possibilitará que o veículo automotor seja liberado na via pública, sendo desnecessários a remoção e o posterior recolhimento a um dos depósitos autorizados.

Excluem-se do disposto da pretendida nova lei os veículos envolvidos em ilícitos policiais e os com pendências judiciais.

Operacionalmente, os órgãos executivos de trânsito e rodoviário estaduais, em conjunto com a Secretaria de Fazenda do Estado -, ou outra instituição bancária credenciada/conveniada, adotarão as medidas necessárias à celeridade na implementação da cobrança de débitos veiculares pendentes, por meio de mecanismos portáteis eletrônicos para consulta em tempo real (on line).

Conheça o projeto de lei

Dispõe sobre a instituição, no âmbito do Estado do RS, do “Programa Veículo Legal” e dá outras providências.

Art. 1º - Fica instituído, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, o “Programa Veículo Legal”.

Art. 2º - O “Programa Veículo Legal” compreende a disponibilização, pelo Poder Público, em blitz e operações de fiscalização policiais e de trânsito realizadas no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, de ferramentas, dispositivos e/ou equipamentos que possibilitem ao proprietário ou condutor do veículo o pagamento, no ato de fiscalização pela autoridade competente, das pendências, débitos e eventuais encargos financeiros existentes no prontuário de veículo automotor no momento da abordagem, visando evitar o recolhimento do veículo nas situações em que a autoridade constatar, como irregularidade, exclusivamente a falta de regularização documental veicular .

Parágrafo Único - A devida comprovação documental ou por meio hábil eletrônico, de regularização documental veicular, através da regularização financeira, possibilitará que o veículo automotor seja liberado na via pública, sendo desnecessária a adoção de medida administrativa de remoção ao Depósito credenciado nos termos do parágrafo único do art. 133 da Lei Federal n.º 9.503/97 e alterações incluídas pela Lei Federal n.º 13.281/16.

Art. 3º - O Programa “Programa Veículo Legal” deverá estabelecer:

I – as ações, o cronograma e os prazos para a viabilização e implementação do Programa no Estado do Rio Grande do Sul;

II – a qualificação das autoridades policiais e de trânsito devidamente habilitadas para a execução do Programa.

III – a forma de registro a ser adotada pelas autoridades policiais e de trânsito, nas anotações constantes da ficha de ocorrência, para fins de:

a) comprovação quanto à oportunidade viabilizada ao condutor/proprietário abordado para o respectivo pagamento e regularização documental veicular, através da disponibilização de mecanismos eletrônicos de consulta veicular e de pagamento pelo Poder Público;

b) comprovação quanto a efetiva regularização documental veicular que der causa a liberação do veículo, através do comprovante de regularização financeira;

c) comprovação quanto aos motivos da não regularização documental veicular que der causa ao recolhimento do veículo.

Art. 4º - Os órgãos executivos de trânsito e rodoviário estaduais, em conjunto com a Secretaria de Fazenda do Estado – SEFAZ - e o Banco do Estado do Rio Grande do Sul -, ou outra instituição bancária credenciada/conveniada, adotarão as medidas necessárias à celeridade na implementação da cobrança de débitos veiculares pendentes, através de mecanismos portáteis eletrônicos para consulta em tempo real (on line), com a disponibilização das ferramentas, dispositivos e equipamentos aos órgãos de fiscalização, além da integração de dados em plataforma pública informatizada, a ser desenvolvida pela Companhia de Processamento de Dados – PROCERGS, ou por outra entidade de processamento de dados credenciada/conveniada, disponibilizada aos órgãos integrantes do Sistema Integrado de Trânsito - SIT - sob a coordenação do Departamento Estadual de Trânsito – DETRAN/RS.

§ 1.º – O mesmo procedimento de cobrança de débitos infracionais e de multas de trânsito vencidas será aplicado na fiscalização dos veículos estrangeiros em circulação na circunscrição do Estado do Rio Grande do Sul.

§ 2.º- A PROCERGS, ou outra entidade de processamento de dados credenciada/conveniada, poderá desenvolver sistema informatizado para integração de dados financeiros e veiculares visando a comprovação das situações documentais veiculares e a sua integração dos equipamentos portáteis, compatíveis com o sistema informatizado dos órgãos financeiros aptos a receberem os respectivos pagamentos.

Art. 5º - Excluem-se do disposto nesta lei os veículos envolvidos em ilícitos policiais e os com pendências judiciais.

Art. 6º - Fica estabelecido o prazo máximo de até 6 (seis) meses para que seja implementado, em definitivo, o “Programa Veículo Legal” no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul.

Art. 7º - O Poder Público poderá firmar convênio visando a implementação dos preceitos desta Lei.

Art. 8º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Porto Alegre, 26 de fevereiro de 2018.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um decreto presidencial derruba 323!

As normas são do período de 1918 até fevereiro de 2019, ao longo de 101 anos de República e deixarão de existir no próximo dia 17 de agosto.

Nova norma altera dispositivos das Lei das Sociedades Anônimas

Lei federal nº 13.818, ontem publicada, dispõe sobre as publicações obrigatórias e amplia para R$ 10 milhões o valor admitido de patrimônio líquido para que a sociedade anônima de capital fechado faça jus ao regime simplificado de publicidade de atos societários.

Liminar suspende obrigatoriedade de bombeiros civis em shopping

A lei municipal - sancionada pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior - estabelece como “obrigatória a contratação de equipes com profissionais habilitados para o combate a incêndio” em estabelecimentos com capacidade de lotação mínima de 400 pessoas, ou de mil pessoas, no caso de ´campi´ universitários.