Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 17 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Caixa 2 eleitoral: crime ou castigo?



Chargista Elvis

Imagem da Matéria

Uma das obras clássicas na literatura mundial que conta a história de um assassino é o romance “Crime e Castigo”, de Fiódor Dostoievski, mas o drama vai além disso, tornando-se um ensaio da natureza humana, adentrando em meandros psicológicos: a racionalização que o autor do crime desenvolve, onde vítima e algoz se confundem, tentando superar sua consciência, e explorando temas como legalidade versus moralidade.

Pois bem. Recentemente, o ministro da Justiça Sérgio Moro, considerando o pacote anticrime por ele elaborado, tentou explicar que o Caixa 2 eleitoral não é crime de corrupção, porque não envolve contrapartida, embora reconheça a prática como grave, daí porque excluído do referido projeto.

Que não é crime de corrupção, todo mundo está cansado de saber, porque não se encaixa no tipo penal da corrupção, seja ativa, seja passiva.

Mas a questão não é essa: o fato é que o Caixa 2 na campanha eleitoral, em passado recente quando as pessoas jurídicas podiam licitamente fazer doações aos candidatos, se tornou a principal via para a corrupção dos eleitos, o que a Lava Jato mostrou à exaustão.

PONTO DOIS

Fica uma pergunta: não seria este o momento ideal – novo governo, eleito com bandeiras contra a corrupção e pró moralidade pública e privada, etc. para criminalizar a figura do Caixa 2 nas campanhas eleitorais? Novo tipo penal, com penas proporcionais, etc.

Mas não foi esse o mote do projeto ou pelo menos tais propostas nele não foram incluídas. Pode-se concluir, assim, que, mantendo-se o Caixa 2 como conduta apenas moralmente questionada, novas e significativas somas de dinheiro, com origens desconhecidas (e quiçá de fontes vedadas) - porque não declaradas - podem trafegar pelas campanhas eleitorais impunemente, ficando tudo como dantes.

Se não é crime, não há penalização.

Castigo? No meio eleitoral, o maior castigo é não ser eleito. Portanto, fica o dito pelo não dito, como, aliás, no Brasil não é de se surpreender.

Fica-nos a fantástica leitura ou releitura de “Crime e Castigo”, a que me referi na abertura deste artigo.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Vera Conceição Ilha Dietrich - Advogada 09.03.19 | 15:45:29
Pelo que entendi, o mote do projeto foi simplesmente separar o Caixa 2 do crime de corrupção, mas mesmo assim continuou sendo considerado crime.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Fake news: o mal do século 21?

“Desinformação reproduzida e multiplicada em nada agrega nem ao espaço privado, nem ao público. Desinformação não constrói, desconstrói; é um mal e como tal deve ser tratada”.

A catedral famosa e a revolta contra as doações milionárias

“As obras de reconstrução, que levarão cinco anos, farão a roda rodar: empregos diretos e indiretos na construção civil e também em outras áreas serão criados, contribuindo para uma melhor divisão de rendas e para a redução das desigualdades”.

A conexão como cereja do bolo nos processos da Lava Jato

“A importância de um instituto processual no cenário judicial. Processualistas penais de plantão, a bola da vez está com Vossas Excelências, pois ao fim e ao cabo é o instituto de processo penal que vai determinar a competência, no caso concreto”.

Amigo que é amigo não "come" amiga

“A baixaria, a grosseria, a inconveniência, a ofensa, a deselegância e o machismo barato protagonizados por um desembargador do TJ de Santa Catarina”

Lágrimas de crocodilo

“A expressão significa choro fingido, falso, hipócrita, enganador. Há diferentes versões para explicá-la: 1) Os répteis ´choravam´ para atrair humanos; 2) As lágrimas decorreriam de uma reação física, após a ingestão de um animal; 3) E uma lenda medieval conta que os crocodilos costumavam chorar após devorar uma vítima”.

Brumadinho: crônica de uma morte anunciada

“Se necessária a interrupção temporária das atividades exploradoras - hipótese ventilada pelo próprio presidente da Vale do Rio Doce - que se pague esse preço antes que sobrevenha a terceira, a quarta, a quinta rebentação”.