Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_14.jpg

Sono, risos, choro... e não é samba de carnaval!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 Ressaca jurídica

A 3ª Câmara Criminal do TJRS negou novo recurso de Ricardo José Neis, servidor do Banco Central, condenado pelo júri popular a 12 anos e 9 meses de prisão pelo atropelamento coletivo de ciclistas, ocorrido em 25 de fevereiro de 2011, na Rua José do Patrocínio, em Porto Alegre. Foram reconhecidas 11 tentativas de homicídio, com três qualificadoras, e cinco lesões corporais.

O inexitoso recurso de embargos de declaração sustentou “ter ocorrido, no julgamento da apelação, omissão quanto à preliminar de quebra da imparcialidade dos jurados”. Segundo a defesa, “uma jurada dormiu sentada durante o interrogatório do réu, disso decorrendo que um outro jurado, sentado ao lado, imediatamente riu muito, chegando a até chorar”.

No acórdão, o desembargador relator Diógenes Vicente Hassan Ribeiro não acolheu a argumentação recursal, para o que levou em conta “a precisa, ponderada e imediata atuação do juiz Mauricio Ramires, presidente do Tribunal do Júri”.

O voto relata que “diante do incidente, quando a jurada dormiu durante o interrogatório, o magistrado suspendeu a sessão por 30 minutos e, ainda, colheu informações do outro jurado, que disse que não chorou durante o interrogatório, mas que riu do fato de a jurada ter dormido e, para reprimir o riso, acabou lacrimejando”.

Oito carnavais depois do atropelamento criminoso, não há, por enquanto, decisão sobre o imediato início do cumprimento da pena pelo condenado, nem provocação do Ministério Público neste sentido. (Proc. nº 70080399181).

 Evo Morales, meia volta!

Reviravolta na ação popular – com tramitação desde 22 de janeiro de 2016 - que questiona a pretendida outorga do Mérito Farroupilha a Evo Morales, presidente da Bolívia.

O deputado Edegar Pretto (PT), proponente da pretendida obtusa homenagem, sustentava que “Morales é uma grande referência para os pobres do nosso país e da América Latina, com uma linda trajetória de sindicalista camponês indígena”.

No encaminhamento inicial, Pretto também cometeu um escorregão estético: imprimiu o requerimento com o escudo das armas do Estado do RS de cabeça para baixo.

Na semana passada, uma surpresa: Edegar Pretto formalizou a “comunicação de substituição do indicado”. Morales fica fora e a homenageada será a cidadã Maria Salete Campigotto. Segundo a comunicação oficial, ela é “a primeira professora brasileira de assentamento dos sem-terra”. (Proc. nº 1.16.0008556-4).

A propósito, a vinda de Evo Morales a Porto Alegre resultaria em gastos públicos de aproximados R$ 1,5 milhão, com o transporte aéreo, hospedagem, refeições, e custos de segurança etc. ao presidente boliviano ne seu séquito.

Via redes sociais, 7.811 pessoas aderiram à ação, pugnando pela procedência do pedido de proibição da homenagem.

E o advogado Pedro Lagomarcino (OAB-RS nº 63.784) autor da ação popular, disse ao Espaço Vital “sentir orgulho como cidadão brasileiro em reagir contra o despropósito e o escárnio com o dinheiro público”.

 Um erro federal!

As pessoas jurídicas de direito público respondem pelos danos causados por seus agentes, na forma do artigo 37, parágrafo 6º, da Constituição Federal. E erro(s) do juiz e/ou de servidores de uma vara judicial - que prejudica(m) terceiros - gera(m) indenização por danos morais.

Com esse fundamento, o TRF da 4ª Região manteve sentença que condenou a União a reparar o contribuinte José Savaris, do Paraná, que teve o imóvel penhorado para pagar dívidas de execução fiscal de responsabilidade de um homônimo que mora em Ijuí (RS).

‘‘O evento danoso resta comprovado, considerando que o cidadão José Savaris que teve um imóvel constrito não era parte na execução fiscal nº 016/1.05.0003078-3 (2ª Vara Cível da Comarca de Ijuí/RS) e, mesmo assim, teve efetivada penhora de um bem de sua propriedade” – dispôs o juiz federal de primeiro grau, Marcelo Adriano Micheloti, ao deferir indenização (modesta) de R$ 5 mil. O efetivo devedor era um homônimo, tal como admitido pela União.

A apelação do lesado, para aumentar a indenização foi provida: o valor passou para R$ 20 mil. Para a relatora no TRF-4, desembargadora federal Vivian Caminha, “a penhora indevida gerou transtornos que não podem ser considerados corriqueiros ou meros aborrecimentos, pois o erro originário na aplicação de lei processual não diz respeito à atividade-fim do Poder Judiciário — a prestação jurisdicional —, mas à forma da condução do processo’’. (Proc. nº 5002236-91.2015.4.04.7006).

 Teoria do adimplemento substancial

Uma interessante novidade na jurisprudência: a aplicação da teoria do adimplemento substancial, pelo TJ de São Paulo, assim impedindo que duas credoras tomassem de volta um imóvel que estava 86% quitado.

As empresas RCN & Godoi Construtora e Quatro ´A´ Empreendimentos Imobiliários foram à Justiça pedir a retomada de um apartamento residencial porque o casal adquirente atrasara o pagamento consecutivo de três parcelas. No compromisso de compra e venda, a obrigação de pagar fora fracionada em 72 prestações; destas 62 foram quitadas, havendo o pagamento parcial da prestação de nº 63 e o inadimplemento das restantes.

"Sempre que for possível, a teoria do adimplemento substancial deve ser aplicada para reconhecer função social do contrato e o princípio da dignidade da pessoa humana” – diz o acórdão. O voto do desembargador Roberto Mac Cracken não retira das empresas credoras seu direito efetivo de cobrar, mas dá realce “à função social do contrato e aos princípios que regem a dignidade da pessoa humana, sem retirar direito efetivo do credor”.

O acórdão também assinala que “a teoria do adimplemento substancial normalmente se aplica a casos em que mais de 80% do contrato já foi quitado”. (Proc. nº 1014175-90.2016.8.26.0011).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Quase 755 mil gravações com os nomes de muita gente importante...

 Delação premiada do doleiro Álvaro José Novis entrega gravações feitas durante oito anos nos esquemas da Odebrecht com políticos.

 “Advogado nem a pau”: uma súmula do CF-OAB com a cara de um estagiário safado.

 Ação judicial de Flávio Bolsonaro pretextando proteger-se de insetos, aves e maresia...

 Quando Madame Tartaruga senta num banco, para ajudar bancos...

 Quem quer ajudar o “Doutor Campari”? Ele é bacharel em direito (com ´d´ minúsculo...).

Vem aí a nova versão do BacenJud

•   Ela será implementada com recursos (R$ 2 milhões) obtidos de dinheiro recuperado da roubalheira flagrada pela Lava-Jato.

•   Mas o sucesso para apertar caloteiros dependerá também de algumas mudanças nas posturas jurisdicionais.

•   Travesti presa e condenada – por sucessão de furtos – obtém o direito de pernoitar na ala feminina do Presídio Estadual de Cruz Alta (RS).

•   Alteração no Código Civil proíbe casamento de menores de 16 anos.

•   No Brasil, atualmente, existiriam cerca de 88 mil meninos e meninas - com idades entre 10 e 14 anos - em uniões consensuais, civis e/ou religiosas.

•   Mudanças nos estatutos do Grêmio para permitir a candidatura de Romildo Bolzan à segunda reeleição.

Os dias de intensa provação da mais famosa Miss Brasil de todos os tempos

• Martha Rocha anuncia nas redes sociais que foi morar numa casa de idosos por questões financeiras. Mas não se sente humilhada.

 O lançamento da picape 3100, da Chevrolet, com duas polegadas a mais.

 As mudanças na Editora Abril e a proibição de a revista Veja ser vendida para entidades religiosas ou políticas.

 A silenciosa gaúcha Rosa Weber é quem mais recebe e-mails no STF.

• Elas vêm chegando: desembargadoras no TJRS já são 40.

Sérgio Cabral (197 anos de cadeia!) diz que o apego dele ao dinheiro é “um vício”

 A cleptomania. Quem conhece bem o ex-governador do Rio de Janeiro já vaticina que ele está preparando terreno legal para ter as penas diminuídas.

• A falsa legalidade da Unimed na tentativa de rescindir contratos de saúde com idosos.

• Futebol jurídico-policial no Inter: Ministério Público está de olho em três jornalistas.

 Os bastidores de “O Sétimo Guardião”, novela da Globo.

Projeto de lei do deputado Sebastião Melo (MDB) acaba com a “indústria do guincho”.

•  A rica empresa paulista (com seus produtos vendidos em 60 mil farmácias brasileiras) foi quem contratou o voo (irregular) em helicóptero que não podia transportar passageiros.

•  Projeto do deputado Sebastião Melo (MDB-RS) acaba com a “indústria do guincho”.

• José Dirceu está convidando para a festa de seu 73º aniversário, em março. Seria seu “último baile”?...

•  Para futura homenagem no Maracanã, Ronaldinho Gaúcho descarta camiseta de clubes brasileiros (inclusive Grêmio). Ele prefere o Barcelona.

São sete advogados ´trans´ no RS e 65 no Brasil todo

• Resolução do CF-OAB permite que travestis, transexuais e transgêneros usem seus nomes sociais, substituindo o nome civil no exercício da profissão.

 O doce mundo depois da delação premiada: Fernando Baiano, condenado a 16 anos de prisão e multa de R$

 Doleiro obtém habeas corpus mediante fiança de R$ 5 milhões.